Artigos

Peixes mortos em Belo Monte e a matemática da desgraça

Peixes mortos em Belo Monte e a matemática da desgraça

A Usina de Belo Monte, foi multada pelo Ibama em R$ 8 milhões pela morte de peixes (Estadão 20.02.16). A cifra, caro leitor não estabelece justiça ou possibilidade de reparo, pois vejamos. Durante o enchimento do reservatório de água ocorrido entre novembro de 2015 e fevereiro de 2016, cerca de 16 toneladas de peixe, foram encontrados mortos na região de Altamira e Vitória do Xingu (PA). Ora, a multa aplicada de R$ 8 milhões, dividida por 16.000 kg, resulta em R$ 500,00 por quilograma de peixes sacrificados. Aparentemente um valor significativo, mas o raciocínio correto segue em outra direção. Quantas fêmeas compunham o grupo de mortos? Quantos ovos e futuras gerações foram dizimadas?

Não temos estas respostas e é impossível obtê-las com precisão. Mas para fazermos um jogo de hipóteses, é sabido que uma fêmea de dourado pode liberar até 1,5 milhões de ovos por período de reprodução, contudo somente 50 indivíduos atingirão a idade adulta. Já uma fêmea de tucunaré pode desovar 1 a 2 vezes ao ano, vivendo até 5 anos.  Portanto a questão matemática é simples: se cada fêmea deixou de lançar ovos férteis que gerariam eventualmente mais 50, 100 ou 250 indivíduos, a multa aplicada, na “contabilidade ambiental” pode ter custado não os R$ 500,00/kg mas talvez R$ 2,00, R$ 3,00 ou R$ 10,00… ou seja possivelmente mais barato que o peixe comprado no mercado da esquina que viaja as vezes centenas de quilômetros em câmaras refrigeradas caríssimas. Portanto, considerando que o acidente não ocorreu de forma pontual (numa determinada data) mas ao longo dos 90 dias em que o lago foi enchendo, a punição demonstra ser irrisória pela dimensão da matança (quantidade), pela reincidência (ao longo de 3 meses) e acima de tudo, pela atitude desrespeitosa com a Natureza, demonstrando total desprezo com o impacto futuro e claro … com a matemática!

Autor: Roberto Mangraviti

contato@sustentahabilidade.com

Foto: http://www.amata.jex.com.br/

Autor: Roberto Mangraviti

contato@sustentahabilidade.com

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Economista e Facility Manager em Sustentabilidade. Editor, diretor e apresentador do Programa Sustentahabilidade.com pela WEBTV. Consultor da ADASP- Associação dos Distribuidores e Atacadistas do Estado de São Paulo e colunista do site do Instituto de Engenharia de São Paulo.

Mais em Artigos

Risco Ambiental na Gestão de Resíduos Sólidos

Risco Ambiental na Gestão de Resíduos Sólidos

Roberto Roche12 de dezembro de 2017
São Paulo

Cidade de São Paulo – TODOS são “fumantes”.

Roberto Mangraviti9 de dezembro de 2017
Leite e Qualidade

Leite: qualidade, processamento e as nomenclaturas comerciais.

Convidado8 de dezembro de 2017
Pré-História

Homem … 45 mil anos de impacto ambiental

Ricardo Rose7 de dezembro de 2017
Gestão Ambiental

Gestão Ambiental portuária, Ônus ou Oportunidade?

Roberto Roche5 de dezembro de 2017
equipes

Equipes de Crise Corporativa

Roberto Mangraviti2 de dezembro de 2017
Energia Aeólica

A Cidade de Saerbeck planejou e realizou o futuro.

Roberto Mangraviti1 de dezembro de 2017
Demitir Clientes

Momento(s) de “demitir” um cliente !

Roberto Mangraviti30 de novembro de 2017

A revolução das impressoras 3D: Impressão de pontes de aço

Cristian Reis Westphal29 de novembro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »