Artigos

O “sexto sentido” das enguias

O “sexto sentido” das enguias

Já imaginou que enguias tivessem um “sexto sentido”? Acredite, elas tem! No meio do oceano, usar o “sexto sentido”pode fazer a diferença, certo?

Um artigo publicado na Science mostrou como enguias encontram correntes oceânicas que as levam para os rios da Europa. A explicação está no fato de que as enguias juvenis européias podem usar o campo magnético da Terra para ajudá-las a atravessar o Oceano Atlântico e alcançar os rios de água doce da Europa.

As enguias européias (Anguilla anguilla) acasalam e põem ovos nas águas salgadas do Mar dos Sargaços, uma região rica em algas no Oceano Atlântico Norte. Mas os peixes passam a maior parte de sua vida adulta vivendo em rios de água doce e estuários na Europa e Norte da África.Por isso, os juvenis tem o objetivo de alcançar os rios de água doce.

Agora, os pesquisadores estão analisando se as enguias adultas usam um mapa magnético similar para voltar ao Mar dos Sargaços. Os adultos seguem uma rota de retorno sinuosa que pode levar mais de um ano para ser concluída, sugere pesquisa prévia. Mas se há alguma força subjacente que os guia ainda precisa ser pesquisada.

Assim como as enguias, outros animais marinhos, como tartarugas marinhas e salmão, sintonizam-se com mudanças sutis no campo magnético da Terra para ajudá-los a migrar longas distâncias. Bela forma de se usar um “sexto sentido”, não é mesmo?

Referência:
https://www.sciencenews.org/article/young-eels-use-magnetic-sixth-sense-navigate

Texto: Karen P Castillioni
contato@sustentahabilidade.com

Outros textos da autora:

Como fazer um jardim de inverno?

 

Aves e Aviões: o risco de colisão

 

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Bióloga com Mestrado em Botânica pela UNESP.Desenvolvedora de estudos ligados à ecologia, conservação, sustentabilidade e impactos das alterações climáticas.

Mais em Artigos

Balneabilidade das praias: bandeira verde ou vermelha?

Laís Nunes20 de janeiro de 2018
Mulher na Dependência Quimica

A vulnerabilidade da mulher e a Dependência Química – Parte 2

Dependência Química19 de janeiro de 2018
Fragilidade Humana

A fragilidade humana …”matéria prima” dos ditadores.

Roberto Mangraviti17 de janeiro de 2018
Investimento

Investimento X Resultado em Qualidade e Sustentabilidade

Roberto Roche16 de janeiro de 2018
crise economia

Consequências da crise econômica: quem vai registrá-las?

Ricardo Rose15 de janeiro de 2018
Lições de Mark Zuckerberg

Lições de Mark Zuckerberg para universitários brasileiros

Roberto Mangraviti14 de janeiro de 2018

Como aparar as asas de aves mantidas como pet

Adriana Tereza Petrocelli13 de janeiro de 2018

Conheça nossa nova Colunista: Adriana Tereza Petrocelli

Bel Gimenez13 de janeiro de 2018
O preço do cobre, os veículos elétricos e a energia renovável

O preço do cobre, os veículos elétricos e a energia renovável.

Roberto Mangraviti12 de janeiro de 2018

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »