Artigos

LEI DA POSSE RESPONSÁVEL DE ANIMAIS DOMÉSTICOS

LEI DA POSSE RESPONSÁVEL DE ANIMAIS DOMÉSTICOS

A posse responsável de animais domésticos é um dos grandes temas discutidos na atualidade, visto a crescente quantidade de casos de abandono que ocorrem anualmente.

Recente pesquisa realizada pela Organização Mundial da Saúde estima que no Brasil existam mais de 30 (trinta) milhões de animais abandonados, sendo cerca de 10 (dez) milhões de gatos e 20 (vinte) milhões de cães.

Tal resultado reflete a falta de programas de políticas públicas voltadas para os animais, cujo cenário só não é pior por conta da atuação árdua de ativistas autônomos e instituições que dependem de doações para manter abrigos superlotados e promover campanhas de castração.

Infelizmente, o abandono de animais, a toda sorte de riscos, além de torná-los vítimas da sociedade, transforma-os em vetores de doenças, que acabam afetando, inclusive, a saúde pública.

Assim, ter animais de estimação implica assumir deveres e obrigações, pois devem ser tratados de forma digna, com carinho e responsabilidade. Além disso, esses seres viventes são portadores de necessidades e direitos, inclusive reconhecidos pela UNESCO, por meio da Declaração Universal dos Direitos dos Animais, proclamada em 27 de janeiro de 1978, sendo subscrita pelo Brasil.

Nesse sentido, alguns Municípios brasileiros criaram Leis específicas acerca da posse responsável de animais, a fim de definir obrigações aos tutores e punir aqueles que infringirem tais determinações. Em São Paulo, a Lei nº 13.131, de 18 de maio de 2001, disciplina a criação, a propriedade, a posse, a guarda, o uso e o transporte de cães e gatos na cidade, sendo, posteriormente, regulamentada pelo Decreto nº 41.685, de 13 de fevereiro de 2002.

A Lei da Posse Responsável de Animais define, portanto, pilares da responsabilidade dos tutores pela manutenção de cães e gatos em condições adequadas de alojamento, alimentação, saúde física e psicológica, higiene, identificação e bem-estar, bem como pela destinação adequada dos seus dejetos.

Diante desse cenário, para que haja diminuição do número de casos de abandono no País, ao acolher um animal, recomenda-se a observância de alguns pontos importantes, tais como:

a) Tempo de vida estimado do animal;
b) Apoio de toda a família para receber um novo integrante;
c) Recursos financeiros para gastos com assistência veterinária, vacinação, alimentação, alojamento, transporte, entre outros;
d) Ciência das características físicas e comportamentais do animal;
e) Alojamento adequado, a fim de evitar fugas, e compatível com o porte e atividade do animal;
f) Disponibilidade de tempo para atenção e cuidados necessários a serem despendidos com o animal;
g) Castração de machos e fêmeas como medida para evitar crias indesejadas e superpopulação.

Se cada um observar esses quesitos e fizer a sua parte, certamente haverá alteração significativa dessa cruel realidade, afinal, como dizia Chico Xavier, não podemos voltar atrás e fazer um novo começo, mas podemos recomeçar e fazer um novo fim.

Milena Rupiani Bonetto

Advogada, pós-graduada em Perícia, Auditoria e Gestão Ambiental, Membro das Comissões de Direito Ambiental e de Defesa dos Direitos dos Animais da OAB de Santo Amaro.

E-mail: milenarpbon@uol.com.br

Ver Comentários (2)

2 Comments

  1. Micheli de Paula Nogueira Silva

    12 de fevereiro de 2018 às 09:43

    Olá Milena, há um ano acolhi um gato que já vinha comer aqui em casa há uns três meses, um dia ele apareceu miando muito e eu o deixei entrar estava com sarna e machucado ( havia um pedaço de pau enfiado e colado nele que ja estava grudado na pele) isso foi de madrugada e já no primeiro horário pela manhã segui com ele para a veterinária. Deixei ele na garagem para que alguém o visse por dua semanas e meia e ninguém apareceu. Então coloquei ele pra dentro, com orientação da veterinária fizemos a vermifugação, logo após o castramos em seguida o vacinamos. E neste fim de escutei uma voz no portão falando com meus gatos (tenho outros), fui lá pra ver se estava tudo bem, pois tenho medo de pessoas desconhecidas no portão por causa de envenenamento, e ela saiu falando alto (quase gritando) que o gato era dela. Tentei conversar com ela,falei que se o gato era dela,pedi o cartão de vacina dele como prova ela desconversou, disse que estava vendo que o gato estava bem cuidado, foi se distanciando entrou no carro e se foi. Oque faço agora, por favor me de uma orientação, não posso deixar que meu filho volte a viver como estava quando chegou em nossa casa, agradeço Micheli.

    • Isabel Gimenez

      13 de fevereiro de 2018 às 12:45

      Bom dia Micheli, estamos enviando para a Dra Milena e em breve retornaremos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos

Advogada, Pós-graduada em Negócios, Comércio e Operações Internacionais pela FIA/USP e em Perícia, Auditoria e Gestão Ambiental. Master in International Management pelo Institut d’Administration des Entreprises (IAE). Membro das Comissões de Direito Ambiental e de Defesa dos Direitos dos Animais da OAB-SP

Mais em Artigos

Robson Miguel

Robson Miguel em Brasília – Semana do Índio.

Bel Gimenez17 de abril de 2018
Água

Água … uma riqueza desvalorizada no Brasil

Roberto Mangraviti16 de abril de 2018
Japão trabalha para abrigar humanos na Luaem 2030

Brasil … qual o perfil da sua gente ?

Roberto Mangraviti14 de abril de 2018
The Body Shop - Testes em animais

Assinaturas para fim de testes em animais

Roberto Mangraviti13 de abril de 2018
Localoza

Negócio “limpo” – caminho da Localiza no Brasil com solar.

Roberto Mangraviti12 de abril de 2018

Bactérias e a formação do oxigênio na Terra Primitiva

Cristian Reis Westphal11 de abril de 2018
Eficiência Energética

Novas maneiras de incentivar a eficiência energética

Ricardo Rose7 de abril de 2018
Roberto

ABC Repórter destaca o nosso Portal

Bel Gimenez6 de abril de 2018
Produtividade

Missão difícil para o Brasil

Roberto Mangraviti3 de abril de 2018

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »