Artigos

O Mundo das Drogas

O Mundo das Drogas

O que é dependência química?

Segundo a neurocientista e psiquiatra Nora Volkow, diretora do National Institute on Drug Abuse nos Estados Unidos, ‘é uma doença crônica e recidivante, que envolve mudanças no cérebro que levam ao consumo compulsivo de drogas com consequências devastadoras.’

Perguntas que a todo momento são  feitas: Qual a pior droga, a mais potente, a que mais vicia?

Muitas são as respostas e portanto as conclusões não são definitivas, ou exatamente iguais de paciente para paciente.

Provavelmente a droga mais potente é aquela que a pessoa está usando. Aquela que a tornou dependente, que trouxe sofrimentos e desajustes para a família, que prejudicou o trabalho, que rompeu relacionamentos, enfim, aquela que extirpou todas as forças e destruiu sonhos. E não precisa ser exatamente as drogas ilícitas.

Não dá para fechar uma resposta ao redor desse assunto. A questão vai além, pois está associada a várias determinantes: a predisposição genética, o ambiente, o modo como a pessoa lida com o sofrimento, o acesso às substâncias, a forma e frequência do uso, comorbidades.

É o que conceitualmente chamamos de “fatores de risco”: baixa autoestima, dificuldade nas relações sociais, a constituição familiar, a falta de acesso a moradia, educação, saúde, etc.

Em “O Mal-Estar na Civilização” de 1930, Freud salienta que nem todo o uso de substâncias químicas é necessariamente prejudicial e dá como exemplo o consumo de drogas nas cerimônias rituais de povos primitivos e em ocasiões de celebração, onde se bebe ‘socialmente’.

Também o psiquiatra Dartiu Xavier da Silveira, coordenador do Programa de Orientação e Atendimento a Dependentes (Proad), diz que em relação ao Crack, aproximadamente 80% dos usuários são pessoas produtivas, que têm a sua família e que fazem apenas uso recreativo.

 

Quem é culpado?

 

Mais do que buscar um ‘culpado’ na substância em si, é preciso ver o dependente químico como indivíduo único e não acomodá-lo em um simples diagnóstico.

Entender o que vai no íntimo desse Ser Humano, suas fragilidades, seus medos, aquilo que lhe traz sofrimento.

Nas palavras do dr. Claude Oliveinstein, fundador do Centre Médical Marmottan em Paris, que revolucionou a maneira de compreender toxicomanias, “as carências afetivas constituídas na primeira infância acarretam esta ‘falta’ ou incompletude do ser e a droga vem para completar.”

A dependência química, seja qual for a substância, é uma doença crônica, recidivante, não existe a possibilidade de cura e sim de controle permanente.

Pelo fato de ter sido reconhecida como doença, a dependência química está inserida em um documento da Organização Mundial de Saúde, o CID-10 (classificação internacional de doenças) e em sua décima versão publicada em 1992 aparece no grupo de “Transtornos Mentais e Comportamentais devido a uso de substância psicoativa”.

Apesar de todos esses cuidados e critérios estabelecidos, ainda encontramos muita relutância por parte da sociedade na busca desse entendimento. O usuário ainda é visto de maneira distorcida, rotulado com vários adjetivos pejorativos, inclusive dentro da sua própria família.

O próprio Direito Penal brasileiro ainda carece de um entendimento mais condizente com a realidade.

E você, já chegou a alguma conclusão?

Quer saber mais ?

Escreva para dependenciaquimica@sustentahabilidade.com    ou acesse

os links ou textos abaixo.

E até breve !

 

Autoras: Veronica Salete Martins  e  Maria Cristina Lopes

 

Saiba mais

Livro: Filhos da Dor – Prevenção e Tratamento da Dependência Química

Série Snowfall da TV Fox Premium (retrata a epidemia de crack e cocaína em LA)

Entrevista com a diretora do NIDA

Abuso de drogas é uma doença crônica

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/saude/sd2603201001.htm

 

 

 

Ver Comentários (3)

3 Comments

  1. Fernando Salles

    5 de setembro de 2017 às 01:53

    Excelente artigo !!!
    Parabéns !!

  2. Fernando Salles

    6 de setembro de 2017 às 01:03

    Excelente artigo!!!!
    Parabéns pela abordagem do tema e linguagem direta.

    • Isabel Gimenez

      6 de setembro de 2017 às 01:24

      Em nome das autoras agradecemos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Mais em Artigos

Risco Ambiental na Gestão de Resíduos Sólidos

Risco Ambiental na Gestão de Resíduos Sólidos

Roberto Roche12 de dezembro de 2017
São Paulo

Cidade de São Paulo – TODOS são “fumantes”.

Roberto Mangraviti9 de dezembro de 2017
Leite e Qualidade

Leite: qualidade, processamento e as nomenclaturas comerciais.

Convidado8 de dezembro de 2017
Pré-História

Homem … 45 mil anos de impacto ambiental

Ricardo Rose7 de dezembro de 2017
Gestão Ambiental

Gestão Ambiental portuária, Ônus ou Oportunidade?

Roberto Roche5 de dezembro de 2017
equipes

Equipes de Crise Corporativa

Roberto Mangraviti2 de dezembro de 2017
Energia Aeólica

A Cidade de Saerbeck planejou e realizou o futuro.

Roberto Mangraviti1 de dezembro de 2017
Demitir Clientes

Momento(s) de “demitir” um cliente !

Roberto Mangraviti30 de novembro de 2017

A revolução das impressoras 3D: Impressão de pontes de aço

Cristian Reis Westphal29 de novembro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »