Artigos

Responsabilidade Penal por Dano Ambiental

Responsabilidade Penal por Dano Ambiental

A Constituição Federal estabelece em seu artigo 5º, inciso XXXIX, que não há crime sem lei anterior que o defina. Logo, só haverá crime em face de lei anteriormente fixada, definindo o princípio fundamental do Estado Democrático de Direito. Sendo assim, é a lei que estabelece no direito positivo o que é crime.

Em razão disso, determinadas condutas, levando-se em conta a sua repercussão social e a necessidade de uma intervenção mais severa do Estado, foram erigidas à categoria de tipos penais, sancionando o agente com multas, restrições de direito ou privação de liberdade, a fim de se restabelecer a ordem jurídica do país.

Assim, verificando-se a importância do meio ambiente, porquanto este é um direito fundamental e bem de uso comum do povo, foi instituída a Lei nº 9.605/98, a qual disciplinou os crimes ambientais, fundada no preceito trazido pelo art. 5º, XLI, da Constituição Federal, que determina a punição de qualquer ato atentatório aos direitos e liberdade fundamentais.

Nessa toada, com o advento da lei em comento, restou estabelecido em seu art. 2° que quem, de qualquer forma, concorre para a prática dos crimes nela previstos, incide nas penas cominadas, na medida de sua culpabilidade. Portanto, de forma clara e objetiva, a responsabilidade penal deve recair tanto para a pessoa física quanto para a jurídica, quando da prática de crimes contra o meio ambiente.

Cumpre salientar que o crime constitui objeto de estudo da teoria do delito, a qual busca identificar os elementos que integram a infração penal. Conceitualmente, vigora o chamado conceito analítico de crime, cujos elementos caracterizadores são o fato típico (previsto em lei), ilicitude (antijuridicidade) e culpabilidade (culpa ou dolo).

Dessa maneira, o conceito acima se aplica ao Direito Ambiental, quando da ocorrência de crime legalmente previsto, sendo que, diferentemente da responsabilidade civil objetiva, a responsabilidade penal ambiental é subjetiva, carecendo da comprovação da conduta culposa ou dolosa do agente infrator, dada a maior gravidade da penalização, bem como do princípio da intervenção penal mínima do Estado, a fim de coibir o cometimento de novas práticas delituosas.

Não obstante isso, pelo princípio da individualização da pena só pode ser dirigida à pessoa do autor da infração na medida de sua culpabilidade. Portanto, é consequência direta do postulado da personalidade. Assim, a ação penal deverá ser ajuizada em face de todos aqueles que concorreram para a prática dos delitos ambientais, sendo que cada um responderá na medida de sua culpabilidade.

No que tange à responsabilidade da pessoa jurídica por crime ambiental, esta decorre da circunstância do ato de seu representante legal/contratual ou do órgão colegiado que, de alguma forma, resultou-lhe benefício econômico ou colaborou com a prática de conduta criminosa de outrem, deixando de impedi-la quando podia agir para evitá-la.

Contudo, nem todo ato do representante da pessoa jurídica, seja ele seu diretor, administrador, membro do conselho e de órgão técnico, auditor, gerente, preposto ou mandatário, que constitua crime é, por vinculação, estendido à pessoa jurídica. Apenas aquele que, comprovadamente, resultou em seu interesse ou lhe trouxe benefício é que será criminalizado.

Posto isso, pode-se afirmar que a responsabilidade no âmbito penal é o recurso extremo de que se vale o Estado para coibir as ações consideradas ilícitas, haja vista que a tutela jurídica do meio ambiente é indiscutivelmente necessária e absolutamente imprescindível para a própria humanidade.

Milena Rupiani Bonetto

Advogada, pós-graduada em Perícia, Auditoria e Gestão Ambiental, Membro das Comissões de Direito Ambiental e de Defesa dos Direitos dos Animais da OAB de Santo Amaro.

E-mail: direito@sustentahabilidade.com

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Advogada, Pós-graduada em Negócios, Comércio e Operações Internacionais pela FIA/USP e em Perícia, Auditoria e Gestão Ambiental. Master in International Management pelo Institut d’Administration des Entreprises (IAE). Membro das Comissões de Direito Ambiental e de Defesa dos Direitos dos Animais da OAB-SP

Mais em Artigos

São Paulo

Cidade de São Paulo – TODOS são “fumantes”.

Roberto Mangraviti9 de dezembro de 2017
Leite e Qualidade

Leite: qualidade, processamento e as nomenclaturas comerciais.

Convidado8 de dezembro de 2017
Pré-História

Homem … 45 mil anos de impacto ambiental

Ricardo Rose7 de dezembro de 2017
Gestão Ambiental

Gestão Ambiental portuária, Ônus ou Oportunidade?

Roberto Roche5 de dezembro de 2017
equipes

Equipes de Crise Corporativa

Roberto Mangraviti2 de dezembro de 2017
Energia Aeólica

A Cidade de Saerbeck planejou e realizou o futuro.

Roberto Mangraviti1 de dezembro de 2017
Demitir Clientes

Momento(s) de “demitir” um cliente !

Roberto Mangraviti30 de novembro de 2017

A revolução das impressoras 3D: Impressão de pontes de aço

Cristian Reis Westphal29 de novembro de 2017
Gestão Hospitalar

A moderna gestão hospitalar e a questão ambiental.

Roberto Roche27 de novembro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »