Artigos

O OXI … a “rapadura do diabo”

O OXI … a “rapadura do diabo”

O Oxi está dentre as drogas classificadas como Estimulantes do Sistema Nervoso Central, sendo que estas substâncias aumentam a atividade do cérebro, estimulam seu funcionamento, fazendo com que seu usuário fique mais “ligado” ou “elétrico”, sem sono, sem fome.

Oxi é mais um dos derivados da cocaína. Seu nome é óxido, obtido da mistura da pasta base da cocaína com querosene, gasolina, cal virgem ou solvente usado em construções. Também apelidada de “Rapadura do Diabo”, chegou ao Brasil em 2004, vinda da Bolívia.

Ela geralmente é consumida numa mistura com o cigarro comum ou com o cigarro de maconha, ou ainda, fumada em cachimbos de fabricação caseira, como se consome o crack. Este nome advém de uma abreviação de oxidado, pois a droga libera uma fumaça escura ao ser usada, deixando um resíduo semelhante ao da ferrugem de metais.

Oxi_1

Para os usuários de Oxi, a sensação vai depender da singularidade de cada um, desde prazer e alívio até angústia e paranóia. O chamado “barato”, que seria a euforia e êxtase é muito rápido, e por este motivo, a necessidade de novo consumo é muito rápida. Por ser uma droga de baixo custo, estima-se que o Oxi é vendido por um preço duas vezes menor que o crack, tornando-a muito procurada.

Os usuários apresentam significativas  reações, pois ficam nervosos e agitados durante e após o uso, levando a pele  a uma cor amarelada, além de perda acentuada de  peso.

O poder do Oxi é extremamente destrutivo, sendo que o querosene ou gasolina podem causar lesões na boca, como ferimentos nos lábios, na língua, ferimentos no esôfago e corroem os dentes. A cal virgem pode provocar fibrose pulmonar e os químicos adicionados à droga vão para o fígado, causando cirrose e o acúmulo de gordura no fígado. Sem sombra de dúvida, pode levar à morte em pouco tempo.

Oxi_2

Foto 1

 

Além deste danos e estragos ao usuário, há também todas as variáveis que permeiam este usuário, desde os fatores socioeconômicos, conflitos familiares e psíquicos.

Dada a gravidade causada aos consumidores, quando possível, a pessoa poderá ser levada para uma internação em clínica de desintoxicação e encaminhada para tratamento, após a saída da clínica.

Mas naturalmente a prevenção e a informação, especialmente no seio familiar, ainda é o melhor remédio, e é por este motivo que o Portal SustentaHabilidade abre espaço para popularizar e compartilhar estas informações.

Foto 1: http://drogasfaceaface.blogspot.com.br/

 

Autoras: Nancy M.F.Peres , Raquel Arantes

dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Artigos

Mais em Artigos

O sistema de defesa contra infecções - Entenda esse jogo de edição de genomas!

Você sabe o que é CRISPR-Cas9? Entenda esse jogo de edição de genomas!

LIDIANE DE SOUZA TORRES6 de novembro de 2019

Educação Ambiental

Karen P Castillioni31 de outubro de 2019

Conheça a apelidada “árvore da morte”

Cristian Reis Westphal30 de outubro de 2019

Guia Prático de cuidados com filhotes caninos.

Fernanda Lanzelotti29 de outubro de 2019

Qual a real cor do Sol?

Cristian Reis Westphal28 de outubro de 2019

Rios voadores: há muita água sobre nossas cabeças

Karen P Castillioni25 de outubro de 2019
Monte das Serras

Como fazer um controle biológico de pragas e doenças adequado?

Roberto Mangraviti22 de outubro de 2019
Energia Solar

Empreendimentos utilizando energia solar

Roberto Mangraviti20 de outubro de 2019
Consumidor buscando marcas sustentáveis no Varejo

Consumidor buscando marcas sustentáveis no Varejo

Roberto Mangraviti19 de outubro de 2019

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com