Artigos

Lei Paulista proíbe a guarda de animais por pessoas que praticam maus tratos.

Lei Paulista proíbe a guarda de animais por pessoas que praticam maus tratos.

Publicada no dia 14 de setembro de 2016, no Diário Oficial do Estado de São Paulo, a Lei Estadual nº 16.308/2016 foi criada com o escopo de fazer valer o dever do Estado de zelar pelo bem-estar animal, impedindo que animais domésticos, vítimas de maus tratos, tenham sua guarda devolvida à pessoa causadora das agressões, bem como impedir que o agressor seja tutor de outros animais.

De acordo com o Art. 1º da referida Lei, toda pessoa que, comprovadamente, cometer maus tratos contra animais domésticos, que estejam sob sua tutela ou de outrem, além deperder a sua guarda, ficará proibida de manter outros animais pelo período de 05 (cinco)anos, contados da agressão cometida, reiniciando-se a contagem do prazo, caso outra ocorrência criminosa seja apurada.

Para assegurar o registro de agressões e maus tratos no Estado de São Paulo, as denúncias poderão ser realizadas via online, de forma anônima, pelo link http://www.ssp.sp.gov.br/depa, pertencente à recém-criada Delegacia Eletrônica de Proteção Animal do Estado de São Paulo (DEPA).

Após a efetivação da denúncia, será gerado um número de protocolo, por meio do qual o denunciante poderá acompanhar as ações tomadas pela autoridade competente.

Em que pese essa importante iniciativa do Governo do Estado de São Paulo em retirar o animal, vítima de maus tratos, do campo de influência do seu tutor agressor, e impedir que outros animais sejam por ele tutelados, esta será uma medida de difícil aplicação.

A preocupação com a efetividade e deslanche dessa Lei reside no fato de que a mesma é silente quanto a diversos aspectos, tais como, controle de ocorrências reincidentes;avaliação e monitoramento da conduta do agressor durante o período de 05 (cinco) anos, além de procedimentos que deverão ser adotados pelo Poder Público quando da retirada do animal da guarda de seu agressor, incluindo designação de tutela provisória e lar temporário.

Outra questão que merece atenção é como o Poder Judiciário tratará do tema. Apesar do crime de maus tratos ter amparo no Art. 32, da Lei Federal nº 9.605/98,passível de detenção e multa, esta Lei não impede que o criminoso possa vir a manter animais sob sua tutela.

Nesse caso, e com o respaldo da Lei Estadual nº 16.308/2016, entende-se imprescindível a adoção de métodos legais, tais como laudo e acompanhamento psicológico, que atestemo grau de capacidade do agressor de voltar a conviver em harmonia com o animal agredido, bem como com outros animais, tanto pelo prazo de 05 (cinco) anos, quanto por período maior.

Diante do atual cenário, caberá ao Poder Público Estadual, com o auxílio da sociedade, definir medidas efetivas de aplicação da recém-publicada Lei, a fim de fazer valer o seu propósito, impedindo que animais domésticos, vítimas de maus tratos, tenham sua guarda devolvida à pessoa causadora de agressões, bem como impedir que o agressor se torne tutor de outros animais, seja por qual tempo for.

Autora: Milena Rupiani Bonetto
E-mail: contato@sustentahabilidade.com

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Advogada, Pós-graduada em Negócios, Comércio e Operações Internacionais pela FIA/USP e em Perícia, Auditoria e Gestão Ambiental. Master in International Management pelo Institut d’Administration des Entreprises (IAE). Membro das Comissões de Direito Ambiental e de Defesa dos Direitos dos Animais da OAB-SP

Mais em Artigos

Mundo Verde

“Mundo Verde” projeta crescer 25% em 2018

Roberto Mangraviti24 de novembro de 2017
Motivação_Herzberg

Teoria da Motivação de Herzberg (3).

Roberto Mangraviti23 de novembro de 2017
Bolsa Família

O Bolsa Família ocultou a taxa de desemprego real?

Roberto Mangraviti22 de novembro de 2017
QSMS-RS e Sustentabilidade

Mais líderes na gestão de QSMS-RS & Sustentabilidade

Roberto Roche20 de novembro de 2017
Motivação

Teoria da Motivação de McClelland(2)

Roberto Mangraviti17 de novembro de 2017
Infraestrutura

Infraestrutura no Brasil – Concessionárias as únicas com bons resultados( Parte 3)

Roberto Mangraviti16 de novembro de 2017
Gestão Ambiental Portuária

Gestão Ambiental portuária, Ônus ou Oportunidade?

Roberto Roche14 de novembro de 2017

Motivação na ótica de Maslow

Roberto Mangraviti13 de novembro de 2017
Adam Smith

Lições para o Brasil – Adam Smith

Roberto Mangraviti12 de novembro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »