Artigos

Os Cogumelos Naturais e os Riscos à Saúde

Os Cogumelos Naturais e os Riscos à Saúde

Dando sequência ao tema relativo as drogas produzidas em laboratório, estamos focando hoje as drogas alucinógenas naturais.

Um grande número de drogas alucinógenas vem da natureza, ou de plantas. Estas drogas foram “descobertas” por seres ancestrais que, ao sentir seus efeitos mentais, passaram a considerá-las “plantas divinas”, isto é, que ao ingeri-las facultava a possibilidade de receber mensagens divinas, dos deuses. Este pensamento, de profundo significado religioso em certas culturas indígenas, continua impregnado nestas civilizações até hoje, justificando assim o uso  continuado dessas plantas alucinógenas.

Os cogumelos, com forte poder alucinógeno, compõe esta gama de plantas capazes de produzir  no consumidor estes efeitos entorpecentes.

A utilização destes produtos, tem aparecido em noticiários, provenientes do  México, mas desde antes de Cristo, já eram utilizados pelos nativos daquela região e ainda hoje, sabe-se que o “cogumelo sagrado” é usado por alguns pajés. Essa planta recebe o nome científico de Psilocybe mexicana e dela pode ser extraída uma substância de poder alucinógeno: a psilocibina. No Brasil são encontradas pelo menos duas espécies de cogumelos alucinógenos, uma delas é o Psilocybe cubensis e a outra, espécie do gênero Paneoulus.

Este ingrediente “mágico” entorpecente (psilocibina), é um composto que se decompõe em psilocina no corpo. A psilocina se liga a receptores de serotonina em todo o cérebro e pode causar alucinações, assim como sinestesia, ou a mistura de dois sentidos. Eles afetam cada pessoa de um jeito diferente e, a não ser quando consumido em grande quantidade, não causam “visões” ou “flashbacks” tardios na maioria das pessoas.

Seus efeitos começam em cerca de uma hora após ter usado a droga, e acaba ficando mais forte após três ou quatro horas, e pode perdurar por até 12 horas após o início da utilização. Entre os efeitos observados, destacam-se alterações na percepção sonora e auditiva. Desta forma, o usuário passa a “perceber” cores muito brilhantes e também ouvir sons bastante agudos. Algumas pessoas até se confundem “vendo” sons e “ouvindo” cores, pois os sentidos se atrapalham, gerando um campo de sobreposição nestes sentidos. É comum também observar estranhas reações na sensação ligada com a velocidade do tempo, fazendo tudo parecer em ”câmera lenta”, gerando paralelamente, mudanças emocionais com oscilações no humor além de cansaço, náuseas, vômitos e problemas de coordenação. Existem também as viagens más, mais conhecidas como “bad trips”. E nestes casos, algumas vezes, os efeitos são negativos como: medo, angustia, pânico, alucinações que causam desespero na pessoa e também o medo de perder o controle e ficar louco.

Mesmo que não tenha havido comprovações científicas que avaliem com precisão as questões da dependência e eventuais riscos quanto a abstinência, podemos afirmar que o consumo de cogumelos altera o comportamento do usuário com riscos não calculados.  Sendo que ainda há possibilidade, da pessoa desenvolver delírios persecutórios, de grandeza ou acessos de pânico com riscos a outrem ou a si próprio.

Portanto, vale destacar que o fato do cogumelo ser um “produto natural”, não livra o usuário de provocar contratempos à saúde.

Foto: http://www.wikiwand.com/en/Psilocybe_cubensis

Autoras: Nancy Peres e Raquel Arantes

dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

 

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Mais em Artigos

Fragilidade Humana

A fragilidade humana …”matéria prima” dos ditadores.

Roberto Mangraviti17 de janeiro de 2018
Investimento

Investimento X Resultado em Qualidade e Sustentabilidade

Roberto Roche16 de janeiro de 2018
crise economia

Consequências da crise econômica: quem vai registrá-las?

Ricardo Rose15 de janeiro de 2018
Lições de Mark Zuckerberg

Lições de Mark Zuckerberg para universitários brasileiros

Roberto Mangraviti14 de janeiro de 2018

Como aparar as asas de aves mantidas como pet

Adriana Tereza Petrocelli13 de janeiro de 2018

Conheça nossa nova Colunista: Adriana Tereza Petrocelli

Bel Gimenez13 de janeiro de 2018
O preço do cobre, os veículos elétricos e a energia renovável

O preço do cobre, os veículos elétricos e a energia renovável.

Roberto Mangraviti12 de janeiro de 2018

Desmatamento na Amazônia, é um estrago irrecuperável?

Roberto Mangraviti10 de janeiro de 2018
Locais acidentados

Visitas de autoridades aos presídios e locais acidentados.

Roberto Mangraviti9 de janeiro de 2018

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »