Artigos

Metas de eficiência para veículos

Metas de eficiência para veículos

A indústria automobilística no Brasil iniciou suas atividades na década de 1950 e foi um dos marcos na industrialização do país. Crescendo ao longo dos anos 1960 e 1970, o setor automotivo também foi fortemente afetado pelas sucessivas crises que abalaram a economia brasileira nas décadas de 1980 e 1990. Foi somente a partir de 2004, quando a estabilidade econômica, a melhoria da renda e o crescimento da oferta de crédito aumentaram a demanda por veículos, que a indústria automobilística pode efetivamente se expandir. Novas montadoras se estabeleceram no país, o que também provocou uma maior oferta de modelos, aumentando a concorrência entre as marcas.

Na crise da economia global em 2008 o setor automobilístico mundial foi um dos mais afetados, chegando quase à falência de grandes montadoras americanas. No Brasil, a fim de manter as vendas aquecidas, o governo criou incentivos fiscais, já que a cadeia produtiva do setor é ampla e gera centenas de milhares de empregos diretos e indiretos. À época, especialistas no setor automotivo, jornalistas e ambientalistas criticaram o governo por não cobrar qualquer contrapartida por parte das montadoras. Poderia ter sido exigido, por exemplo, que todos os veículos viessem equipados com air-bags, ou que o freio ABS fosse instalado em um maior número de modelos. O setor ambiental sugeria, por exemplo, que os veículos fossem mais econômicos e que aumentasse a quantidade de peças recicláveis.

Mais recentemente o setor automotivo nacional foi novamente beneficiado, quando o governo aumentou o IPI (imposto de produtos industrializados) dos carros importados. A medida em si faz parte de uma estratégia que muitos países utilizam para proteger sua indústria; prática no passado também empregada por nações que hoje criticam esta atitude. No entanto, novamente o governo não fez qualquer exigência às montadoras, para que fizessem melhorias técnicas nos veículos.

Agora, todavia, parece que os técnicos do governo estão preparando um plano de metas a ser atingido durante o novo regime automotivo, programado para o período 2013 a 2017. Neste novo sistema, chamado de Inovar-Auto – que ainda depende de discussões técnicas entre ministérios e representantes do setor automotivo – o governo pretende estabelecer alguns pontos que farão com que as montadoras sejam forçadas a investir mais em inovação técnica. Para escapar do aumento de 30% do IPI, a indústria deverá comprar autopeças fabricadas no mercado interno; quanto mais comprar tanto maior a redução do imposto. Outro item da lista de obrigações refere-se à eficiência dos veículos; estes deverão reduzir o consumo por quilometro e assim também diminuir suas emissões. Outra novidade é que até 2017 todo veículo receberá uma etiqueta do IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), que mostrará o consumo de combustível por quilometro rodado. A medida do governo já era esperada há muito. Se, por um lado, são dados incentivos e outras vantagens, por outro há que se exigir que a indústria fabrique veículos mais modernos, seguros e eficientes. As melhorias inclusive tornariam os carros brasileiros mais competitivos no mercado internacional.

Se a transição para uma sociedade com larga oferta de transporte público ainda é difícil, deve-se esperar, pelo menos, que os veículos sejam menos poluentes e mais seguros.

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Economista e Facility Manager em Sustentabilidade. Editor, diretor e apresentador do Programa Sustentahabilidade.com pela WEBTV. Consultor da ADASP- Associação dos Distribuidores e Atacadistas do Estado de São Paulo e colunista do site do Instituto de Engenharia de São Paulo.

Mais em Artigos

Risco Ambiental na Gestão de Resíduos Sólidos

Risco Ambiental na Gestão de Resíduos Sólidos

Roberto Roche12 de dezembro de 2017
São Paulo

Cidade de São Paulo – TODOS são “fumantes”.

Roberto Mangraviti9 de dezembro de 2017
Leite e Qualidade

Leite: qualidade, processamento e as nomenclaturas comerciais.

Convidado8 de dezembro de 2017
Pré-História

Homem … 45 mil anos de impacto ambiental

Ricardo Rose7 de dezembro de 2017
Gestão Ambiental

Gestão Ambiental portuária, Ônus ou Oportunidade?

Roberto Roche5 de dezembro de 2017
equipes

Equipes de Crise Corporativa

Roberto Mangraviti2 de dezembro de 2017
Energia Aeólica

A Cidade de Saerbeck planejou e realizou o futuro.

Roberto Mangraviti1 de dezembro de 2017
Demitir Clientes

Momento(s) de “demitir” um cliente !

Roberto Mangraviti30 de novembro de 2017

A revolução das impressoras 3D: Impressão de pontes de aço

Cristian Reis Westphal29 de novembro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »