Artigos

Mudança de Atitude para 2013

Mudança de Atitude para 2013

Com a chegada do final de ano, entramos sempre num ritmo de espera pelo carnaval, levando morosidade na esfera empresarial.

A velha cantilena de que os diretores ou tomadores de decisão das empresas, estarão de férias e que nada de importante poderá acontecer neste período, até corresponde a uma certa realidade.

Contudo, justamente este é um ótimo momento para posicionar-se de forma mais organizada, frente a um novo exercício fiscal e buscar Planejar o ano que se inicia. Além do mais, algumas organizações nem sempre prestam serviços para estas grandes corporações, ou tão pouco a economia do país depende tanto assim desses conglomerados.

As grandes organizações “fecham” seus Budgets em outubro ou novembro fixando suas metas para o novo ano, detalhando Produção, Vendas etc.

E as pequenas organizações ? Grande parte delas, muitas vezes não fixa, uma única meta sequer para o ano seguinte. Num país onde a indústria e a agricultura, juntas, não respondem sequer por 50% da força de trabalho, cabe um questionamento sobre a repetição de antigos vícios, tipo “esperar o carnaval “.

Vendas ? Controle Eficiente de Custos ? Investimentos em Capacitação? Marketing ? Novos Produtos/Serviços ?

Qual dessas fundamentais atividades, de uma pequena organização, são discutidas e/ou com metas fixadas ?

Países asiáticos, nos anos 80 ganharam o apelido de “Tigres Asiáticos” com diferentes magnitudes, justamente  fixando metas .

A Coréia nos anos 50 era como a Bolívia, descreve o economista brasileiro, José Alexandre Scheinkman da renomada Universidade de Princeton, nos Estados Unidos. Em 1960 a produtividade coreana equivalia a 14% da norte americana, inferior  a brasileira que era, naquele período de 20%. “Atualmente os coreanos estão a 60% do nível americano” cita o pesquisador e nós brasileiros nos mantivemos nos mesmos 20%,  mais de meio século depois. Milagre ? Não. Investiram em Educação e distribuição de renda. Fixaram metas e perseguiram sem desviar do foco.

Ainda no campo do modelo asiático,  Peter Drucker destacava que a indústria  japonesa, prosperou perguntando-se : “ Onde queremos estar daqui 10 anos ? ”

É claro que esta cultura de negócios ( planejar por 10 anos) está muito longe do nosso espírito empresarial, contudo também não se justifica uma guinada tão distante destes modelos e ter planejamento zero.

Voltando ao nosso universo de prestadores de serviço tupiniquins, retomamos o questionamento, qual a nova postura a ser adotada para 2013, ano que antecede a Copa do Mundo e que já trará turistas ao país para Copa das Confederações ?

Considerando que cada empresa possuí características específicas, certamente um conceito único é aplicável a toda e qualquer organização  : Inovar .

E para isto, fundamental algumas considerações para quem quer inovar na Empresa, seja para desenvolver novos produtos e serviços ou para instalar novos modelos de gestão :

  • Organizar separadamente aquilo que é novo, pois  a solução da crise diária é prioritário e o novo ficará sempre para amanhã.
  • Inovar significa correr riscos( que na prática são menores dos riscos habituais, pois de alguma forma há uma busca mais orientada), porém, embutir excesso de segurança, “mata” a inovação.
  • Buscar uma “Oportunidade” é experimentar “olhar pela janela” e sair do mundo interior habitual . Lembrando que sistemas de informação correntes , não revelam oportunidades, somente problemas (do passado) e responde somente  perguntas já feitas.

 

Feliz 2013 com muita Inovação, tendo olhos de ver e ouvidos de ouvir Novas Oportunidades !

 

Roberto Mangraviti

Economista, Criador e Editor do Portal SustentaHabilidade e Diretor da Trade
Marketing Consultoria.
Consultor da ADASP (Associação dos Distribuidores e Atacadistas de São
Paulo). Criador e Apresentador do Programa ADASP Sustentabilidade da TV
Sorocaba ao Vivo.

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos

Economista e Facility Manager em Sustentabilidade. Editor, diretor e apresentador do Programa Sustentahabilidade pela WEBTV. Palestrante, Moderador de Seminários Internacionais de Eficiência Energética, Consultor da ADASP- Associação dos Distribuidores e Atacadistas do Estado de São Paulo e colunista do site do Instituto de Engenharia de São Paulo.

Mais em Artigos

Queimadas 2017

Queimadas 2017

Roberto Mangraviti18 de fevereiro de 2018
Upp's no Rio de Janeiro

As UPP’S do Rio de Janeiro… uma farsa para “ inglês ver”.

Roberto Mangraviti17 de fevereiro de 2018
Energia de gás natural e biomassa

Energia de gás natural e biomassa

Bel Gimenez16 de fevereiro de 2018
Humburger

Alimentos feitos de insetos, uma realidade de mercado.

Roberto Mangraviti14 de fevereiro de 2018
A Mordida da Centopéia

A mordida da centopéia

Karen P Castillioni13 de fevereiro de 2018
Nicolas Maduro

E agora José ?

Roberto Mangraviti12 de fevereiro de 2018
Empório Mata Atlântica

Empório Mata Atlântica com picolés de Uvaia e Juçara.

Bel Gimenez11 de fevereiro de 2018
Plásticos no Mar

Como o plástico está prejudicando recifes de corais?

Karen P Castillioni9 de fevereiro de 2018
O capital

Melhora ou estagnação?

Ricardo Rose8 de fevereiro de 2018

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »