Artigos

O inverno dos ignorantes.

O inverno dos ignorantes.

As noites glaciais de São Paulo, aqueceu somente o debate público sobre as medidas adotadas pela Prefeitura do Município, diante dos moradores de rua. Num primeiro momento, foi noticiado a ação da Guarda Civil Metropolitana, que estava retirando colchões e pertences daqueles cidadãos que desgraçadamente não possuem teto. Em seguida, uma nova notícia no site da Veja, informou que o prefeito “prometeu editar um decreto até este sábado, garantindo a esses cidadãos o direito à posse de artigos pessoais, pois a população de rua tem se queixado de ter os bens tomados mesmo em dias com recordes de baixas temperaturas“. Este estranho cenário de atitudes inexplicáveis, nos obriga a refletir, inicialmente, sobre o modelo de gestão da coisa pública no Brasil. Custa nos acreditar que em nenhum escalão das esferas administrativas, NINGUÉM tenha tomado uma atitude humana e de caridade para brecar esta insensatez. Ou seja, os órgãos públicos são administrados por “profissionais” absolutamente burocratas que cumprem ordens sem o menor constrangimento de cometer absurdos, comprovando que não conseguem pensar um palmo a frente do nariz. Estamos formando dirigentes de pensamento tão absurdamente linear (*), onde o obvio precisa ser discutido e alertado.

Outro ponto a ser destacado, é que estamos construindo uma sociedade de indivíduos incapazes de pensar por si, e portanto devem ser controlados por “decretos-lei”. O Decreto do Prefeito segundo a Veja é para “garantir ao cidadão o direito de posse “. Deus do céu … precisamos de um decreto para nos garantir o direito de posse ? Não há Constituição neste país ? E mais ainda … precisamos de um decreto para preservar o direito de posse de pedaços de papelão e cobertores imundos, cheirando a urina, a uma população de desgraçados? Esta é a “proteção social” para aquela população? Em que mundo estes burocratas estão vivendo? Estamos criando leis para garantir outras leis? Que absurdo! E esta mania de “decretos-lei” para garantir o óbvio não é uma exclusividade paulistana. Em Brasília, o Governo Federal em exercício, editou uma medida que condiciona as Despesas com a Receita auferida. Ora, qualquer criança sabe que é impossível gastar o que não se tem… Desde quando, é permitido passar “cheque sem fundo” no Governo? Pois é, cria-se outra lei para garantir o respeito a Lei de Responsabilidade Fiscal existente. E não é só na esfera pública que o obvio precisa ser avisado e criminalizado, pois o comportamento do indivíduo brasileiro, sempre necessita de monitoramento. Em junho de todos os anos, temos que avisar que é crime soltar balões. No inverno alertar aos motoristas para não jogar bitucas de cigarro na estrada, pois podem gerar incêndios nas matas ressecadas, e isto é crime. Seja crime ou não, tudo no Brasil, tem que ser avisado pois estamos criando uma nação onde o cidadão não tem mais compromisso com o bom senso, com a sensatez, com adequação ou limites. Desde o prefeito da maior cidade da América Latina, que mostrou não possuir nada disto (incluso asseclas) à alguns cidadãos, que desrespeitam a coisa pública ou a outrem. E isto se comprova em qualquer banheiro, mesmo na empresa privada, onde é comum encontrarmos avisos “não urine no chão” ou “dê a descarga após o uso”. Precisamos avisar estas coisas?

Em todos os países do mundo, comprova-se que quanto maior a democracia e o avanço do capitalismo moderno, mais e mais as sociedades se organizam socialmente, gerando cidadãos compromissado com a coisa pública, sensatos e com respeito ao outro. Manter modelos estatizantes de gestão no século XXI, nos leva para um mar de inércia, onde o cidadão cada vez mais se descola do compromisso social individual e coletivo, gerando seres estúpidos, que precisam ser alertados até para não soltar balões ou urinar no chão.

O Brasil está precisando de um choque de civilização, onde as pessoas passem a gerir e se responsabilizar pelos seus atos, através do bom senso, sem a necessidade de ficarmos editando leis em cima de outras leis para cumprimento do óbvio.

O certo é certo e o errado é errado. Nada mais.

E isto vale para o indivíduo comum ao Prefeito de São Paulo, pois parecem que não percebem sequer que a temperatura nas madrugadas, está próxima de zero.

Autor: Roberto Mangraviti
contato@sustentahabilidade.com

(*) Pensamento Linear é aquele que segue uma linha, ou seja, aquele que não foge em nenhum ponto do assunto principal e não muda sua trajetória, podendo as vezes se mostrar insuficiente para compreensão da complexidade da vida e dos conflitos .

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Economista e Facility Manager em Sustentabilidade. Editor, diretor e apresentador do Programa Sustentahabilidade.com pela WEBTV. Consultor da ADASP- Associação dos Distribuidores e Atacadistas do Estado de São Paulo e colunista do site do Instituto de Engenharia de São Paulo.

Mais em Artigos

Varejo

Varejo crescerá 1,4% em 2017.

Roberto Mangraviti21 de outubro de 2017
Boni

Boni-65 anos de brilhante trajetória televisiva

Fabio Rejaili Siqueira20 de outubro de 2017
Riso

A origem do riso

Convidado18 de outubro de 2017
acidente ambiental

Complacência MATA!

Roberto Roche17 de outubro de 2017

Desperdício “Zero” … cultura Mottainai do Japão.

Tiemi Yamashita13 de outubro de 2017

O quão grande pode se tornar um tsunami?

Cristian Reis Westphal12 de outubro de 2017
Meio Ambiente

A Importância da Conformidade Ambiental da Indústria

Roberto Roche10 de outubro de 2017
Cerrado

Cerrado e agricultura

Ricardo Rose6 de outubro de 2017
QSMS-RS sustentabilidade

O que a indústria espera do seu Gestor de Sustentabilidade

Roberto Roche5 de outubro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »