Artigos

Os Pixadores e as ONG’s

Os Pixadores e as ONG’s

“Sr. Pixador, nossa empresa contribui mensalmente com a ONG …, comprovantes à disposição…”

Comumente vemos nas fachadas, especialmente de escritórios comerciais, placas com os dizeres acima, visando evitar a ação depredatória, de incivilizados seres humanos.

É interessante notar que, muitas vezes quando há uma placa semelhante, a pintura do local permanece intacta, comprovando que estas pessoas socialmente despreparadas, respeitam o pedido de alguém da qual desprezam, fazendo-nos supor, que seja em respeito a uma entidade social.

No Brasil, simultaneamente, existe uma visão ambígua sobre estas organizações. De um lado, uma grande desconfiança, não sem motivo, diante de organizações geridas com finalidade espúria a se comprovar pelas notícias comumente nos jornais. De outro lado, a real importância que estas organizações possuem a ponto de comover a sociedade como um todo : pessoas de bem, consumidores e até estas incivilizadas pessoas citadas na abertura do texto.

Essas organizações ( as sérias), voltadas para ações ambientais no Brasil, têm desempenhado um importante fator de fiscalização e de formação de opinião.

Levantamento publicado no Anuário Gestão Ambiental 2011, comprova que 34% das ONG’s possuem auditoria externa, e que o setor público é o principal parceiro para 88% dessas organizações.

“ A educação ambiental continua sendo o pilar das ONG’s brasileiras” informa o citado anuário e “ 95% atuam com esse enfoque, seguida pelo desenvolvimento de projetos simultâneo com comunidades locais (85%) ”.

A pesquisa envolveu 328 entidades instaladas no Brasil, sendo algumas internacionais e mais da metade informou a origem dos recursos que totalizaram R$ 171 milhões no exercício 2010, ou seja buscaram ser transparentes.

Nos longínquos bancos da Faculdade de Economia, aprendemos que a iniciativa privada localiza rapidamente os nichos de negócio, onde o retorno do capital é viável.

De outro lado o Estado investe onde a iniciativa privada não quer ou não pode participar, seja pelo montante exigido de capital, ou pela relação inadequada tempo x taxa de retorno .

Sabemos também que o Estado, como investidor, não é um modelo exemplar, de rapidez, eficiência e controle de gastos.

Ou seja, em algumas situações temos, empresários desinteressados, obviamente, quando não enxergam possibilidade de lucro e o Estado que supre a necessidades da população de forma lenta e ineficiente .

Em vista disso surgiu a 3.a Via , associando-se com a iniciativa privada ou pública, ou com ambas simultaneamente, visando agilizar soluções práticas para problemas públicos em geral.

As ONG’s conseguem simultaneamente agilizar soluções sociais compensando a lentidão estatal e trabalhando sem objetivar o lucro, suprindo o desinteresse do empresariado.

Como demonstramos em outras oportunidades, uma empresa moderna, tem premente necessidade de envolver-se com ações sociais ( conceito Tripple Botton Line) e nada mais eficiente do que apoiar um trabalho sério do Terceiro Setor, que leva a este resultado rapidamente.

O grande mestre Peter Drucker, deixou-nos um grande legado também com relação a este tema, pois pouco tempo antes de morrer, confessou que trabalhou voluntariamente para muitas organizações despendendo cerca de 50% do seu tempo. Completou dizendo que muito aprendeu com isso, pois estas empresas trabalham ( nos EUA especialmente) , com poucos recursos e administram com perfeição suas organizações, minimizando gastos e superando-se em eficiência.

Ou seja de um homem civilizado e genial como Drucker, a um incivilizado pixador nada genial , todos em algum tempo perceberemos que as ONG’ s são essenciais nos tempos de hoje.

Artigos

Economista e Facility Manager em Sustentabilidade. Editor, diretor e apresentador do Programa Sustentahabilidade.com pela WEBTV. Consultor da ADASP- Associação dos Distribuidores e Atacadistas do Estado de São Paulo e colunista do site do Instituto de Engenharia de São Paulo.

Mais em Artigos

Risco Ambiental na Gestão de Resíduos Sólidos

Risco Ambiental na Gestão de Resíduos Sólidos

Roberto Roche12 de dezembro de 2017
São Paulo

Cidade de São Paulo – TODOS são “fumantes”.

Roberto Mangraviti9 de dezembro de 2017
Leite e Qualidade

Leite: qualidade, processamento e as nomenclaturas comerciais.

Convidado8 de dezembro de 2017
Pré-História

Homem … 45 mil anos de impacto ambiental

Ricardo Rose7 de dezembro de 2017
Gestão Ambiental

Gestão Ambiental portuária, Ônus ou Oportunidade?

Roberto Roche5 de dezembro de 2017
equipes

Equipes de Crise Corporativa

Roberto Mangraviti2 de dezembro de 2017
Energia Aeólica

A Cidade de Saerbeck planejou e realizou o futuro.

Roberto Mangraviti1 de dezembro de 2017
Demitir Clientes

Momento(s) de “demitir” um cliente !

Roberto Mangraviti30 de novembro de 2017

A revolução das impressoras 3D: Impressão de pontes de aço

Cristian Reis Westphal29 de novembro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »