Artigos

Frutos do Cerrado são comercializados no Brasil e no exterior

Frutos do Cerrado são comercializados no Brasil e no exterior

O Cerrado é caracterizado pela grande variedade de sistemas ecológicos, tipos de solo, clima, relevo e altitude. Possui diferentes paisagens, que vão desde o cerradão (com árvores altas, densidade maior e composição distinta), o cerrado mais comum no Brasil central (com árvores baixas e esparsas), até o campo cerrado, campo sujo e campo limpo (com progressiva redução da densidade arbórea). Ao longo dos rios há fisionomias florestais, conhecidas como florestas de galeria ou matas ciliares. De acordo com o Ministério do Meio Ambiente, o Cerrado ocupa uma área de 2.036.448 km2, cerca de 22% do território nacional, englobando os estados de Goiás, Tocantins, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Bahia, Maranhão, Piauí, Rondônia, Paraná, São Paulo e Distrito Federal, além do Amapá, Roraima e Amazonas.

O Cerrado possui uma extensa lista de frutos. Alguns deles são: Amora-preta, Araçá, Araticum, Babaçu, Buriti, Cagaita, Cajuzinho-do-Cerrado, Chichá, Gabiroba, Gravatá, Guariroba, Ingá-do-Cerrado, Jatobá-do-Cerrado, Jenipapo, Jerivá, Lobeira, Mama-Cadela, Mangaba, Maracujá-do-Cerrado, Melancia-do-Cerrado, Murici, Pequi e Pimenta-de-Macaco. Sendo que os frutos regularmente consumidos pela população local e vendidos nos centros urbanos são: o Pequi, Buriti, Mangaba, Cagaita, Bacupari, Cajuzinho do cerrado, Araticum e as sementes do Barú.

O araticum (nome científico Annona coriacea), por exemplo, é uma das plantas características do Cerrado. Ocorre normalmente em áreas secas e arenosas. O fruto é bastante conhecido e muito apreciado, sendo que, dependendo da região, leva o nome de pinha, ata, marolo, condessa, bruto, cabeça-de-negro, entre outros. O nome araticum é derivado do tupi e significa “árvore rija e dura, fruto do céu, saboroso, ou ainda fruto mole”, visto que sua polpa é branca, viscosa e mole quando maduro. A fruta é coberta por uma casca marrom, bem grossa, e contém inúmeras sementes pretas e lisas presas à polpa. É consumida ao natural, mas a polpa é muito utilizada também para sucos, sorvetes e doces.

Araticum

O jatobá (do gênero Hymenaea) é um fruto oblongo, castanho, com cerca de l0 cm de comprimento, com 3 a 8 sementes envoltas numa polpa amarelo-pálida, farinácea, doce e comestível. O fruto é consumido “in natura” e sua polpa é aproveitada para fazer farinha.

Jatobá

Enquanto o pequi (Caryocar brasiliense) apresenta gosto inconfundível e tem o tamanho aproximado a de uma maçã. Seu nome é ligado à língua tupi: py = casca e qui = espinho. O fruto é revestido por uma casca verde e conta com uma camada de espinhos finos embaixo da polpa, sob a qual se encontra uma amêndoa, também utilizada para alimentação e extração de óleo. O pequi compõe receitas tradicionais, como o arroz com pequi, galinhada, alguns doces, licores, sorvetes.

Pequi1

Segundo artigo publicado em 26 de Julho de 2016 pela WWF (World Wide Fund for Nature), o pequi e outros frutos tem sido fonte de renda para as comunidades agroextrativistas no Mosaico Sertão Veredas Peruaçu (MSVP), localizado ao norte de Minas Gerais. A WWF-Brasil tem trabalhado na região com o fortalecimento da base do extrativismo sustentável. Segundo a analista de conservação da organização, Kolbe Soares: “O extrativismo é imprescindível para manutenção da biodiversidade neste bioma tão ameaçado. Temos atuado no apoio à estruturação da cadeia produtiva, que vai desde a coleta dos frutos no campo, passando pelo beneficiamento, até a comercialização. Trabalhamos, principalmente, com empreendimentos comunitários como as cooperativas agroextrativistas”.

Pequi2

A extração do pequi nesse local originou cerca de duas toneladas e meia de polpa, que estão sendo comercializadas em feiras locais, nacionais e até mesmo exportadas ao Japão. Além disso, até mesmo o creme do pequi está sendo exportado para o Japão. Isso é resultado de uma parceria da Cooperativa dos Agricultores Familiares e Extrativistas do Vale do Peruaçu (COOPERUAÇU) com o apoio da Central do Cerrado. A WWF-Brasil apoia capacitações de cooperativas para aperfeiçoar o trabalho com frutos do Cerrado. O creme não utiliza conservantes químicos e é um exemplo de como é possível produzir respeitando o modo de vida dos produtores e da natureza.

Pequi3

 

A venda de frutos do Cerrado também é bem-sucedida no Brasil, como no Mercado de Pinheiros, em São Paulo, por meio da Central do Cerrado. Além disso, no Rio Grande do Sul são comercializados doces e polpas dos frutos do Cerrado, farofa e óleo de pequi e, ainda, farinha de jatobá. O núcleo do Peruaçu é o único da região que produz a farinha do jatobá, utilizada para substituir o trigo.

Autora: Karen P Castillioni

 

Referências

http://www.mma.gov.br/biomas/cerrado

http://www.centraldocerrado.org.br/categoria/frutos/

http://www.wwf.org.br/informacoes/noticias_meio_ambiente_e_natureza/?53302/Frutos-do-Cerrado-so-comercializados-no-pas-e-no-exterior

http://www.wwf.org.br/natureza_brasileira/questoes_ambientais/biomas/bioma_cerrado/

Figuras

http://www.centraldocerrado.org.br/categoria/frutos/

http://www.wwf.org.br/informacoes/noticias_meio_ambiente_e_natureza/?53302/Frutos-do-Cerrado-so-comercializados-no-pas-e-no-exterior

 

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Bióloga com Mestrado em Botânica pela UNESP.Desenvolvedora de estudos ligados à ecologia, conservação, sustentabilidade e impactos das alterações climáticas.

Mais em Artigos

Motivação

Teoria da Motivação de McClelland(2)

Roberto Mangraviti17 de novembro de 2017
Infraestrutura

Infraestrutura no Brasil – Concessionárias as únicas com bons resultados( Parte 3)

Roberto Mangraviti16 de novembro de 2017
Gestão Ambiental Portuária

Gestão Ambiental portuária, Ônus ou Oportunidade?

Roberto Roche14 de novembro de 2017

Motivação na ótica de Maslow

Roberto Mangraviti13 de novembro de 2017
Adam Smith

Lições para o Brasil – Adam Smith

Roberto Mangraviti12 de novembro de 2017
Animal Pré-histórico

Animais que “deram as caras” depois da extinção dos dinossauros

Karen P Castillioni11 de novembro de 2017
quando o medicamento vira droga

Quando o analgésico mata

Dependência Química9 de novembro de 2017

Infraestrutura – Brasil no descompasso internacional (2)

Roberto Mangraviti8 de novembro de 2017
Políticos Ranking

Dica de Hoje: site faz “Ranking” de políticos.

Roberto Mangraviti7 de novembro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »