Artigos

Quantos % “1 Geddel” representa no rombo da Previdência?

Quantos % “1 Geddel” representa no rombo da Previdência?

E 513 “geddéis” ? Incríveis 13% ou muito mais …  Maluquice ? Explico.

O rombo da Previdência para 2018 , estima-se em R$ 200 bilhões.

Somente o dinheiro vivo encontrado com as  digitais do ex-deputado Geddel Vieira Lima (hoje em prisão domiciliar por desvios de verbas públicas) totaliza R$ 51 milhões.

Ou seja, o desvio de R$ 51 milhões divididos pelos R$ 200 bilhões resulta em 0,03%.

Desta forma, somente o dinheiro vivo encontrado pela Polícia Federal, (sem contar eventualmente  outros desvios amealhados em apartamentos, terrenos, sítios etc) no mínimo é de 0,03%.

Certamente  os 513 atuais componentes no Congresso Nacional,  muitos deles, talvez a grande maioria, sejam honestos.

Mas se considerarmos o  site UOL Congresso em Foco de 2015 ( ou seja totalmente desatualizado considerando a Lava Jato)  , temos  as seguintes palavras “Isso significa que cerca de 26% dos deputados são suspeitos de participação em crimes. No Senado, o índice já se aproxima de 40%”.

Façamos então, um exercício histórico, somente para reflexão sem afirmar que outros políticos sejam desonestos.

Se consideramos que o rombo na Previdência é cumulativo, e não surgiu de um ano para o outro, vamos hipoteticamente imaginar que  todos os Congressistas  da gestão do Presidente Floriano Peixoto (1891-1894)  , ou de Rodrigues Alves ( 1902-1906), tivessem sido larápios como Geddel Vieira Lima.

Em uma única legislatura (com  513 congressistas como no século XXI) teríamos R$ 51 milhões de  rombo padrão Geddel, multiplicado pelos 513 , atingiríamos R$ 2,7 bilhões de desvios, ou seja 13% do rombo da Previdência.

Sendo assim, se todos os congressistas que legislaram na presidência de Rodrigues Alves, fossem “geddéis”  e  a legislatura daquela época abrigasse 513 senadores e deputados, que se envolvessem com Estatais, como Banco do Brasil (criado em 1808) , teríamos portanto um rombo dessa magnitude, que representa 13%  do desastre da Previdência atual, numa única legislatura.

Claro que nem todos congressistas da época de Floriano Peixoto ou Rodrigues eram geddéis, muito menos 100% deles.

Mas se considerarmos que a República perfaz 128 anos de existência, e milhares de senadores e deputados exerceram seus mandatos neste quase 1 século e ½ e sabe lá Deus,quantos  no estilo  Geddel , que se valeu da sua força política para assaltar o Estado, fica aqui uma pergunta ao caro leitor.

Quantos % desta  trajetória do Congresso, desde o século passado, agiram como Geddel Vieira Lima?

E mais … na outra ponta, quantos funcionários da Petrobrás, do primeiro escalão agiram como Nestor Cerveró e Paulo Roberto Costa?

E por fim …  o que é mais fácil ?

Identificarmos quantos geddéis, cerverós,  existem e existiram para  nos livramos deles?

Ou privatizarmos as Estatais, para nos livrarmos dos assaltos praticados por eles ?

Texto: Roberto Mangraviti
contato@sustentahabilidade.com

Outros Textos do Autor

http://sustentahabilidade.com/prostitutas-de-bh-dando-aula-de-economia-e-sobre-tarifas-de-energia/

http://sustentahabilidade.com/minha-implicancia-com-nomes-apelidos-e-alcunhas-profissionais/

 

(*) Geddel Vieira Lima, 59 anos, deputado pelo PMDB da Bahia foi  um dos notórios  envolvidos no escândalo dos Anões do Orçamento (1993). Mesmo assim, ainda foi Ministro da Integração Nacional do Governo Lula (2007) além de ter atuado  como vice-presidente de Pessoa Jurídica na Caixa entre 2011 e 2013, cargo do qual chegou a pedir exoneração pelo Twitter à presidente Dilma.

Ainda em maio de 2016, o então presidente interino Michel Temer convidou Geddel para o posto de Ministro-chefe da Secretaria de Governo, cargo que acabou entregando também por denúncias de corrupção.

Foto G1.

 

 

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Economista e Facility Manager em Sustentabilidade. Editor, diretor e apresentador do Programa Sustentahabilidade.com pela WEBTV. Consultor da ADASP- Associação dos Distribuidores e Atacadistas do Estado de São Paulo e colunista do site do Instituto de Engenharia de São Paulo.

Mais em Artigos

Risco Ambiental na Gestão de Resíduos Sólidos

Risco Ambiental na Gestão de Resíduos Sólidos

Roberto Roche12 de dezembro de 2017
São Paulo

Cidade de São Paulo – TODOS são “fumantes”.

Roberto Mangraviti9 de dezembro de 2017
Leite e Qualidade

Leite: qualidade, processamento e as nomenclaturas comerciais.

Convidado8 de dezembro de 2017
Pré-História

Homem … 45 mil anos de impacto ambiental

Ricardo Rose7 de dezembro de 2017
Gestão Ambiental

Gestão Ambiental portuária, Ônus ou Oportunidade?

Roberto Roche5 de dezembro de 2017
equipes

Equipes de Crise Corporativa

Roberto Mangraviti2 de dezembro de 2017
Energia Aeólica

A Cidade de Saerbeck planejou e realizou o futuro.

Roberto Mangraviti1 de dezembro de 2017
Demitir Clientes

Momento(s) de “demitir” um cliente !

Roberto Mangraviti30 de novembro de 2017

A revolução das impressoras 3D: Impressão de pontes de aço

Cristian Reis Westphal29 de novembro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »