Artigos

O que há de diferente entre a relação das pessoas e dos países?

O que há de diferente entre a relação das pessoas e dos países?

Refletindo sobre esta recente aproximação entre Brasil e Israel, torna-se oportuno avaliarmos a motivação das relações. É claro que a resposta é uma só: Interesses.  No trabalho, desenvolvem-se relações invariavelmente ligadas as atividades departamentais na Empresa. Um cafezinho aqui, outro acolá, e as vezes até um happy hour fora da Empresa para consolidar parcerias. Muitas vezes, quando a sinergia é muito boa, é comum expandir  para a vida pessoal, interligando as famílias dos envolvidos, e  migrando para uma amizade. Normal !

Nestas ocasiões, por acaso, alguém procura desenvolver amizades com o escalão de baixo? Todos sabemos a resposta: NÃO! Os motivos são os mais diversos, pois buscamos em 100% do tempo,  absorver experiências, conhecimento e até vantagens (lícitas) com alguém que tenha algo de positivo ou necessário, nesta troca.

Assim nasceu o escambo: um tinha batata sobrando, outro tinha leite, e assim constroem-se, há milênios, as relações humanas e comerciais.

Isto posto como premissa, cabe uma pergunta… entre países não acontece  a mesma coisa ?

Claro que sim, portanto soa mais que absurdo os negócios desenvolvidos por Lula e Dilma com: Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Equador, México, Paraguai, Peru, Uruguai, Venezuela e República Dominicana. Angola, Moçambique e Cuba (todos com risco de inadimplência  para quitação dos empréstimos).

O que estes países nos dariam em troca? Qual o excedente de produção que apresentam de nosso interesse? Em qual área? Qual tecnologia?

A justifica dada por Celso Amorim, então Ministro das Relações Exteriores é ridícula … “Era um objetivo do governo aproximar o Brasil dos países africanos e latino-americanos”.

Óbvio , mas por que?

Teria Celso Amorim, na sua vida privada, amizades com a cozinheira da sua casa? Amizades com garçons dos restaurantes chique que frequenta? Faxineira? Claro que NÃO …então por quê o governo que tardiamente se encerra com Temer, aproximou o Brasil de países aquém do nosso patamar, se no exercício da própria vida pessoal, as pessoas jamais se interessam pelo “andar de baixo”?

A resposta é a mesma: Interesses. Porém agora acrescentemos o adjetivo ilícito ao substantivo, que emolduram a hipocrisia dos envolvidos

Portanto, as críticas sobre as possíveis negociações com Israel, após a visita do premiê  Benjamin Netanyahu ao presidente eleito Jair Bolsonaro, são absurdas sob a ótica do entendimento das relações humanas,  e comerciais.

Afinal, temos produtos de interesse lícito para os israelenses, que em contrapartida, tem seus interesses comerciais de exportarem serviços ao Brasil.

Somente no campo de segurança (patrimonial/pessoal) e tecnológica, Israel é líder em todo mundo.(*)

Além do mais, aquele notável país, possui investidores a fundo perdido para alavancarem negócios, impossíveis aos brasileiros, dada a insolvência do Estado e das Empresas.

Estatística Brasil e Israel

Se os ventos soprarem a favor nesta jornada, o Brasil poderá recuperar o tempo perdido com a construção de metrô na Venezuela e porto em Cuba, países também insolventes, onde o interesse da Nação, ficou em segundo plano.

 

Texto Roberto Mangraviti
contato@sustentahabilidade.com

imagem: Fernando Frazao/Agência Brasil

(*)Israel é o terceiro país (após EUA e China) com o maior número de companhias listadas na Nasdaq; possui mais capital de risco per capita e mais startups do que qualquer outro país do mundo; pesquisa e desenvolvimento (P&D) é um fio condutor do país, que também tem mais cientistas e profissionais de tecnologia per capita do que qualquer outro país. Em 2016, as startups israelenses arrecadaram US$ 4,8 bilhões em fundos de risco, um recorde neste ano, e também viram saídas no valor de US$ 9,2 bilhões.

O calor nos centros urbanos e os telhados verdes.

Artigos

Economista e Facility Manager em Sustentabilidade. Editor, diretor e apresentador do Programa Sustentahabilidade pela WEBTV. Palestrante, Moderador de Seminários Internacionais de Eficiência Energética, Consultor da ADASP- Associação dos Distribuidores e Atacadistas do Estado de São Paulo e colunista do site do Instituto de Engenharia de São Paulo.

Mais em Artigos

Minuto ODS - Redução das Desigualdades

Vídeo Minuto ODS 10 – Redução das Desigualdades

Bel Gimenez18 de julho de 2019
Omega 3

Ômega 3

Dr Leo Kahn16 de julho de 2019
Tartarugas Marinha

Grupo Boticário investe em Unidades de Preservação

Roberto Mangraviti12 de julho de 2019
Consumo Saudável

Cresce o consumo de produtos saudáveis.

Roberto Mangraviti11 de julho de 2019
Minuto ODS - Redução das Desigualdades

Vídeo Minuto ODS 9 – Indústria, Inovação e Infraestrutura

Bel Gimenez10 de julho de 2019
Prolina...A Síntese do Colágeno... sua pela mais saudável

Prolina…O aumento da Síntese do Colágeno… sua pele mais saudável

Dr Leo Kahn9 de julho de 2019
Fim do canibalismo nas Empresas_Capa

Podcast – Canibalismo nas Empresas ?

Bel Gimenez8 de julho de 2019
HOJE

Religião diminuí crescimento econômico ?

Roberto Mangraviti7 de julho de 2019

Produtividade, e o trabalho infantil.

Roberto Mangraviti6 de julho de 2019

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »