Artigos

Investimentos na prevenção de desastres naturais

Investimentos na prevenção de desastres naturais

As catástrofes provocadas pelas mudanças climáticas tornaram-se cada vez mais frequentes em todo o mundo. No Brasil, dada a ocupação de áreas antes desabitadas, são cada vez mais frequentes os efeitos dos fenômenos climáticos, na forma de catástrofes que afetam extensas faixas da população: enchentes no Rio Grande do Sul, em Santa Catarina e no Nordeste. Desbarrancamentos em Salvador, no Rio de Janeiro e em Niterói; trombas d água seguidas de rios de lama na região serrana do Rio de Janeiro e na Baixada Fluminense. Quanto maior o adensamento da população nas regiões de encostas de morros, várzeas de rios e áreas de aterro, tanto maiores são as chances de ocorrerem acidentes que acabam com bens e vidas.

No passado, até a algumas décadas, o impacto que a população exercia sobre os diversos ambientes ainda era limitado. Inundações e desabamentos de encostas, provocadas por ocupação irregular destas áreas, limitavam-se às grandes cidades e afetavam poucas pessoas, em comparação com o resto da população não afetada. A partir da década de 1970, no entanto, a invasão de áreas de floresta e de baixadas no entorno de grande parte das cidades grande e médias – resultado da falta de políticas de planejamento urbano – fez com que as catástrofes se tornassem cada vez mais frequentes.

Além do fenômeno da mudança do ritmo das chuvas e de seu volume – provocado pelas mudanças climáticas – a falta de planejamento urbano e de um sistema de previsão de desastres também ajudou a tornar os acidentes mais graves. Se já no passado houvesse sistemas de alerta às populações, muitas vidas teriam sido poupadas em Santa Catarina, Rio de Janeiro e outras regiões.

No entanto, depois de tantas desgraças que vêm assolando o País, parece que aos poucos os administradores públicos e privados estão começando a perceber que a prevenção é possível, pode economizar muito dinheiro e, principalmente, é capaz de salvar vidas. Ao invés de culpar o destino ou falar em fatalidades, os governos começam a perceber que se não fizerem nada para prevenir catástrofes, podem até acabar como réus em um tribunal, dado o nível da indignação pública em algumas regiões do país.

Mais uma contribuição na prevenção de desastres está sendo implantada pelo estado de São Paulo. Recentemente, o reitor da Universidade de São Paulo, João Grandino Rodas, assinou um convênio com o governo paulista e com o Ministério da Integração Nacional, visando a criação de um Centro de Estudos e Pesquisas sobre Desastres – Ceped. A instituição, que receberá um aporte inicial de R$ 3 milhões, reunirá especialistas da universidade que trabalhem com prevenção e redução de danos por catástrofes naturais. São especialistas em meteorologia, geofísica, engenharia, saúde pública e psicologia, entre outras áreas; que elaborarão mapeamentos de áreas de risco, estudos sobre abrigos temporários, manejo de recursos para as vítimas e farão avaliação de potenciais ameaças. Além do estado de São Paulo o Ceped também poderá realizar estudos para outras regiões.

As catástrofes provocadas por fenômenos climáticos se tornarão cada vez mais frequentes e impactantes. Por isso, nenhum tipo de investimento realizado na prevenção de desastres é suficiente, face à falta de estrutura e de organização em que o País ainda se encontra nesta área.

Ricardo Rose é jornalista, graduado em filosofia e pós-graduado em gestão ambiental e sociologia. Desde 1992 atua nos setores de meio ambiente e energia na área de marketing de tecnologias. É diretor de meio ambiente da Câmara Brasil-Alemanha e editor do blog “Da natureza e da cultura” (www.danaturezaedacultura.blogspot.com)

 

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Ricardo Ernesto Rose, jornalista, graduado em filosofia e pós-graduado em gestão ambiental e sociologia. Desde 1992 atua nos setores de meio ambiente e energia na área de marketing de tecnologias.

Mais em Artigos

Risco Ambiental na Gestão de Resíduos Sólidos

Risco Ambiental na Gestão de Resíduos Sólidos

Roberto Roche12 de dezembro de 2017
São Paulo

Cidade de São Paulo – TODOS são “fumantes”.

Roberto Mangraviti9 de dezembro de 2017
Leite e Qualidade

Leite: qualidade, processamento e as nomenclaturas comerciais.

Convidado8 de dezembro de 2017
Pré-História

Homem … 45 mil anos de impacto ambiental

Ricardo Rose7 de dezembro de 2017
Gestão Ambiental

Gestão Ambiental portuária, Ônus ou Oportunidade?

Roberto Roche5 de dezembro de 2017
equipes

Equipes de Crise Corporativa

Roberto Mangraviti2 de dezembro de 2017
Energia Aeólica

A Cidade de Saerbeck planejou e realizou o futuro.

Roberto Mangraviti1 de dezembro de 2017
Demitir Clientes

Momento(s) de “demitir” um cliente !

Roberto Mangraviti30 de novembro de 2017

A revolução das impressoras 3D: Impressão de pontes de aço

Cristian Reis Westphal29 de novembro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »