Artigos

Quando o analgésico mata

Quando o analgésico mata

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) a dor em geral atinge 30% da população mundial. No Brasil a dor crônica atinge de 15% a 40% da população, conforme dados da Sociedade Brasileira de Estudos para a Dor (SBED).

Para tratamento das dores há três classes de analgésicos: os comuns (dipirona, paracetamol), os anti-inflamatórios (aspirina, ibuprofeno, diclofenaco) e os opioides (tramadol, fentanil). A cada paciente será ministrado o que for mais adequado ao  quadro de sintomas apresentado.

Os opioides, no qual vamos pautar este artigo, são derivados do ópio e são muito parecidos com substâncias naturais fabricadas pelo organismo.  Ao se fazer cortes na capsula da papoula, obtém-se um suco leitoso, o ópio.  Essa seiva quando seca passa a ser chamada pó-de-ópio. Desse pó são extraídas várias substâncias, entre elas a morfina.  Outra substância extraída é a codeína, também utilizada como antitussígeno (inibidor da tosse).

Ambas são substâncias naturais. Há outras sintéticas também chamadas de opioides e utilizadas como medicamento, que são ainda mais potentes.

A revista Super Interessante de Outubro/2017, em seu artigo “O Remédio Mais Perigoso do Mundo” traz a informação de que a morfina se encaixa nos receptores opioides que estão presentes em várias regiões do cérebro e normalmente são ativados pelos analgésicos naturais, produzidos pelo próprio organismo, como a endorfina.

Quando o medicamento vira droga

Conforme explicado no site “Fundação Para Um Mundo Sem Drogas” os opioides são drogas que atuam no Sistema Nervoso para aliviar a dor porém, o uso constante e indevido pode levar à dependência física e sintomas de abstinência. O risco se torna ainda maior quando as substâncias são sintéticas.

A pesquisa elaborada pelo “Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crimes (UNODC)” sobre o consumo de drogas no mundo aponta o uso abusivo de medicamentos no Brasil.

Os dados apontam para uma alta prevalência de uso não médico de opioides (analgésicos) de prescrição nos países da Costa Rica, Chile e Brasil (Globo G1 23/06/2011).

Um dos medicamentos mais usados e que vem causando dependência é o oxicodona (OxyContim, Oxyfast e Percocet). Este remédio é classificado como tarja vermelha.  Temos o Fentanil, opioide sintético, que não contém papoula e é 100 vezes mais forte que a morfina. Sua apresentação é uma espécie de pirulito , que vai se dissolvendo lentamente na boca.

O uso abusivo desses remédios parece ter uma prevalência maior entre profissionais de saúde, provavelmente pela facilidade de acesso.

Diante de fatos tão contundentes, o Brasil se prepara para o sucessor desses medicamentos. Em 2014 chegou ao mercado americano o Zohydro, 10 vezes mais potente que o outros e tão forte que apenas dois comprimidos pode levar à morte.

caveira

 

Segundo o psiquiatra Arthur Guerra da USP, também cresce o uso entre pessoas que já têm dependência em alguma droga e querem experimentar novas.

Os opiodes são tão viciantes que nos EUA muitos usuários migraram para heroína. O número de mortes em heroína quadriplicou desde 2010. Calcula-se que 80% dos novos usuários em heroína começaram nos analgésicos opioides, prescritos por um médico, diz Nora Volkow, diretora do NIDA – Instituto Nacional Contra o Abuso de Drogas dos EUA.

Para o tratamento da dependência em opioides é usada a Metadona, um opioide sintético mais leve, que alivia os sintomas de abstinência provocados pela falta do medicamento. É um tratamento que precisa de rigoroso acompanhamento pois a Metadona também induz à dependência.  O papel da família em todo esse processo também é muito importante pois vai auxiliar o dependente na recuperação e na prevenção de recaídas.

Temos aqui um sinal vermelho pois os opioides já estão sendo comercializados na farmácia mais próxima de você.

 

Autoras:  Veronica Salete e Maria Cristina Lopes
conato@sustentahabilidade.com

Outros Textos das Autoras:

http://sustentahabilidade.com/o-caminho-das-drogas-no-cerebro/

http://sustentahabilidade.com/o-mundo-das-drogas/

 

Saiba mais:

 

Revista Super Interessante nr. 380 – Outubro/2017
Artigo: O Remédio Mais Perigoso do Mundo
G1.globo.com: ciências e saúde/remédios
Artigo: Morte de celebridades alerta para uso abusivo
De Medicamentos no Brasil (20/03/10)
Capa: Que conceito
Foto: pra fora wordpress

 

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Mais em Artigos

Motivação_Herzberg

Teoria da Motivação de Herzberg (3).

Roberto Mangraviti23 de novembro de 2017
Bolsa Família

O Bolsa Família ocultou a taxa de desemprego real?

Roberto Mangraviti22 de novembro de 2017
QSMS-RS e Sustentabilidade

Mais líderes na gestão de QSMS-RS & Sustentabilidade

Roberto Roche20 de novembro de 2017
Motivação

Teoria da Motivação de McClelland(2)

Roberto Mangraviti17 de novembro de 2017
Infraestrutura

Infraestrutura no Brasil – Concessionárias as únicas com bons resultados( Parte 3)

Roberto Mangraviti16 de novembro de 2017
Gestão Ambiental Portuária

Gestão Ambiental portuária, Ônus ou Oportunidade?

Roberto Roche14 de novembro de 2017

Motivação na ótica de Maslow

Roberto Mangraviti13 de novembro de 2017
Adam Smith

Lições para o Brasil – Adam Smith

Roberto Mangraviti12 de novembro de 2017
Animal Pré-histórico

Animais que “deram as caras” depois da extinção dos dinossauros

Karen P Castillioni11 de novembro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »