Meio Ambiente

O Plano de Ação dos gestores de sustentabilidade está pronto?

O Plano de Ação dos gestores de sustentabilidade está pronto?

Quais são suas metas para 2018?, Sim !! Kpis????

Você melhorou seus resultados do ano de 2017 em relação a 2016?

Você é gestor da sua carreia e também do seu setor, têm noção disso?

Perguntem se todo o tempo, não esperem chegar ao final do ano, ou melhor, de cada ciclo dentro da sua empresa.

Tenho alertado muito sobre este assunto a todos que me procuram para orientação de carreira em QSMS-RS e Sustentabilidade

A importância de um bom planejamento, todos sabemos é fundamental, e não vou me alongar muito neste assunto, especialistas existem aos montes por aí.

Normalmente no meio de ano por onde passei, começava a estimular nossos colaboradores a pensar sobre o Capex, Opex, Heads counts de cada área e suas metas para o próximo ano e também claro, já avisava que em breve revisaríamos as metas pretendidas daquele ano que já estava terminando.

Independentemente do setor se de Segurança, Meio Ambiente, Saúde, Responsabilidade social e Sustentabilidade, todos tinham que apresentar e mostrar os resultados.

Ainda encontro profissionais destas áreas, fechado em seus mundos, atrás de computadores e somente exercendo o papel de polícia dentre da empresa e ganhando o prêmio do mais chato do ano.

Tinha esperança que este profissional estivesse em extinção, mas ……

Resumindo: Todos são gestores de cada área, necessitam dar resultado, o foco é no negócio e o negócio é deles, mais ninguém.

Investimentos em sua área, sob sua gestão tem que dar retorno, depois não venham com Mimi Mimi que ninguém apoia o setor, Tá?

Bem, voltando ao plano de ação …….

Trata-se de um projeto em que estejam consolidadas todas as informações sobre o objetivo desejado, desde as atividades para concretizá-lo, quanto os recursos físicos, monetários e humanos necessários.

Essa ferramenta permite que todas as decisões sejam tomadas antes mesmo de colocadas em prática, garantindo mais assertividade e correção prévia de eventuais problemas.

O plano de ação pode ser utilizado por profissionais que querem atingir alguma meta em suas carreiras ou em setores como o de QSMS-RS, Qualidade, Segurança, Meio Ambiente, Saúde/ Responsabilidade Social que precisam investir em soluções mais complexas.

Um bom plano possibilita que o executor siga uma sequência de tarefas mais claras e lógicas previamente delimitadas, o que leva à concretização dos objetivos de forma mais rápida e prática.

A sua efetividade é explicada principalmente porque considera as condições internas e externas ao indivíduo ou à companhia para montar estratégias adequadas a serem desempenhadas em determinado período de tempo.

Vamos as etapas do seu plano, caro gestor (a)?

Para ser elaborado, o plano de ação exige um bom conhecimento de seu executor, permitindo que ele não somente organize o projeto com mais eficiência. Como também identifique eventuais problemas que possam prejudicar o andamento das atividades.

Além disso, esse conhecimento permite definir adequadamente os prazos e custos necessários para executar as ações que levem à concretização dos objetivos.

Planejamento

O planejamento é a base da estrutura do plano de ação, porque é aqui que deverão ser definidas as principais atividades e respectivos recursos para executá-las.

Dessa forma, nesta etapa, o executor tem como tarefas elaborar um cronograma, determinar a participação dos profissionais e os custos necessários.

Além disso, também é preciso elaborar planos de ação secundários de acordo com as exigências para realização das atividades delimitadas, como, por exemplo, risco, qualidade, recursos humanos, entre outros.

Execução

Esta é a fase em que as ações planejadas serão colocadas em prática. Para cada uma delas, deverá ser atribuído o consumo de orçamento previamente calculado, assim como dos recursos humanos e físicos.

O executor deve analisar a execução de cada uma das atividades porque é nesta etapa que ficarão evidentes os eventuais erros e desvios que poderão prejudicar o andamento do plano.

Monitoramento

Você deve também desenvolver estratégias para acompanhar a evolução geral do seu plano de ação, bem como definir no cronograma os períodos em que fará essa análise.

Quando identificar algum problema, deve listá-lo, identificar as suas causas e atribuir uma solução adequada para resolvê-los. Se necessário, não hesite em ajustar alguma etapa de seu projeto para garantir a sua eficácia.

Encerramento

Na fase de encerramento, você deve rever o plano de ação e transferir as informações para um documento que o permita fazer o acompanhamento adequado.

Se houver mais envolvidos na execução do projeto, deverão receber uma cópia com suas respectivas atividades e outras informações relevantes adequadamente listadas.

Esta fase é importante para implementar eficazmente o seu planejamento.

Meu modelo favorito é o 5W2H:

Muito utilizado para organizar e colocar em prática, permite fazer um mapeamento detalhado de todas as suas atividades do início até o alcance de sua meta.

What – O que deve ser feito? – descreva todas as etapas necessárias para atingir o objetivo proposto.

Why – Por que será feito? – solicita que o executor do plano de ação justifique a necessidade de se alcançar o objetivo definido.

Where – Onde será feito? – Você deverá determinar onde serão executadas as tarefas para a concretização do plano.

When – Quando será feito? – determine um período para finalização de todas as ações, de modo a garantir que elas sejam executadas no prazo estipulado para atingir o objetivo.

Who – Por quem será feito? – Delegue as atividades adequadamente a cada profissional envolvido, caso haja, para evitar que problemas com atribuições interfiram no andamento do projeto.

How – Como será feito? – Definir os métodos que serão necessários para execução de cada etapa proposta no plano de ação.

How Much – Quanto custará fazer? – Determinar o valor do investimento necessário para executar as etapas exigidas, o que inclui recursos financeiros e humanos.

Por meio desse esquema, é possível organizar um plano de ações e elencar as principais informações para planejar, com assertividade, o passo a passo de sua carreira.

Entretanto, esse é apenas um modelo e você pode desenvolver outro que atenda especificamente seus objetivos.

Não me venham com ZERO ACIDENTE ou 100% SUSTENTÁVEL e só!

Seja um profissional, com visão e metas.

Não existe negócio ou segmento da economia que não precise de um profissional de QSMS-RS e Sustentabilidade.

Seja um deles, mas com um plano de ação que possa ser revisado e sempre buscando a melhoria continua.

Garanto que vai se destacar no mercado e perante ao seu líder.

 

Texto : Roberto Roche
contato@sustentahabilidade.com

Outros Textos do Autor:

Investimento X Resultado em Qualidade e Sustentabilidade

 

Imagem: Blog Qualidade

 

 

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Meio Ambiente

Desenvolvedor de estratégias, nas áreas de Qualidade, Segurança, Meio Ambiente, Saúde e Responsabilidade Social com pós-doutorado na Aberdeen University (RU), MBA em Harvard (EUA), PhD em UCLA(EUA), MSc/ (EUA) e BSc /UFRJ.

Mais em Meio Ambiente

Queimadas 2017

Queimadas 2017

Roberto Mangraviti18 de fevereiro de 2018
A Mordida da Centopéia

A mordida da centopéia

Karen P Castillioni13 de fevereiro de 2018
Plásticos no Mar

Como o plástico está prejudicando recifes de corais?

Karen P Castillioni9 de fevereiro de 2018
Febre Amarela

Febre Amarela: a culpa não é dos macacos.

Milena Rupiani Bonetto1 de fevereiro de 2018
Prevenção e Cura

Ações preventivas e pronta resposta para as emergências ambientais.

Roberto Roche30 de janeiro de 2018

Balneabilidade das praias: bandeira verde ou vermelha?

Laís Nunes20 de janeiro de 2018
Investimento

Investimento X Resultado em Qualidade e Sustentabilidade

Roberto Roche16 de janeiro de 2018
O preço do cobre, os veículos elétricos e a energia renovável

O preço do cobre, os veículos elétricos e a energia renovável.

Roberto Mangraviti12 de janeiro de 2018

Desmatamento na Amazônia, é um estrago irrecuperável?

Roberto Mangraviti10 de janeiro de 2018

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »