Artigos

A Inversão do Ônus da Prova nas Demandas Ambientais

A Inversão do Ônus da Prova nas Demandas Ambientais

A Constituição Federal de 1988, em seu art. 225, dispõe que todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, impondo ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações.

Contudo, anterior ao advento do atual texto constitucional, a Lei 7.347/85 já tratava da defesa do meio ambiente ao regular a possibilidade de ajuizamento de ação civil pública de responsabilidade por danos ambientais morais e patrimoniais, sem prejuízo da ação popular, pelo Ministério Público e demais legitimados indicados no art. 5º desse diploma legal.

Isso porque a ação civil pública é o instrumento processual apto para reprimir ou impedir danos ao meio ambiente, cuja repercussão afeta diretamente os interesses difusos da sociedade e, indiretamente, os individuais.

Assim, dado o caráter público e coletivo do bem jurídico tutelado, da complexidade da reparação desses danos e da dificuldade de se produzir provas que atestem a causa, os agentes degradadores e o liame entre o dano e a fonte poluidora, admite-se a inversão do ônus probatório nas demandas ambientais, por aplicação subsidiária do art. 6º, inciso VIII do Código de Defesa do Consumidor c/c o art. 21, da Lei nº 7.347/85, especialmente em alusão ao princípio da precaução, a fim de que os riscos, provenientes de atividades potencialmente poluidoras, sejam minimizados e não se transformem em lesões ambientais.

Nesse sentido, sempre que houver lesão ou incerteza científica de ameaça de dano ao meio ambiente, em decorrência da atividade econômica desenvolvida ou a ser implantada, impõe-se ao demandado o ônus de provar que o seu empreendimento não causou ou não causará dano ambiental grave, irreversível, ou ainda, de difícil reparação, sob pena de perder a demanda judicial, caso não prove os fatos alegados pelo autor da ação.

Por todo o exposto, a aplicação do princípio da precaução traz ínsita a necessidade de inversão do ônus probatório nas demandas ambientais, haja vista ser uma importante ferramenta processual a ser utilizada como regra de julgamento em prol do meio ambiente.

Milena Rupiani Bonetto

Advogada, pós-graduada em Perícia, Auditoria e Gestão Ambiental, Membro das Comissões de Direito Ambiental e de Defesa dos Direitos dos Animais da OAB de Santo Amaro.

E-mail: direito@sustentahabilidade.com

Artigos

Advogada, Pós-graduada em Negócios, Comércio e Operações Internacionais pela FIA/USP e em Perícia, Auditoria e Gestão Ambiental. Master in International Management pelo Institut d’Administration des Entreprises (IAE). Membro das Comissões de Direito Ambiental e de Defesa dos Direitos dos Animais da OAB-SP

Mais em Artigos

Problemas com a Pressão Arterial e Estresse entenda as funções do Cortisol

Dr Leo Kahn14 de outubro de 2019
Minuto ODS - Vida Terrestre

Vídeo Minuto ODS 17 – Parcerias e Meios de Implementação –

Bel Gimenez12 de outubro de 2019
Selfie para biometria e assinatura digital

Selfie para biometria e assinatura digital

Roberto Mangraviti11 de outubro de 2019
Minuto ODS - Vida Terrestre

Vídeo Minuto ODS 16 – Paz, Justiça e Instituições Eficazes

Bel Gimenez7 de outubro de 2019
Cabines de Descanso

Cabines de descanso em rodovias brasileiras são instaladas na BR386

Roberto Mangraviti4 de outubro de 2019
Curso de Cuidadores em SP

Cursos de Cuidadores em SP – 05 Vagas Gratuitas

Roberto Mangraviti2 de outubro de 2019

Especiarias e ervas aromáticas: quais você conhece?

Karen P Castillioni30 de setembro de 2019
Minuto ODS - Vida Terrestre

Vídeo Minuto ODS 15 – Vida Terrestre

Bel Gimenez28 de setembro de 2019
Cordilheira brasileira submarina

Cordilheira brasileira submarina

Roberto Mangraviti25 de setembro de 2019

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »