Artigos

O (des)gelo do Ártico

O (des)gelo do Ártico

O derretimento das calotas polares não é um assunto novo. De uma maneira ou de outra, todos já ouviram, em algum momento, sobre o gelo que se derrete e o nível do mar que aumenta. Opiniões dividem os cientistas se esse processo é natural ou causado pelo homem, mas uma coisa que não tem como negar: a diminuição do gelo no Ártico é real.

A temperatura do Oceano Ártico tem aumentado duas vezes mais em comparação ao resto do globo e as previsões mais catastróficas apontam um aquecimento de mais 8 oC até o final deste século. Esse aumento de temperatura, junto com o padrão de temperatura mais extremo, poderá causar um derretimento alarmante de 12% do gelo do Ártico por década.

Resumindo: se o derretimento continuar nesse ritmo, o Ártico não terá mais gelo em 2030! Sim, extremamente alarmante. Todos estaremos (ou planejamos estar) vivos em 2030. Os impactos dessa previsão assustadora vão da extinção de espécies já ameaçadas ao enfraquecimento ou até interrupção da circulação global oceânica.

Mas por que isso está acontecendo a uma velocidade assustadora? Os pólos da Terra são as regiões mais sensíveis para o clima do planeta. Em uma situação de aquecimento global, os pólos aquecem mais rápido do que as baixas latitudes. A principal causa deste fenômeno é o albedo; uma vez que o gelo derrete, a terra ou mar que era coberta por esse gelo fica exposta, e passa a absorver maior incidência de sol, causando um maior derretimento, gerando um efeito bola de neve (no sentido figurado) já que a neve, nesse caso, diminui cada vez mais.

Os efeitos do aquecimento global no Ártico incluem aumento da temperatura, perda de mar congelado e também degelo da Groelândia, extinção de espécies de animais extremamente vulneráveis, como os ursos polares, e também milhares de pessoas que vivem e sobrevivem nessa região. A liberação de metano e claratos (ou hidratos de gás) junto com o degelo também é uma preocupação, visto que isso aumentaria a concentração de gases na atmosfera, amentando o efeito estufa, e, consequentemente, o aquecimento global. Um círculo vicioso sem fim.

Imagens de satélite de estudos recentes mostram que parte da Antártica têm também perdido gelo por mais tempo do que o esperado. Nesse estudo, imagens ao longo de 2000km da costa oeste do continente antártico mostraram uma perda de aproximadamente 1000km2 de gelo – uma área equivalente a cidade de Berlin – ao longo dos últimos 40 anos. Apesar do gelo da Antártica diminuir de um lado do continente, mas aumentar do outro, essas novas descobertas ajudarão os cientistas a estimar, com melhor precisão, o aumento do nível do mar global.

Mas o que podemos fazer para diminuir esse processo? Bem, em primeiro lugar, reduzir o uso de combustíveis fósseis e toda atividade que libera gases do efeito estufa na atmosfera, uma tarefa nada simples, uma vez que são indústrias gigantes, com poder político imenso, gerando produtos de necessidade (ou que se tornaram de necessidade) para a população mundial. Mas o consumo consciente pode sim reduzir esse processo, a pressão para atividades industriais mais limpas, a conscientização das novas gerações, enfim, são tantas as ações que eu, você e a sociedade podemos tomar todos os dias que vai, direta ou indiretamente, desacelerar o processo de derretimento, mas elas só funcionaram se passarmos da teoria para a ação!

Foto: Jan Martin Will

Autora: Thayná Correia
contato@sustentahabilidade.com

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Mestre em Oceanografia, Física, Química e Geológica. Especialista em Estudos Ambientais para área petrolífera e Repostas a Derramamento de Óleo em Corpos Hídricos.

Mais em Artigos

São Paulo

Cidade de São Paulo – TODOS são “fumantes”.

Roberto Mangraviti9 de dezembro de 2017
Leite e Qualidade

Leite: qualidade, processamento e as nomenclaturas comerciais.

Convidado8 de dezembro de 2017
Pré-História

Homem … 45 mil anos de impacto ambiental

Ricardo Rose7 de dezembro de 2017
Gestão Ambiental

Gestão Ambiental portuária, Ônus ou Oportunidade?

Roberto Roche5 de dezembro de 2017
equipes

Equipes de Crise Corporativa

Roberto Mangraviti2 de dezembro de 2017
Energia Aeólica

A Cidade de Saerbeck planejou e realizou o futuro.

Roberto Mangraviti1 de dezembro de 2017
Demitir Clientes

Momento(s) de “demitir” um cliente !

Roberto Mangraviti30 de novembro de 2017

A revolução das impressoras 3D: Impressão de pontes de aço

Cristian Reis Westphal29 de novembro de 2017
Gestão Hospitalar

A moderna gestão hospitalar e a questão ambiental.

Roberto Roche27 de novembro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »