Artigos

Plástico, o “alimento” mais ingerido no mundo marinho

Plástico, o “alimento” mais ingerido no mundo marinho

Já sabemos que a poluição no ambiente marinho é tão grande que chega formar um ‘mar de plástico’ nos oceanos. Sabemos também que 80% desse plástico vem do continente, devido à má gestão de lixo, onde o plástico acaba nos corpos d’água e devido ao ciclo natural da água, vai parar nos mares e oceanos. Também sabemos que o tempo médio para que este material se decomponha no meio ambiente é de 100 a 400 anos. Mas mesmo sabendo de tudo isso, a presença do plástico nos oceanos tem aumentado a cada ano.

O plástico é um produto sintético feito de polímeros e longas cadeias de carbono e outros produtos, então, é fruto do petróleo. Basicamente 90% dos produtos que usamos no dia-a-dia possuem algum item de plástico, como computadores, utensílios domésticos (copos, garfos, eletrodomésticos), garrafas de bebidas e embalagens de diversos produtos, sacolas, brinquedos, DVDs e até alguns tecidos. Somos dependentes do plástico e seus derivados.

A utilidade do plástico facilita (e muito) a vida moderna. Mas quando esse material chega onde não deveria estar – no meio ambiente – começa então uma sequência de prejuízos para os animais que dependem do ambiente marinho para sobreviver.

Muitos animais confundem o plástico que bóia na superfície ou na coluna d’água com alimento (peixe, alga, medusa) e acabam ingerindo esses produtos. Plásticos com forma pontuda podem matar pássaros, mamíferos e tartarugas perfurando seus órgãos internos. Alguns animais comem tanto plástico que sobra pouco espaço para a comida ‘de verdade’, o que afeta seu peso corporal, causando desnutrição e muitas vezes, a morte. O plástico também mata através do sufocamento, milhares de animais ficam presos em redes de pesca fantasma e acabam morrendo asfixiados. Outra forma de matar do plástico é através da toxicidade, quando quebrado em moléculas menores no processo de decomposição, o plástico transforma-se em moléculas extremamente tóxicas e até cancerígenas.

Um estudo recente mostrou que existe tanto plástico flutuando nos oceanos que 90% das aves marinhas já consumiram plástico em algum momento de suas vidas, e TODAS estarão consumindo plástico até o ano 2050.  Ainda nesse estudo, os cientistas afirmaram que a produção mundial de plástico dobra a cada 11 anos. Assim, nos próximos 11 anos estaremos produzindo em um ano, a mesma quantidade de plástico que produzimos desde que este produto foi inventado.

Parece que entramos em colapso e o homem age como se não precisasse do mar e do alimento que ele oferece para sobreviver. Pobres animais marinhos, pobre homem.

Lixo Marinho e Plastico2

Foto: http://coastalcare.org/2009/11/plastic-pollution/

Lixo Marinho e Plastico3

 

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos

Mestre em Oceanografia, Física, Química e Geológica. Especialista em Estudos Ambientais para área petrolífera e Repostas a Derramamento de Óleo em Corpos Hídricos.

Mais em Artigos

Queimadas 2017

Queimadas 2017

Roberto Mangraviti18 de fevereiro de 2018
Upp's no Rio de Janeiro

As UPP’S do Rio de Janeiro… uma farsa para “ inglês ver”.

Roberto Mangraviti17 de fevereiro de 2018
Energia de gás natural e biomassa

Energia de gás natural e biomassa

Bel Gimenez16 de fevereiro de 2018
Humburger

Alimentos feitos de insetos, uma realidade de mercado.

Roberto Mangraviti14 de fevereiro de 2018
A Mordida da Centopéia

A mordida da centopéia

Karen P Castillioni13 de fevereiro de 2018
Nicolas Maduro

E agora José ?

Roberto Mangraviti12 de fevereiro de 2018
Empório Mata Atlântica

Empório Mata Atlântica com picolés de Uvaia e Juçara.

Bel Gimenez11 de fevereiro de 2018
Plásticos no Mar

Como o plástico está prejudicando recifes de corais?

Karen P Castillioni9 de fevereiro de 2018
O capital

Melhora ou estagnação?

Ricardo Rose8 de fevereiro de 2018

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »