Artigos

Peixes mortos em Belo Monte e a matemática da desgraça

Peixes mortos em Belo Monte e a matemática da desgraça

A Usina de Belo Monte, foi multada pelo Ibama em R$ 8 milhões pela morte de peixes (Estadão 20.02.16). A cifra, caro leitor não estabelece justiça ou possibilidade de reparo, pois vejamos. Durante o enchimento do reservatório de água ocorrido entre novembro de 2015 e fevereiro de 2016, cerca de 16 toneladas de peixe, foram encontrados mortos na região de Altamira e Vitória do Xingu (PA). Ora, a multa aplicada de R$ 8 milhões, dividida por 16.000 kg, resulta em R$ 500,00 por quilograma de peixes sacrificados. Aparentemente um valor significativo, mas o raciocínio correto segue em outra direção. Quantas fêmeas compunham o grupo de mortos? Quantos ovos e futuras gerações foram dizimadas?

Não temos estas respostas e é impossível obtê-las com precisão. Mas para fazermos um jogo de hipóteses, é sabido que uma fêmea de dourado pode liberar até 1,5 milhões de ovos por período de reprodução, contudo somente 50 indivíduos atingirão a idade adulta. Já uma fêmea de tucunaré pode desovar 1 a 2 vezes ao ano, vivendo até 5 anos.  Portanto a questão matemática é simples: se cada fêmea deixou de lançar ovos férteis que gerariam eventualmente mais 50, 100 ou 250 indivíduos, a multa aplicada, na “contabilidade ambiental” pode ter custado não os R$ 500,00/kg mas talvez R$ 2,00, R$ 3,00 ou R$ 10,00… ou seja possivelmente mais barato que o peixe comprado no mercado da esquina que viaja as vezes centenas de quilômetros em câmaras refrigeradas caríssimas. Portanto, considerando que o acidente não ocorreu de forma pontual (numa determinada data) mas ao longo dos 90 dias em que o lago foi enchendo, a punição demonstra ser irrisória pela dimensão da matança (quantidade), pela reincidência (ao longo de 3 meses) e acima de tudo, pela atitude desrespeitosa com a Natureza, demonstrando total desprezo com o impacto futuro e claro … com a matemática!

Autor: Roberto Mangraviti

contato@sustentahabilidade.com

Foto: http://www.amata.jex.com.br/

Autor: Roberto Mangraviti

contato@sustentahabilidade.com

Artigos

Economista e Facility Manager em Sustentabilidade. Editor, diretor e apresentador do Programa Sustentahabilidade pela WEBTV. Palestrante, Moderador de Seminários Internacionais de Eficiência Energética, Consultor da ADASP- Associação dos Distribuidores e Atacadistas do Estado de São Paulo e colunista do site do Instituto de Engenharia de São Paulo.

Mais em Artigos

O sistema de defesa contra infecções - Entenda esse jogo de edição de genomas!

Você sabe o que é CRISPR-Cas9? Entenda esse jogo de edição de genomas!

LIDIANE DE SOUZA TORRES6 de novembro de 2019

Educação Ambiental

Karen P Castillioni31 de outubro de 2019

Conheça a apelidada “árvore da morte”

Cristian Reis Westphal30 de outubro de 2019

Guia Prático de cuidados com filhotes caninos.

Fernanda Lanzelotti29 de outubro de 2019

Qual a real cor do Sol?

Cristian Reis Westphal28 de outubro de 2019

Rios voadores: há muita água sobre nossas cabeças

Karen P Castillioni25 de outubro de 2019
Monte das Serras

Como fazer um controle biológico de pragas e doenças adequado?

Roberto Mangraviti22 de outubro de 2019
Energia Solar

Empreendimentos utilizando energia solar

Roberto Mangraviti20 de outubro de 2019
Consumidor buscando marcas sustentáveis no Varejo

Consumidor buscando marcas sustentáveis no Varejo

Roberto Mangraviti19 de outubro de 2019

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com