Artigos

Mudanças Climáticas – EUA saindo da zona de conforto.

Mudanças Climáticas – EUA saindo da zona de conforto.

Existem duas formas de inação muito atreladas ao comodismo humano,  que acabam prorrogando as transformações necessárias.  A primeira é não medir aquilo que se pratica. Quando não há medição adequada, não se estabelece metas de transformação. Por exemplo, se estivermos cinco, dez ou vinte quilogramas acima do peso e consequentemente com excesso de gordura …  não há  problema nenhum … desde que não saibamos exatamente.  Portanto, o resultado que aparecer na balança da farmácia… estará bom demais( desde que ninguém veja)! A outra forma é lançar dúvidas sobre avanços científicos. Um exemplo comum permeou a primeira metade do século passado. Há 60 ou 70 anos passados, fumar não era algo tão largamente destacado como problema de saúde. Haja vista que filmes como Casablanca , entre outros, destacavam o glamour de Humphrey Bogart com elegante terno branco, fumando exageradamente. Contudo hoje em qualquer país minimamente civilizado, fumar é questão de saúde pública.

Portanto é comum na história da humanidade, ficarmos numa  zona de conforto, sem alterar a postura diante  de evidências, inclusive mudanças climáticas. Este hábito de deixar para amanhã para ver como é que fica, é justamente a forma que a maioria de países e/ou governos  se coloca.

Contudo os EUA, desde o final de 2014 começaram a mudar este conceito, saindo da zona de conforto. Fixaram prazos e índices para redução da emissão de gases. Transcorrido 2015, foram além ainda, aumentando em 2% a meta anteriormente definida (elevando para 32%), em cima de riscos admitidos como concretos no presente. Se são fatos 100% comprovados ou não pela ciência, o tempo dirá. Mas a decisão de reduzir a emissão de gases, está centrada inclusive  numa questão de saúde publica atual, dada a preocupação reconhecidamente desprezada no passado recente. Pois a Administração norte-americana admite a duplicação nas três últimas décadas do número de habitantes do país com asma. Espera a Casa Branca que a redução da emissão dos gases  reduzirá 90% das mortes prematuras  em 2030, (comparando-se com 2005), e resultará também em uma queda de 70% nos problemas respiratórios nas crianças.  Este projeto, denominado de “Plano da Energia Limpa” custará US$ 8,8  bilhões por ano. Até 2030 portanto custará aos cofres do governo cerca de US$ 132 bilhões, ou seja um volume monstruoso de recursos. As justificativas de Obama foram curtas e grossas: obrigação moral e … pasmem… a maior ameaça atual para o futuro (num pais que se preocupa  muito com terrorismo).

Desta forma o governo Obama ficou Green … e nem poderia ser diferente para quem deseja levar as coisas a sério.

Portanto, não medir … não fixar metas …  e ainda exigir da ciência comprovação daquilo que ela ainda não comprovou 100%, é o jeito mais confortável para quem deseja  não fazer nada daquilo que deveria fazer imediatamente.

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos

Economista e Facility Manager em Sustentabilidade. Editor, diretor e apresentador do Programa Sustentahabilidade pela WEBTV. Palestrante, Moderador de Seminários Internacionais de Eficiência Energética, Consultor da ADASP- Associação dos Distribuidores e Atacadistas do Estado de São Paulo e colunista do site do Instituto de Engenharia de São Paulo.

Mais em Artigos

Queimadas 2017

Queimadas 2017

Roberto Mangraviti18 de fevereiro de 2018
Upp's no Rio de Janeiro

As UPP’S do Rio de Janeiro… uma farsa para “ inglês ver”.

Roberto Mangraviti17 de fevereiro de 2018
Energia de gás natural e biomassa

Energia de gás natural e biomassa

Bel Gimenez16 de fevereiro de 2018
Humburger

Alimentos feitos de insetos, uma realidade de mercado.

Roberto Mangraviti14 de fevereiro de 2018
A Mordida da Centopéia

A mordida da centopéia

Karen P Castillioni13 de fevereiro de 2018
Nicolas Maduro

E agora José ?

Roberto Mangraviti12 de fevereiro de 2018
Empório Mata Atlântica

Empório Mata Atlântica com picolés de Uvaia e Juçara.

Bel Gimenez11 de fevereiro de 2018
Plásticos no Mar

Como o plástico está prejudicando recifes de corais?

Karen P Castillioni9 de fevereiro de 2018
O capital

Melhora ou estagnação?

Ricardo Rose8 de fevereiro de 2018

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »