Artigos

Riqueza desperdiçada

Riqueza desperdiçada

Atualmente, o brasileiro produz, em média, um pouco mais de um quilo de lixo por dia. Um quilo de resíduos indesejados, que simplesmente “jogamos fora”, mas que somados, chegam a incrível cifra de 180 mil toneladas de resíduos descartados todos os dias.

Toda aquela riqueza descartada, encarada como restos. No entanto, qual seria a sensação de ver notas de R$100,00 sendo misturadas ao lixo doméstico, ensacadas, transportadas para os aterros e perdidas no meio do lixo? Desperdício.  Esse sentimento só é possível porque nos damos conta do valor de uma nota de R$ 100,00. Imagine então chegar ao aterro sanitário e perceber que metade é composta de notas de R$100,00, mas que por estarem misturadas aos outros lixos, não podem ser recuperada e nem aproveitadas por seu valor..

Isso é o que acontece quando as pessoas não percebem o valor das coisas que nos cercam, acostumados a reconhecer e valorizar somente o dinheiro e os recursos que entende que tem valor.

O lixo doméstico é uma riqueza desperdiçada porque o que se produz são resíduos e o material orgânico é composto de água. Observando a natureza entendemos que as  sobras se transformam em composto orgânico que viram  adubo natural para as plantas.

Talvez o maior desperdício das organizações seja pensar que produzimos lixo. Na realidade se ampliarmos a visão sobre nossos resíduos, perceberemos que temos muitas riquezas que devem ser valorizadas e aproveitadas ao máximo.

Observe as feiras, supermercados, serviços de podas de árvores, conservação e jardins. Toneladas de riquezas produzidas diariamente sendo descartadas.  Prefeituras que não sabem o que fazer com o lixo urbano. Que desperdício!

Como tudo é uma questão de visão, há 23 anos o empreendedor Ulisses Girardi  decidiu transformar essa realidade e vem desenvolvendo tecnologias para transformar o lixo orgânico urbano em fertilizante orgânico em escala.  Uma articulação com universidades, prefeituras e forte mobilização em educação ambiental, permitiram que um audacioso projeto fosse implantado em Mogi Mirim, São Paulo. Hoje, a empresa fatura R$ 7 milhões/ano, reduzindo a produção de lixo e aumentando a produção agrícola, diminuindo o uso de agrotóxicos.

Este é um dos exemplos de boas práticas, mas é preciso atenção porque o  lixo mundial deve ter um aumento de 1,3 bilhão de toneladas para 2,2 bilhões de toneladas até o ano de 2025, segundo as estimativas do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma). Para os especialistas da entidade, a gestão dos resíduos e o descarte correto de materiais se torna cada dia mais imprescindível para que o mundo caminhe para um desenvolvimento sustentável.

Por isso, diante de um cenário de escassez de recursos, que tal identificarmos todos os resíduos que produzimos?  Podemos gerar riquezas ou desperdiça-las. A partir de agora é uma questão de sobrevivência.

 

Autora: Tiemi Yamashita

e-mail:contato@sustentahabilidade.com

 

 

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Palestrante e desenvolvedora do Mottainai, conceito da cultura japonêsa sobre redução do desperdício. Estrategista social atuando em Projetos da ONU, MTE e BID.

Mais em Artigos

Fragilidade Humana

A fragilidade humana …”matéria prima” dos ditadores.

Roberto Mangraviti17 de janeiro de 2018
Investimento

Investimento X Resultado em Qualidade e Sustentabilidade

Roberto Roche16 de janeiro de 2018
crise economia

Consequências da crise econômica: quem vai registrá-las?

Ricardo Rose15 de janeiro de 2018
Lições de Mark Zuckerberg

Lições de Mark Zuckerberg para universitários brasileiros

Roberto Mangraviti14 de janeiro de 2018

Como aparar as asas de aves mantidas como pet

Adriana Tereza Petrocelli13 de janeiro de 2018

Conheça nossa nova Colunista: Adriana Tereza Petrocelli

Bel Gimenez13 de janeiro de 2018
O preço do cobre, os veículos elétricos e a energia renovável

O preço do cobre, os veículos elétricos e a energia renovável.

Roberto Mangraviti12 de janeiro de 2018

Desmatamento na Amazônia, é um estrago irrecuperável?

Roberto Mangraviti10 de janeiro de 2018
Locais acidentados

Visitas de autoridades aos presídios e locais acidentados.

Roberto Mangraviti9 de janeiro de 2018

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »