Artigos

Prazos para o lixo

Prazos para o lixo

Em pouco mais de dois anos, em agosto de 2018, o país deverá estar preparado para colocar em funcionamento um dos maiores projetos de gestão de resíduos em todo o mundo – pelo menos teoricamente. A Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), que deveria entrar em vigor a partir de agosto de 2014, foi postergada para 2018 e para prazos mais longos dependendo do município. Assim, as capitais e os municípios de região metropolitana terão prazo até 31 de julho de 2018 para acabar com lixões, substituindo-os por aterros sanitários construídos de acordo com padrões técnicos aprovados. Já os municípios de fronteira e aqueles que contavam com mais de 100 mil habitantes de acordo com o censo de 2010, terão até julho de 2019 para realizarem as mesma obras. As cidade com 50 a 100 mil habitantes, terão um prazo ampliado para julho de 2020. Finalmente, para os municípios com menos de 50 mil habitantes (base 2010) o prazo final para construírem seus aterros, será 31 de julho de 2021.

Com prazos tão esticados é pouco provável que os atuais prefeitos – e até os futuros – estejam muito preocupados com a questão da gestão dos resíduos em suas cidades. A distribuição dos habitantes nos municípios brasileiros nos dá uma indicação disso. O país tem 5.299 cidades com menos de 100 mil habitantes; 252 municípios com população entre 100 mil e 1 milhão de pessoas; e 14 cidades com mais de um milhão de habitantes (base 2008). Sendo assim, grande parte dos municípios (95%) terá tempo até 2020, praticamente até o final do mandato dos prefeitos eleitos em 2016, para colocarem em prática projetos de coleta seletiva, organizarem as partes envolvidas e construírem aterros sanitários. Da maneira como conhecemos nossas administrações públicas e a tolerância com que a Justiça trata prefeitos infratores, é pouco provável que mesmo estes prazos, tão alongados, sejam mantidos. Mas, até é possível milagres acontecerem.

A questão da correta gestão dos resíduos – da coleta até a disposição final – é um dos grandes desafios do Brasil moderno. Em 2014 o país gerou 78,5 milhões de toneladas de resíduos sólidos urbanos, dos quais 90,6% foram coletados. Quase 10% do lixo brasileiro acaba sendo enterrado em quintais, queimado em terrenos baldios ou simplesmente espalhado em ruas e avenidas, dando aos lugares aparência de sujeira, atraso e abandono. Do lixo efetivamente coletado 58,4% são direcionados aos aterros sanitários e 41,6% são depositados em aterros controlados (eufemismo para lixo compactado sem nenhum tratamento) e lixões. Em termos gerais é possível depreender que a situação do lixo no Brasil continua ruim.

Projetos de reciclagem em andamento ainda são poucos. Cerca de 1 mil cidades brasileiras têm implantados projetos de tamanhos variados, mas o volume total do material reciclado não passa dos 8% do total dos resíduos urbanos. Empresas de alguns setores se organizaram e assinaram acordos setoriais com o Ministério do Meio Ambiente, planejando implantar projetos logística reversa, para recolher seus resíduos – embalagens, restos de produtos, baterias, etc.

Grande parte do lixo, no entanto, ainda espera por uma destinação correta. São as prefeituras que darão início ao processo, instituindo a separação obrigatória do lixo, organizado catadores e construindo aterros sanitários. Os prazos foram dados, será que os prefeitos estão preocupados?

Autor: Ricardo Rose
Consultor, jornalista e autor, com especialização em gestão ambiental e sociologia. Graduado e pós-graduado em filosofia. Desde 1992 atua nos setores de meio ambiente e energia na área de marketing de tecnologias, trabalhando para instituições internacionais. Atualmente é consultor em inteligência de mercado no setor de sustentabilidade. É editor dos blogues “Da natureza e da cultura” e “Considerações oportunas”. Seu site profissional é: www.ricardorose.com.br

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos

Ricardo Ernesto Rose, jornalista, graduado em filosofia e pós-graduado em gestão ambiental e sociologia. Desde 1992 atua nos setores de meio ambiente e energia na área de marketing de tecnologias.

Mais em Artigos

Lideres

O anacronismo das lideranças

Roberto Mangraviti20 de abril de 2018
Robson Miguel

Robson Miguel em Brasília – Semana do Índio.

Bel Gimenez17 de abril de 2018
Água

Água … uma riqueza desvalorizada no Brasil

Roberto Mangraviti16 de abril de 2018
Japão trabalha para abrigar humanos na Luaem 2030

Brasil … qual o perfil da sua gente ?

Roberto Mangraviti14 de abril de 2018
The Body Shop - Testes em animais

Assinaturas para fim de testes em animais

Roberto Mangraviti13 de abril de 2018
Localoza

Negócio “limpo” – caminho da Localiza no Brasil com solar.

Roberto Mangraviti12 de abril de 2018

Bactérias e a formação do oxigênio na Terra Primitiva

Cristian Reis Westphal11 de abril de 2018
Eficiência Energética

Novas maneiras de incentivar a eficiência energética

Ricardo Rose7 de abril de 2018
Roberto

ABC Repórter destaca o nosso Portal

Bel Gimenez6 de abril de 2018

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »