Artigos

O velho e sujo turismo no litoral

O velho e sujo turismo no litoral

Finalmente terminaram as férias de verão. Milhões de pessoas voltam às suas atividades regulares – insanas diriam alguns – de luta pela vida. A natureza, por seu lado, também descansará e se recuperará dos impactos ambientais a que foi submetida. Por processos naturais serão gradualmente depuradas áreas afetadas pelo lixo, os esgotos, o consumo de água e a fumaça dos veículos de milhões de turistas, que a cada início de ano veraneiam no litoral brasileiro e causam estragos enormes.

Ainda está para ser avaliado o efeito destrutivo deste tipo de turismo predatório, que em grande parte se concentra no litoral brasileiro, principalmente na região Sudeste, desde os anos 1960. A afluência de visitantes – potenciais donos de imóveis na região – tem criado demanda para a abertura de loteamentos e construção de casas, nas mais diversas condições. Por falta de uma fiscalização eficiente na maior parte das cidades, várias áreas de floresta atlântica, mangue e restinga têm sido sistematicamente destruídos – muitas vezes com o conhecimento e participação de prefeitos e vereadores (como já escrevemos nesta coluna outras vezes). Uma eventual ação de órgãos do governo estadual, como as Secretarias de Meio Ambiente, é muito difícil e improvável, já que faltam recursos – além do fato de que muitas vezes governador e prefeito serem do mesmo partido e precisarem um do apoio político do outro.

O que acontece então é o que já conhecemos: as cidades litorâneas se estendem por vários quilômetros, destruindo ecossistemas. Esgoto poluindo rios, mangues e lagoas; lixo colocado em valas sem qualquer tipo de isolamento, contaminando o solo e as águas que correm para os rios e destes para o mar. Muitas vezes este tipo destruição está longe da cidade, escondido da opinião pública e de uma eventual fiscalização; atrás de algum trecho de mata ou de mangue.

Aliás, a ilegalidade ainda é uma característica de muitos “empreendimentos” no litoral brasileiros. Corte de vegetação original em áreas de preservação; remoção da areia de praias isoladas para uso em aterros; e ocupação ilegal das partes baixas de morros; ainda são fatos corriqueiros, apesar de todo esforço da polícia florestal e de outras (poucas) autoridades responsáveis pela fiscalização de tais ecossistemas.

Exemplo disse tipo de atitude perniciosa é retratado em artigo recentemente publicado pelo jornal Folha de São Paulo. Segundo o diário, o esgoto de 31 mil casas localizadas no litoral paulista, principalmente na região Norte, não tem ligação com o sistema de coleta da Sabesp; companhia que trata os efluentes. Desta maneira, o esgoto destas residências acaba sendo descarregado em córregos e rios que deságuam no mar – muitas vezes correndo pela praia, local frequentado por banhistas. Segundo a Sabesp, um volume de cerca de 17,7 milhões de litros de esgoto ainda não tem tratamento regular. Tal fato se dá, segundo a agência, porque os proprietários não fazem a ligação do esgoto de suas residências na rede coletora, preferindo descarregar o líquido em algum córrego ou rio.

Por outro lado, falta fiscalização para forçar os proprietários deste imóveis a conectarem- se ao sistema de coleta da Sabesp. Permanece, no entanto, o fato de que este tipo de criminoso ambiental eufemisticamente ainda é chamado de turista.

“Ricardo Ernesto Rose é jornalista, graduado em filosofia e pós-graduado em gestão ambiental. Atua desde 1992 no setor de meio ambiente e energia, na área de marketing de tecnologias. É diretor de meio ambiente da Câmara Brasil-Alemanha e editor do blog www.danaturezaedacultura.blogspot.com

Artigos

Ricardo Ernesto Rose, jornalista, graduado em filosofia e pós-graduado em gestão ambiental e sociologia. Desde 1992 atua nos setores de meio ambiente e energia na área de marketing de tecnologias.

Mais em Artigos

Risco Ambiental na Gestão de Resíduos Sólidos

Risco Ambiental na Gestão de Resíduos Sólidos

Roberto Roche12 de dezembro de 2017
São Paulo

Cidade de São Paulo – TODOS são “fumantes”.

Roberto Mangraviti9 de dezembro de 2017
Leite e Qualidade

Leite: qualidade, processamento e as nomenclaturas comerciais.

Convidado8 de dezembro de 2017
Pré-História

Homem … 45 mil anos de impacto ambiental

Ricardo Rose7 de dezembro de 2017
Gestão Ambiental

Gestão Ambiental portuária, Ônus ou Oportunidade?

Roberto Roche5 de dezembro de 2017
equipes

Equipes de Crise Corporativa

Roberto Mangraviti2 de dezembro de 2017
Energia Aeólica

A Cidade de Saerbeck planejou e realizou o futuro.

Roberto Mangraviti1 de dezembro de 2017
Demitir Clientes

Momento(s) de “demitir” um cliente !

Roberto Mangraviti30 de novembro de 2017

A revolução das impressoras 3D: Impressão de pontes de aço

Cristian Reis Westphal29 de novembro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »