Artigos

Prevenção e Redução de Custo

Prevenção e Redução de Custo

Para os seres vivos e plantas, o criador impôs como condição de sobrevivência o estado permanente de transformação. O mesmo vale para os objetivos de um empreendimento por meio de seus produtos e serviços, fruto da criação humana, tem que melhorar sempre. Isto para conseguir a sobrevivência dentro da missão do empreendimento.

O produto é definido pelos seguintes atributos: Conformação, Preço e Prazo de Entrega.

A melhoria da conformação se da com programas de melhoria de desempenho e de qualidade.

O preço melhora com programas de prevenção e de redução de custo.

A melhoria na conformação e a redução de custo têm impacto no prazo de entrega que também é melhorado com programas de logística.

Para melhorar qualquer atributo acima mencionado, temos que estabelecer projetos com essa meta.

Vamos começar pela prevenção e redução de custo. O primeiro passo é a procura de área onde a economia possa ser significante. Partimos do principio de que as grandes reduções de custo estarão nos grandes números. Para localizar essas áreas, usamos o método de classificação baseado na Lei de Paretto: Em torno de 15 a 20% do possível numero de itens em estudo será responsável em torno de 80% do valor consignado.

1- Em torno de quinze a vinte por cento dos itens de inventario serão responsáveis por aproximadamente oitenta por cento do montante em reais.

2- Da mesma forma em torno de quinze a vinte por cento dos possíveis itens de rejeição serão responsáveis por aproximadamente oitenta por cento das rejeições.

3- Também em torno de quinze a vinte por cento dos centros de custo contarão com montante de aproximadamente oitenta por cento do custo total.

As aéreas de oportunidade obtidas com auxilio da Lei de Paretto seguirão o seguinte procedimento para identificar a causa geradora do excesso:

1- Coleta de Informações.

2- Depuração das informações.

3- Coleta de informações adicionais.

4- Segregação das informações pertinentes.

5- Analise das informações pertinentes.

6- Identificação do problema.

O enfoque técnico dentro da sistemática de redução de custo é a operação em que se aplicam ferramentas para a solução de problemas. Após a identificação da causa geradora do excesso de custo podemos através de ferramentas já consagradas, como as mencionadas a seguir, eliminá-las.

1- Aplicar técnicas já em uso para enfrentar o absenteísmo e presenteismo.

2- Analise múltipla de regressão. Pode ser aplicada para previsão de vendas.

3- Programação linear. Pode ser aplicada em problemas de participação dos itens em programa de produção (mix).

4- Aplicar a Lei de Paretto no consumo de Energia Elétrica.

5- Amostragem. Pode ser aplicada sempre que estivermos envolvidos com grandes volumes.

6- Lote Econômico. Pode ser aplicado para auxiliar o estabelecimento de política de inventário e no controle de produção.

O plano de ação demanda a definição de projetos que são estabelecidos com o enfoque técnico.

Para analise devemos preparar a seguinte informação sobre cada projeto:

1- Descrição do projeto.

2- Custo para implantar o projeto.

3- Redução de Custo Quantificável.

4- Vantagens de implantar o projeto.

5- Consequência de não implantar o projeto.

6- Volume de produção.

7- Complexidade do projeto.

8- Concorrência. Muitas vezes impõe meta de redução de custo que torne o produto líder de custo.

9- Tempo estimado de implantação.

10- Margem de lucro antes e após implantação do projeto.

Nos projetos teremos itens que podem ser quantificados e outros somente qualificados. Com esses elementos montaremos uma matriz onde os projetos serão listados nas colunas e as características nas linhas. O estabelecimento de prioridade se obtém por meio de Matriz de Soluções. No preparo dessa matriz para estabelecer prioridades precisamos criar uma métrica para avaliar os itens qualificados. Fazemos isso estabelecendo o peso de cada item numa escala de 01 até 10, colocando a nossa sensibilidade a trabalhar sem interferência de pré-julgamentos.

Em Outubro de 1967 , quando trabalhava num grande conglomerado internacional, tive um treinamento sobre redução de custo realizado no Vale do Silício onde se aplicava esse método de avaliação dos itens qualificados. O programa tinha o nome de SPCL (Single Product Cost Leadership). O objetivo do programa era o de obter-se redução de custo que levasse o produto à liderança de preço.

Observação: Ocorre que na procura por redução de custo, são analisados somente alguns aspectos e o custo é reduzido em alguma área, mas verifica-se depois que como consequência os custos subiram em outros setores. Para evitar esta situação, uma analise global deve ser conduzida.

Para permitir a medida de resultados, devemos estabelecer padrões. Quando introduzimos padrões não estamos fazendo economia, se alguma houver indica a falta de eficiência gerencial.

Luiz Américo Zeballos, Engenheiro Mecânico e Eletricista, formado pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, Professor Assistente da cadeira de “Mecânica Aplicada às Máquinas” da Escola de Engenharia de São Carlos, Professor de “Administração da Produção” da Fundação Getúlio Vargas – EBAP, Professor de “Administração da Produção” Escola de Comando e Estado Maior do Exército.

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Engenheiro Mecânico e Eletricista, formado pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, Professor Assistente da cadeira de "Mecânica Aplicada às Máquinas" da Escola de Engenharia de São Carlos, Professor de "Administração da Produção" da Fundação Getúlio Vargas – EBAP, Professor de "Administração da Produção" Escola de Comando e Estado Maior do Exército.

Mais em Artigos

Risco Ambiental na Gestão de Resíduos Sólidos

Risco Ambiental na Gestão de Resíduos Sólidos

Roberto Roche12 de dezembro de 2017
São Paulo

Cidade de São Paulo – TODOS são “fumantes”.

Roberto Mangraviti9 de dezembro de 2017
Leite e Qualidade

Leite: qualidade, processamento e as nomenclaturas comerciais.

Convidado8 de dezembro de 2017
Pré-História

Homem … 45 mil anos de impacto ambiental

Ricardo Rose7 de dezembro de 2017
Gestão Ambiental

Gestão Ambiental portuária, Ônus ou Oportunidade?

Roberto Roche5 de dezembro de 2017
equipes

Equipes de Crise Corporativa

Roberto Mangraviti2 de dezembro de 2017
Energia Aeólica

A Cidade de Saerbeck planejou e realizou o futuro.

Roberto Mangraviti1 de dezembro de 2017
Demitir Clientes

Momento(s) de “demitir” um cliente !

Roberto Mangraviti30 de novembro de 2017

A revolução das impressoras 3D: Impressão de pontes de aço

Cristian Reis Westphal29 de novembro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »