Artigos

O dilema chinês e o Brasil

O dilema chinês e o Brasil

Conforme índices da Organização Mundial de Saúde, a poluição da cidade de Xangai está 50 vezes acima do níveis considerados aceitáveis pelo órgão, assim como em outras cidades do norte daquele país. Paralelamente, é sabido que as áreas centrais e sul destinadas a agricultura, apresentam desertificação acentuada e o governo chinês aponta que 12 milhões de toneladas de grãos estão contaminados por metais tóxicos poluentes, causando um prejuízo para a economia do país de mais de ¥ 20 bilhões (o equivalente a cerca de R$ 655 milhões). Ou seja, as áreas industriais que impactaram decisivamente para tornar o país produtor de um PIB semelhante aos EUA estão em colapso, com resultados incalculáveis à saúde pública. As áreas agrícolas, que tornam China a maior produtora de produtos agrícolas do mundo apresentam também distorções perigosas. Considerando que apenas 10 a 15% do território chinês é adequado para o cultivo e pouco mais da metade não está irrigada, o bem estar de uma população de 1,2 bilhão de habitantes está ameaçado. A lição para o Brasil , sobre a necessidade de entender o crescimento sustentável , a partir do resultado obtido pelos asiáticos, deveria estar na ponta do lápis de qualquer planejamento minimamente responsável. Mas não está … seguimos desmatando a Amazônia, que é maior responsável pelas nossas emissões de CO2. Pouco investimos em energias limpas (solar e eólica) que não representam sequer 5% da nossa matriz energética. Optamos por retomar a construção de Angra 3 , ao mesmo tempo que a Alemanha se prepara para desligar todas nucleares até 2025. Sustentabilidade não é “moda” … representa segurança no presente e sucesso no futuro. O custo para combater os desequilíbrios na China, não estão avaliados, mas pelas perdas na agricultura, paradas da indústria (para conter a poluição), os custos da saúde pública, os gastos com importação de alimentos para suprir as áreas degradadas, nos apontam para números extratosfericos, maiores que o PIB de muitos países. Quando iremos nos preparar?

Autor: Roberto Mangravit

contato@sustentahabilidade.com

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos

Economista e Facility Manager em Sustentabilidade. Editor, diretor e apresentador do Programa Sustentahabilidade pela WEBTV. Palestrante, Moderador de Seminários Internacionais de Eficiência Energética, Consultor da ADASP- Associação dos Distribuidores e Atacadistas do Estado de São Paulo e colunista do site do Instituto de Engenharia de São Paulo.

Mais em Artigos

Queimadas 2017

Queimadas 2017

Roberto Mangraviti18 de fevereiro de 2018
Upp's no Rio de Janeiro

As UPP’S do Rio de Janeiro… uma farsa para “ inglês ver”.

Roberto Mangraviti17 de fevereiro de 2018
Energia de gás natural e biomassa

Energia de gás natural e biomassa

Bel Gimenez16 de fevereiro de 2018
Humburger

Alimentos feitos de insetos, uma realidade de mercado.

Roberto Mangraviti14 de fevereiro de 2018
A Mordida da Centopéia

A mordida da centopéia

Karen P Castillioni13 de fevereiro de 2018
Nicolas Maduro

E agora José ?

Roberto Mangraviti12 de fevereiro de 2018
Empório Mata Atlântica

Empório Mata Atlântica com picolés de Uvaia e Juçara.

Bel Gimenez11 de fevereiro de 2018
Plásticos no Mar

Como o plástico está prejudicando recifes de corais?

Karen P Castillioni9 de fevereiro de 2018
O capital

Melhora ou estagnação?

Ricardo Rose8 de fevereiro de 2018

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »