Artigos

” Redenção – a mais duradoura novela da História da TV

” Redenção – a mais duradoura novela da História da TV

Em 2015 . o autor de novelas e radialista Raimundo Lopes., celebraria cem anos de nascimento. Sua Telenovela Redenção marcou a história da Televisão Brasileira !

A data era 16 de maio de 1966, no horário das 19 horas e o primeiro capítulo desta inesquecível obra dramatúrgica ia ao ar pela TV Excelsior, já com grande repercussão na imprensa e com alto índice de audiência, mesmo concorrendo com outras destacadas novelas , no mesmo horário,como O Amor tem Cara de Mulher de Cassiano Gabus Mendes, na Tupi .

O enredo de Redenção parecia muito simples, seguindo as diretrizes do folhetim clássico: um médico, Doutor Fernando, interpretado por Francisco Cuoco, chega a cidade, que dâ nome a novela, e tempos depois se casa com a mocinha Ângela (Miriam Mehler). A vilã Marisa, interpretada por Lourdes Rocha, filha do Prefeito de Redenção Juvenal (Rodolfo Mayer) destilava maldades contra o protagonista e a jovem Lola (Márcia Real) que também nutria uma grande paixão por Fernando.

Além destes entrechos românticos, Redenção se destacava pela força de seu nobre elenco que reunia consagrados profissionais vindos de muitos segmentos e veículos. Do Teatro Nacional,. além do laureado Rodolfo Mayer, a novela contava com o “Mágico da Expressão” Procópio Ferreira, além da Histórica Interprete do Teatro de Arena Lelia Abramo. Do radio paulista, também foram escalados grandes nomes como Fernando Balleroni, Turíbio Ruiz, Newton Prado e o “Trabuco” Vicente Leporace. E todos esses renomados valores artísticos se juntaram a jovens nomes recentemente surgidos no panorama televisivo, como Armando Bogus, Silvio Francisco, Geórgia Gomide, Edson França, Lurdinha Felix, Rita Cleos dentre muitos outros. Tudo isso regido por uma histórica direção geral do Mestre Waldemar de Moraes,que a exemplo do novelista Raimundo Lopes também tinha brilhado nas radionovelas da Radio São Paulo , seguindo o legado de Oduvaldo Vianna. E como forma de afianç
ar o alto nível da equipe de produção de Redenção, não há como não citar a cenografia de Luiz Edu Marinho, a sonoplastia de Laurino Salvador, a iluminação de Amadeu de Oliveira, a maquiagem de Jorge Pisani , a assistência de direção de Reynaldo Boury , compondo um time de ouro fundamental para o sucesso desta produção do Canal 9.

E no final de 1966, as premiações conferidas a Redenção , ao seu elenco, a sua equipe de redação e técnica. A novela e o protagonista Cuoco recebem o Trofeu Imprensa e o Premio Roquette Pinto .

E em seguida, Redenção emplacava o seu segundo ano, ganhando novos personagens. Os núcleos da trama ganhavam força e uma personagem, em especial se destacava : Dona Marocas, uma vizinha fofoqueira da cidade brilhantemente interpretada por Maria Aparecida Baxter, a ponto de ser salva da morte por um transplante de coração, feito com sucesso pelo protagonista Dr Fernando. E naquele ano, um fato inédito, Cuoco recebe o segundo Troféu Imprensa por sua atuação em Redenção, fato único na história da Telenovela Brasileira, um mesmo personagem receber o premio dois anos consecutivos.

E após 596 capítulos e quase dois anos sem ininterruptos de exibição Redenção apresenta ao telespectador em 02 de maio de 1968 seu ultimo capítulo,encerrando assim um exemplo de êxito de público e de critica que , como frisou o Professor Ismael Fernandes, em seu Livro Memória da Telenovela Brasileira :”Redenção foi um grande marco na história da telenovela brasileira.”

E em 2011, na Cidade Cenográfica da novela, em São Bernardo do Campo, nasce a Cidade da TV, uma histórica realização da Associação dos Pioneiros , Profissionais e Incentivadores da Televisão Brasileira (Pró-TV) , que reconstruiu a célebre “Vila Redenção”. ”

Imagem: Extraído do segundo capítulo da série TV – https://youtu.be/M3bsSGJfaFQ

Texto: Fábio Rejaili Siqueira
contato@sustentahabilidade.com

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos

Bacharel em Direito, Bacharel em Ciências Sociais e e pesquisador da história da televisão brasileira. É um dos fundadores do Jornal São Paulo em História.

Mais em Artigos

Lideres

O anacronismo das lideranças

Roberto Mangraviti20 de abril de 2018
Robson Miguel

Robson Miguel em Brasília – Semana do Índio.

Bel Gimenez17 de abril de 2018
Água

Água … uma riqueza desvalorizada no Brasil

Roberto Mangraviti16 de abril de 2018
Japão trabalha para abrigar humanos na Luaem 2030

Brasil … qual o perfil da sua gente ?

Roberto Mangraviti14 de abril de 2018
The Body Shop - Testes em animais

Assinaturas para fim de testes em animais

Roberto Mangraviti13 de abril de 2018
Localoza

Negócio “limpo” – caminho da Localiza no Brasil com solar.

Roberto Mangraviti12 de abril de 2018

Bactérias e a formação do oxigênio na Terra Primitiva

Cristian Reis Westphal11 de abril de 2018
Eficiência Energética

Novas maneiras de incentivar a eficiência energética

Ricardo Rose7 de abril de 2018
Roberto

ABC Repórter destaca o nosso Portal

Bel Gimenez6 de abril de 2018

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »