Artigos

Renúncia de Presidente. Um exemplo … na Alemanha!

Renúncia de Presidente. Um exemplo … na Alemanha!

O ex-presidente mundial da Volkswagen, Martin Winterkorn , através de um vídeo institucional, pediu desculpas a todo mundo, em razão da empresa ter vendido 11 milhões de carros a diesel com software que adultera dados sobre emissões de poluentes.  No speech do CEO, suas palavras textuais foram que o escândalo “contradiz tudo o que a montadora defende”.

Contudo esta postura corajosa e correta de vir a público,  não foram suficientes para uma nação séria (Alemanha) e uma  empresa íntegra (Volkswagen).  Mr. Martin viu-se obrigado a renunciar, um dia após seu pedido de desculpas.

Interessante destacar que ao fazer o mea culpa (pedindo desculpas) no dia 22, as ações da empresa caíram incríveis 20%. E no dia seguinte ao anunciar sua demissão, as ações já demonstravam uma alta 5,77%. O agora ex-presidente justificou sua saída dizendo “a companhia precisa de um recomeço”.

Uma empresa séria, como é a Volkswagen, pode errar e é razoável que ocorram erros  aqui ou acolá  em qualquer empresa ou negócio em todo mundo. O que não é razoável, é um líder de uma empresa, associação ou governo, transfigurar a verdade parecendo que erros ocorridos não ocorreram. Quando há um erro, a única saída é proceder como a Volkswagen: ERRAMOS. Justificativas estapafúrdias diante do erro, denota que o equívoco de nada serviu e que os infratores provavelmente continuam praticando o delito ou ainda  se valendo dele.

Nesta exemplar declaração, o ex-líder da empresa alemã “pediu mil desculpas aos seus clientes” naturalmente muito constrangido, e uma onda em toda Europa sobre a verdade dos índices de poluições praticados pela indústria alemã, chacoalhou a bolsa levando até a  premier Angela Merkel  também conceder  uma declaração pública.

Esta é a forma correta de solucionar equívocos, em qualquer ambiente de negócios sadios: cortando o mal pela  raiz. Elimina-se   o “ diz que disse”, e a vida recomeça recolhendo os cacos do aprendizado. Por mais obvio que isto possa parecer, temos que aprender (aqui no Brasil) a aplaudir a atitude dos envolvidos neste equívoco, até porque a troca do gestor (responsabilizando como o maior culpado) ratifica e dignifica os valores da empresa  e da  nação aonde a matriz está instalada. Pois entende-se que uma postura equivocada de uma indústria  mancha mais que uma empresa: mancha uma nação.

No Brasil TODOS os dias há uma nova denúncia na Operação Lava Jato. Inquéritos e mais inquéritos … prisões … indiciamentos … enfim somos obrigados a estudar Direito pelo Google, para podermos assistir ( e entender) um simples telejornal, em razão de tantos jargões e explicações jurídicas sobre as  gravíssimas acusações que  relatam desvios de milhões de dólares. Os locutores desses telejornais com expressão de profundo enfadonho declaram com ares de falso desmentido … “procuramos fulano que desmente veementemente tal acusação e se defenderá  em juízo etc etc “.  Enfim NUNCA vimos um único indiciado, mesmo quando  transformado em réu e posteriormente responsabilizado criminalmente pelo delito cometido(estando na cadeia) , dar um pequenino depoimento de desculpas. NUNCA.  Mesmo com imensas provas materiais (escutas telefônicas, arquivos de computadores) o réu cumpre na cadeia seu papel de “personagem injustiçado”.

Documentos oficiais disponibilizados largamente na imprensa comprovam que a Refinaria Abreu e Lima tinha um Budget aprovado de US$ 2 bilhões, pelo Conselho de Gestão. A obra que deveria ter sido encerrada em 2010, teve suas atividades de refino (parcialmente) iniciado em dezembro de 2014. E o custo final da obra, atingiu estratosféricos  US$ 19 bilhões de dólares. Sim, quase 10 vezes além do orçamento. A auditoria da própria Petrobras ( portanto oficial) indica que se a Refinaria Abreu Lima se operar a todo vapor durante toda sua vida útil, não cobrirá os investimentos ali alocados. Algum pedido de desculpas? A Volkswagen em 24 horas, demitiu um competente profissional que adulterou um software sobre emissão de CO2, portanto não houve desvio, estouro de orçamento  e certamente a empresa lucrou muito com isso. Mas houve falsidade com a coisa pública ( sim, pública pois o automóvel é utilizado pelo cidadão). Isto é Cultura de nação grande.

Portanto, nada mais justo que aplaudamos a postura da Direção da Volkswagen, e que sirva-nos de exemplo de como pessoas sérias… empresas sérias … governos sérios, devem se comunicar com seu público nestes momentos de equívocos comprovados. Empresa pública pertence ao povo. Empresa privada também pertence CULTURALMENTE  ao povo da terra aonde nasceu e cresceu. Uma logamarca de um automóvel estampa a história de gerações de trabalhadores e consumidores.

Parabéns a Volkswagen e ao povo alemão. Pois como diz o dito popular errar é humano, mas persistir no erro ….  é  calhordice.

 

Autor: Roberto Mangraviti

Artigos

Economista e Facility Manager em Sustentabilidade. Editor, diretor e apresentador do Programa Sustentahabilidade.com pela WEBTV. Consultor da ADASP- Associação dos Distribuidores e Atacadistas do Estado de São Paulo e colunista do site do Instituto de Engenharia de São Paulo.

Mais em Artigos

Matriz Energética

Produção de Eólica, segue crescendo no Brasil.

Roberto Mangraviti23 de outubro de 2017
Madre Tereza

“Gente do Contra “

Roberto Mangraviti22 de outubro de 2017
Varejo

Varejo crescerá 1,4% em 2017.

Roberto Mangraviti21 de outubro de 2017
Boni

Boni-65 anos de brilhante trajetória televisiva

Fabio Rejaili Siqueira20 de outubro de 2017
Riso

A origem do riso

Convidado18 de outubro de 2017
acidente ambiental

Complacência MATA!

Roberto Roche17 de outubro de 2017

Desperdício “Zero” … cultura Mottainai do Japão.

Tiemi Yamashita13 de outubro de 2017

O quão grande pode se tornar um tsunami?

Cristian Reis Westphal12 de outubro de 2017
Meio Ambiente

A Importância da Conformidade Ambiental da Indústria

Roberto Roche10 de outubro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »