Artigos

O caminho das drogas no cérebro

O caminho das drogas no cérebro

Vamos retomar o tema sobre o significado e riscos da utilização de drogas.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), são substâncias naturais ou sintéticas que, administradas por qualquer via no organismo afete sua estrutura ou função.

As substâncias psicoativas alteram o funcionamento do cérebro, as sensações, o grau de consciência e o estado emocional do indivíduo.

Podem ser lícitas, ou seja, legalmente produzidas e comercializadas e que são aceitas pela sociedade, e como exemplo temos o cigarro e o álcool.

As ilícitas, como a cocaína, o crack e outras cuja comercialização é proibida pela legislação.

As alterações provocadas variam de acordo com o usuário, a droga utilizada, quantidade e circunstâncias em que é ingerida, ou seja, são influenciadas por aspectos ambientais, comportamentais e genéticos.

O número dessas substâncias é imenso mas de acordo com o pesquisador francês Chaloult podemos classificá-las em três grupos:

  • Drogas depressoras
  • Drogas estimulantes
  • Drogas perturbadoras ou alucinógenas

As drogas depressoras: são capazes de diminuir as atividades cerebrais.

O usuário se torna sonolento, desatento e desconcentrado.

Nesse grupo temos os benzodiazepínicos (calmantes e tranquilizantes), o álcool, os soníferos,  os opiáceos (morfina, heroína, codeína) e solventes (colas, tintas, removedores).

As drogas estimulantes: são capazes de aumentar as atividades cerebrais. O usuário fica mais atento, tem aceleração dos pensamentos e euforia.

Nesse grupo temos a cocaína, o crack, a nicotina, a cafeína, as anfetaminas e seus derivados.

As drogas perturbadoras ou alucinógenas: produzem quadros de alucinação ou ilusão, geralmente de forma visual.

O cérebro passa a funcionar fora de seu normal e suas atividades ficam perturbadas.

Nesse grupo temos a maconha, a mescalina, o LSD, o ecstasy, etc.

 

Funcionamento no cérebro

O cérebro é composto de células nervosas, os neurônios, que se comunicam entre si através de substâncias químicas chamadas neurotransmissores. Esse processo de comunicação se dá através de impulsos nervosos (sinapses) responsáveis por todo tipo de informações que influenciam o funcionamento do próprio cérebro e do corpo.

Um dos sistemas que toda essa movimentação de neurotransmissores ativa é o ‘sistema de recompensa’ que estimula comportamentos essenciais à preservação da vida, como alimentação, proteção, sexo, interação social e outros, proporcionando uma grande sensação de prazer, euforia e satisfação.

As drogas, sejam elas quais forem, causam uma desordem neurológica pois amplificam a sensação de bem-estar através da superestimulação do neurotransmissor chamado Dopamina, desestabilizando assim todo o sistema de recompensa.

De acordo com o médico psiquiatra Ronaldo Laranjeira, diretor do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Políticas Públicas do Álcool e outras Drogas, a ilusão química de prazer que as drogas proporcionam induzem as pessoas ao uso compulsivo, gerando a dependência química.

Todas as outras fontes naturais de prazer acabam perdendo o significado.

 

O Efeito Rebote

O efeito das drogas acontece por um determinado período, após isso o corpo sofre o chamado ‘efeito rebote’ que são sintomas contrários aos estimulados pela droga.

Se ao usar determinada substância o usuário fica eufórico e excitado, quando o efeito cessa vem um estado extremo de depressão.

A pessoa não volta ao normal, não consegue sentir prazer por outras fontes.

Para Ronaldo Laranjeira, essa é uma das tragédias a que se expõem os dependentes químicos.

No processo de reabilitação, quando a pessoa para de usar droga, é fundamental ajudá-la a reencontrar fontes de prazer independentes da substância química.

Outros Textos das Autoras:

http://sustentahabilidade.com/o-mundo-das-drogas/

http://sustentahabilidade.com/doce-bala-absorcao-ocular/

Texto de Veronica Salete e Maria Cristina Lopes
contato@sustentahabilidade.com

Imagem: Elcidadano

 

Saiba mais:

Site www.drauziovarella.com.br/dependencia-quimica

Entrevista com o Psiquiatra Ronaldo Laranjeira

 

Revista Mente Cérebro nr. 295 – Agosto/2017

Especial Dependência Química:

– As múltiplas faces do tratamento

– Armadilhas do DNA

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Mais em Artigos

Mulher na Dependência Quimica

A vulnerabilidade da mulher e a Dependência Química – Parte 2

Dependência Química19 de janeiro de 2018
Fragilidade Humana

A fragilidade humana …”matéria prima” dos ditadores.

Roberto Mangraviti17 de janeiro de 2018
Investimento

Investimento X Resultado em Qualidade e Sustentabilidade

Roberto Roche16 de janeiro de 2018
crise economia

Consequências da crise econômica: quem vai registrá-las?

Ricardo Rose15 de janeiro de 2018
Lições de Mark Zuckerberg

Lições de Mark Zuckerberg para universitários brasileiros

Roberto Mangraviti14 de janeiro de 2018

Como aparar as asas de aves mantidas como pet

Adriana Tereza Petrocelli13 de janeiro de 2018

Conheça nossa nova Colunista: Adriana Tereza Petrocelli

Bel Gimenez13 de janeiro de 2018
O preço do cobre, os veículos elétricos e a energia renovável

O preço do cobre, os veículos elétricos e a energia renovável.

Roberto Mangraviti12 de janeiro de 2018

Desmatamento na Amazônia, é um estrago irrecuperável?

Roberto Mangraviti10 de janeiro de 2018

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »