Artigos

Porto de Açu, Eike, Cabral… crimes ambientais eram os prenúncios.

Porto de Açu, Eike, Cabral… crimes ambientais eram os prenúncios.

É surreal .
Eike Batista tem o título de Barão de São João da Barra concedido pela prefeita daquela cidade que se “ autoautorgou” baronesa.

Esta é a moldura imperial de uma série de crimes praticados, onde o desrespeitar o meio ambiente, é fichinha diante de gravíssimos fatos.

O Porto de Açu, construído por Eike Batista e inaugurado em 2014 para principalmente escoar minério de ferro de MG, teve “apoio” do então governador Sergio Cabral (ambos presos), e desde o início apresentava denuncias graves.

Inicialmente porque 400 famílias tiveram suas terras desapropriadas, e somente 80% foram ressarcidas pelo Estado, até hoje.

Por quê?

Ora, o fato é que algumas famílias estão na região há 50 ou 60 anos, mas muitos casos, a documentação não se achava regularizada e o Estado não pode ressarcir nestas circunstâncias.

Desta forma estas desapropriações, foram organizadas, segundo a GloboNews, através da distribuição de propinas para aproveitar esta lacuna.

Para isto, invasões com jagunços e meios semelhantes foram utilizados.

Claro que neste “modelo de negócio”, as questões ambientais foram absolutamente esquecidas, na medida em que termoelétricas foram construídas na região para suprir a nova demanda de energia.

A escolha de Eike e seus amigos por este modelo de energia é compatível com seu título de “barão” , arcaico como nunca, pois apesar de aproveitar logisticamente o carvão transportado, gera gases de efeito estufa.

Enquanto a Alemanha inicia o desligamento de usinas construídas há décadas, por não mais atenderem as necessidades ambientais atuais, Eike e seus amigos, posam de “ empresários modernos” com este olhar ancestral.

Fundamental ao leitor incorporar nesta linha de raciocínio que, o respeito ao meio ambiente, quando é o ponto de partida de um projeto, conduz as demais condições para o caminho do lícito no campo legal, e moral no campo da ética.

Condições que agora, após as prisões dos mentores destes atos indevidos, se comprova como absolutamente esquecidas.

E o mais triste desta história …

Considerando que Eike Batista já vendeu a maioria das ações ao grupo internacional Anglo American e ademais, o porto não operar a pleno pulmões, sabem como sobrevivem os investidores ?

Recebendo aluguel das terras desapropriadas e obtidas de forma absolutamente duvidosas, que totalizam 250 milhões de reais anuais.

Enfim, mais um mar de dejetos que a sociedade brasileira terá que esgotar, assim como na chegada de D.João VI ao Rio de Janeiro, em 1808, afinal para os envolvidos, estamos no tempo do império.

Texto: Roberto Mangraviti
contato@sustentahabilidade.com

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Economista e Facility Manager em Sustentabilidade. Editor, diretor e apresentador do Programa Sustentahabilidade.com pela WEBTV. Consultor da ADASP- Associação dos Distribuidores e Atacadistas do Estado de São Paulo e colunista do site do Instituto de Engenharia de São Paulo.

Mais em Artigos

Risco Ambiental na Gestão de Resíduos Sólidos

Risco Ambiental na Gestão de Resíduos Sólidos

Roberto Roche12 de dezembro de 2017
São Paulo

Cidade de São Paulo – TODOS são “fumantes”.

Roberto Mangraviti9 de dezembro de 2017
Leite e Qualidade

Leite: qualidade, processamento e as nomenclaturas comerciais.

Convidado8 de dezembro de 2017
Pré-História

Homem … 45 mil anos de impacto ambiental

Ricardo Rose7 de dezembro de 2017
Gestão Ambiental

Gestão Ambiental portuária, Ônus ou Oportunidade?

Roberto Roche5 de dezembro de 2017
equipes

Equipes de Crise Corporativa

Roberto Mangraviti2 de dezembro de 2017
Energia Aeólica

A Cidade de Saerbeck planejou e realizou o futuro.

Roberto Mangraviti1 de dezembro de 2017
Demitir Clientes

Momento(s) de “demitir” um cliente !

Roberto Mangraviti30 de novembro de 2017

A revolução das impressoras 3D: Impressão de pontes de aço

Cristian Reis Westphal29 de novembro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »