Artigos

Monitoramento da água precisa melhorar

Monitoramento da água precisa melhorar

Um dos problemas do saneamento no Brasil é a baixa freqüência das análises da qualidade da água que utilizamos para consumo. Por todo o país, ainda são insuficientes os testes destinados a detectar as condições da água nos locais de captação, como fontes, ribeirões ou lagos. Dados do Ministério da Saúde dão conta de que apenas 67% das cidades estão preparadas para realizar um relativo controle da qualidade das águas consumidas por sua população.

O problema não é novo e começou a ser detectado nos Estados Unidos ainda nos anos 1960. Autoridades sanitárias americanas já naquela época descobriram que não somente a cor e a presença de patógenos ou produtos químicos deveriam ser os únicos parâmetros na aferição da qualidade da água. Existiam diversos produtos químicos, que por diferentes caminhos chegavam às fontes de água, não sendo detectados por análises laboratoriais comuns.

Estes contaminantes não eram eliminados em sistemas de tratamento convencionais, nem mesmo por filtros de carvão ativado. Atualmente a quantidade de produtos químicos e substâncias usadas nas indústrias farmacêuticas, químicas e de bens de consumo é bem maior e tem poder de contaminação muito mais forte. No que diz respeito ao acompanhamento regular da qualidade da água destinada ao tratamento e posterior consumo, o Brasil ainda está muito longe dos padrões europeus.

Nesta região a qualidade da água é monitorada em seus constituintes mínimos, visando identificar traços (pequenas quantidades) de substâncias como hormônios, solventes e metais pesados. Recentemente em pesquisa realizada pelo Instituto de Química da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) com a água destinada ao consumo na Região Metropolitana de Campinas, foi identificada presença de interferentes endócrinos; substâncias químicas que se ingeridas por períodos prolongados podem prejudicar o funcionamento das glândulas. Através da pesquisa foram encontrados diversos tipos de hormônios e de esteróides derivados do colesterol; produtos de origem farmacêutica e industrial. As concentrações destas substâncias eram em algumas amostras mil vezes superiores aos índices permitidos em países da Europa.

Parte destas substâncias, associada ao surgimento de diversos tipos de câncer, não é eliminada pelos métodos usuais de tratamento de água em operação no Brasil, de acordo com depoimento de especialistas. Segundo o médico e professor da Universidade Federal do Mato Grosso, Wanderlei Pignati, em reportagem para o Jornal do Brasil em 2011, a água potável no Brasil pode conter 22 tipos de agrotóxicos, 13 de metais pesados, 13 de solventes e seis de desinfetantes. Estes contaminantes são tolerados até atingirem os níveis permitidos oficialmente. Por vezes esses parâmetros de contaminação são ultrapassados, dada a falta de controles adequados. Até o ano de 1977, a legislação determinava que a água para consumo não poderia ter resíduos de mais de 12 tipos de agrotóxicos e dez metais. Depois disso, foram feitas atualizações da legislação, “autorizando” a presença de novas substâncias químicas usadas na agricultura e na indústria.

Segundo o pesquisador da UNICAMP Wilson Jardim, existem atualmente na água cerca de 800 substâncias consideradas “contaminantes emergentes”, ou seja, substâncias que aparecem no líquido, mas não são controlados por legislação. Dadas estas condições, vale lembrar que o Brasil é hoje o maior consumidor mundial de agrotóxicos, alguns dos quais já proibidos em outros países. Uma atuação mais efetiva do Ministério da Saúde e da ANVISA (Associação Nacional de Vigilância Sanitária) é mais que necessária, já que especialistas prevêem um aumento dos casos de câncer causados por estas substâncias.

Ricardo Ernesto Rose é  consultor e jornalista, graduado em filosofia e pós-graduado em gestão ambiental e sociologia. Desde 1992 atua nos setores de meio ambiente e energia na área de marketing de tecnologias, trabalhando para instituições internacionais. É autor de quatro livros sobre meio ambiente e sustentabilidade e editor do blog “Da natureza e da cultura” (www.danaturezaedacultura.blogspot.com).

(*) Ricardo Ernesto Rose

Um dos problemas do saneamento no Brasil é a baixa freqüência das análises da qualidade

da água que utilizamos para consumo. Por todo o país, ainda são insuficientes os testes

destinados a detectar as condições da água nos locais de captação, como fontes, ribeirões

ou lagos. Dados do Ministério da Saúde dão conta de que apenas 67% das cidades estão

preparadas para realizar um relativo controle da qualidade das águas consumidas por sua

população. O problema não é novo e começou a ser detectado nos Estados Unidos ainda nos

anos 1960. Autoridades sanitárias americanas já naquela época descobriram que não somente

a cor e a presença de patógenos ou produtos químicos deveriam ser os únicos parâmetros

na aferição da qualidade da água. Existiam diversos produtos químicos, que por diferentes

caminhos chegavam às fontes de água, não sendo detectados por análises laboratoriais

comuns. Estes contaminantes não eram eliminados em sistemas de tratamento convencionais,

nem mesmo por filtros de carvão ativado. Atualmente a quantidade de produtos químicos e

substâncias usadas nas indústrias farmacêuticas, químicas e de bens de consumo é bem

maior e tem poder de contaminação muito mais forte.

No que diz respeito ao acompanhamento regular da qualidade da água destinada ao

tratamento e posterior consumo, o Brasil ainda está muito longe dos padrões europeus. Nesta

região a qualidade da água é monitorada em seus constituintes mínimos, visando identificar

traços (pequenas quantidades) de substâncias como hormônios, solventes e metais pesados.

Recentemente em pesquisa realizada pelo Instituto de Química da Universidade Estadual

de Campinas (UNICAMP) com a água destinada ao consumo na Região Metropolitana de

Campinas, foi identificada presença de interferentes endócrinos; substâncias químicas que se

ingeridas por períodos prolongados podem prejudicar o funcionamento das glândulas. Através

da pesquisa foram encontrados diversos tipos de hormônios e de esteróides derivados do

colesterol; produtos de origem farmacêutica e industrial. As concentrações destas substâncias

eram em algumas amostras mil vezes superiores aos índices permitidos em países da Europa.

Parte destas substâncias, associada ao surgimento de diversos tipos de câncer, não é

eliminada pelos métodos usuais de tratamento de água em operação no Brasil, de acordo com

depoimento de especialistas.

Segundo o médico e professor da Universidade Federal do Mato Grosso, Wanderlei Pignati,

em reportagem para o Jornal do Brasil em 2011, a água potável no Brasil pode conter 22

tipos de agrotóxicos, 13 de metais pesados, 13 de solventes e seis de desinfetantes. Estes

contaminantes são tolerados até atingirem os níveis permitidos oficialmente. Por vezes esses

parâmetros de contaminação são ultrapassados, dada a falta de controles adequados. Até o

ano de 1977, a legislação determinava que a água para consumo não poderia ter resíduos

de mais de 12 tipos de agrotóxicos e dez metais. Depois disso, foram feitas atualizações da

legislação, “autorizando” a presença de novas substâncias químicas usadas na agricultura e

na indústria. Segundo o pesquisador da UNICAMP Wilson Jardim, existem atualmente na água

cerca de 800 substâncias consideradas “contaminantes emergentes”, ou seja, substâncias que

aparecem no líquido, mas não são controlados por legislação.

Dadas estas condições, vale lembrar que o Brasil é hoje o maior consumidor mundial de

agrotóxicos, alguns dos quais já proibidos em outros países. Uma atuação mais efetiva do

Ministério da Saúde e da ANVISA (Associação Nacional de Vigilância Sanitária) é mais que

necessária, já que especialistas prevêem um aumento dos casos de câncer causados por

07/01/2014/RER//rer/XIV/C:\Users\ricardo\Downloads\Monitoramento da água precisa

melhorar.doc

estas substâncias.

(*) Consultor e jornalista, graduado em filosofia e pós-graduado em gestão ambiental

e sociologia. Desde 1992 atua nos setores de meio ambiente e energia na área de

marketing de tecnologias, trabalhando para instituições internacionais. É autor de quatro

livros sobre meio ambiente e sustentabilidade e editor do blog “Da natureza e da cultura”

(www.danaturezaedacultura.blogspot.com).

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Ricardo Ernesto Rose, jornalista, graduado em filosofia e pós-graduado em gestão ambiental e sociologia. Desde 1992 atua nos setores de meio ambiente e energia na área de marketing de tecnologias.

Mais em Artigos

Motivação_Herzberg

Teoria da Motivação de Herzberg (3).

Roberto Mangraviti23 de novembro de 2017
Bolsa Família

O Bolsa Família ocultou a taxa de desemprego real?

Roberto Mangraviti22 de novembro de 2017
QSMS-RS e Sustentabilidade

Mais líderes na gestão de QSMS-RS & Sustentabilidade

Roberto Roche20 de novembro de 2017
Motivação

Teoria da Motivação de McClelland(2)

Roberto Mangraviti17 de novembro de 2017
Infraestrutura

Infraestrutura no Brasil – Concessionárias as únicas com bons resultados( Parte 3)

Roberto Mangraviti16 de novembro de 2017
Gestão Ambiental Portuária

Gestão Ambiental portuária, Ônus ou Oportunidade?

Roberto Roche14 de novembro de 2017

Motivação na ótica de Maslow

Roberto Mangraviti13 de novembro de 2017
Adam Smith

Lições para o Brasil – Adam Smith

Roberto Mangraviti12 de novembro de 2017
Animal Pré-histórico

Animais que “deram as caras” depois da extinção dos dinossauros

Karen P Castillioni11 de novembro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »