Editorial

Defendendo grafiteiros ou falsidade política ?

Defendendo grafiteiros ou falsidade política ?

As pessoas a favor dos grafiteiros em São Paulo, defendem esta arte por convicções políticas ou  artísticas?

Por que antes nunca se via nenhuma manifestação pelas redes sociais classificando a metrópole paulistana como a “ Bela Capital do Grafite”, ou de “Artistas Maravilhosos”, e agora o fazem com tanto ênfase?

Algumas manifestações em redes sociais, chegam a assustar, pois são provenientes de jornalistas, intelectuais e artistas de várias áreas  que começam agora  extrapolar suas convicções em defesa de pixadores e não mais dos grafiteiros, estes sim artistas de fato.

A comprovar esta forma estranha de defender pensamentos indefensáveis, certas alas “progressistas” estão combatendo  o prefeito João Doria que  firmou um acordo com os taxistas de São Paulo, para que denunciem os pixadores(*).

E logo em seguida a publicação deste acordo, os “murais” das redes sociais apoiaram pixadores e execraram os taxistas, numa inversão de valores absurda: valorizando criminosos e desvalorizando trabalhadores. Alguns “intelectuais” postaram apoio aos “uberistas”  para  prejudicar o trabalho dos taxistas.

Outros postaram expressões do tipo, “viva os dedos duros, como se o ato de informar uma autoridade policial, quando um patrimônio público ou privado esteja sendo depredado, seja ato reprovável.

Desde quando chamar a polícia diante de um crime, seja algo reprovável? Será que se alguém pixar sua casa, caro leitor, deixou de ser crime ?

O pior ainda se encontra na falsidade do comentário, que tenta esconder uma ironia indisfarçável que incita o delito. Pois postar frases do tipo, ”está aberta a temporada dos dedos-duros”, é uma “brincadeirinha” de péssimo gosto, que esconde aquele desejo de escrever aquilo que parece que está no coração, mas um “intelectual” não pode assumir publicamente que seria …  “bem feito, para o Doria,  que continuam  pixando a cidade”.

Vale destacar que defender os grafiteiros é algo LÍCITO E CORRETO.

A atitude de Doria, apagando os grafites, é discutível se está correta ou não,  sob a ótica urbanística. Assim como, a bem da verdade, é discutível se os grafites que  foram feitos no passado, respeitaram uma visão  urbanística,  pois há quem goste, e outros que detestam. Até porque o centenário “Arcos do Jânio” foram desenvolvidos por artistas que talvez não aprovassem um grafite em cima, certo? Enfim, ter uma cidade grafitada, é discutível, se a torna mais bela e  turisticamente interessante ou não, e devemos respeitar todas opiniões. Contra ou a favor.

Mas defender um pixador expõe uma fratura grave, pois estão defendendo criminosos e sendo assim o raciocínio de Dória que uma cidade grafitada incentiva o pixador, se comprova uma verdade, pois esses criminosos do patrimônio alheio, agora estão sendo aplaudidos por estes “intelectuais”, invertendo um princípio básico da Constituição, do direito de defesa do patrimônio de outrem e da obrigação de Estado de fazê-lo.

Afinal senhores defensores dos grafiteiros, os senhores estão a favor da arte ou defendendo suas bandeiras criminosas políticas?

Texto: Roberto Mangraviti

contato@sustentahabilidade.com

(*) A lógica do acordo com taxistas resume-se no seguinte raciocínio: os pixadores cometem seus delitos, escondidos e sempre durante a noite, horário quase impossível de contê-los. Estando muitos taxistas neste horário numa árdua rotina de trabalho, poderão colaborar como “fiscais voluntários” da cidade sem ônus financeira para a metrópole que teria que investir em policiamento para  conter este delito, em detrimento de outras necessidades policiais muito mais urgentes.

 

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Editorial

Economista e Facility Manager em Sustentabilidade. Editor, diretor e apresentador do Programa Sustentahabilidade.com pela WEBTV. Consultor da ADASP- Associação dos Distribuidores e Atacadistas do Estado de São Paulo e colunista do site do Instituto de Engenharia de São Paulo.

Mais em Editorial

Geddel

Quantos % “1 Geddel” representa no rombo da Previdência?

Roberto Mangraviti8 de setembro de 2017
Bem estar

Bem estar dos funcionários em empresas de sucesso

Roberto Mangraviti12 de agosto de 2017
Abel Braga

A morte do filho de Abel Braga e uma lição ao Barcelona.

Roberto Mangraviti8 de agosto de 2017
Telecomunicação

“Arena Palmeiras ” e o desrespeito publicitário com naming rights

Roberto Mangraviti2 de agosto de 2017
Interrogação

“é motivo de orgulho uma empregada doméstica ter um celular ?”

Roberto Mangraviti18 de julho de 2017

Comercializar drogas a céu aberto, pode?

Roberto Mangraviti28 de maio de 2017

Redução drástica dos Manguezais.

Bel Gimenez8 de maio de 2017

Reformas Trabalhista e Tributária.

Roberto Mangraviti8 de maio de 2017

Nova campanha do GreenPeace

Bel Gimenez7 de maio de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »