Artigos

Saiba se seu empreendimento necessita de licenciamento ambiental

Saiba se seu empreendimento necessita de licenciamento ambiental

A Lei n° 6.938/81, que dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, prevê instrumentos de controle ambiental, cujo objetivo é a conciliação entre o desenvolvimento das atividades humanas e o respeito ao meio ambiente, de modo a assegurar a sustentabilidade em suas variabilidades físicas, bióticas, socioculturais e econômicas. Dentre esses mecanismos legais de proteção e conservação do meio ambiente destaca-se o licenciamento ambiental.

Segundo a Resolução CONAMA 237/97, o licenciamento ambiental é definido como o procedimento administrativo pelo qual o órgão ambiental competente (federal, estadual ou municipal) licencia a localização, instalação, ampliação e a operação de empreendimentos e atividades utilizadoras de recursos naturais, consideradas efetivas ou potencialmente poluidoras ou daquelas que, sob qualquer forma, possam causar degradação ambiental.

O anexo 1 da Resolução supracitada estabelece as atividades ou empreendimentos sujeitos à autorização prévia a sua instalação, a ser emitida em um único nível de competência (União, Estados ou Municípios), prevista na Lei Complementar 140, de 8 de dezembro de 2011. Assim, uma vez obtida a licença ambiental, ao empreendedor é garantido o exercício de seu direito à livre iniciativa, desde que atendidas as exigências técnicas, prazos de validade e renovação, bem como as especificidades que envolvem o seu negócio, sob pena de cancelamento dessa licença ou suspensão de seus efeitos de forma temporária ou definitiva.

Tais requisitos, no entanto, estão previstos em diferentes etapas que compõem o licenciamento ambiental, a saber: Licença Prévia (LP), Licença de Instalação (LI) e Licença de Operação (LO). Cada uma refere-se a uma fase distinta do empreendimento e segue uma sequência lógica de encadeamento. Dependendo da atividade e do impacto ambiental produzido, essas 3 etapas poderão ser realizadas separadas ou conjuntamente, sendo instruídas com seus respectivos estudos ambientais.

Não obstante isso, a depender da natureza do empreendimento e dos recursos ambientais envolvidos, além da outorga ambiental, concedida pelo órgão competente, deverá o empreendedor obter ulteriores autorizações específicas, perante outros órgãos da administração pública, tais como, Prefeituras, para loteamentos urbanos e construção civil em geral; DNPM, para atividade de lavra e/ou beneficiamento mineral; INCRA, para atividades rurais; DNER e DER, para construção de rodovias e IBAMA.

Portanto, a licença ambiental é obrigatória para determinados tipos de empreendimentos ou atividades, haja vista que o seu não atendimento implicará conduta criminosa, prevista no art. 60, da Lei nº 9.605/1998, que dispõe sobre crimes ambientais, além do infrator incorrer em sanções administrativas e no dever de indenizar ou reparar os danos causados ao meio ambiente e, eventualmente, a terceiros.

Nesse sentido, o licenciamento ambiental é um importante instrumento legal, visto que estabelece condições necessárias ao controle sobre as atividades humanas que interferem nas questões ambientais, resguardando, assim, o direito coletivo ao meio ambiente ecologicamente equilibrado para as presentes e futuras gerações.

 

 

Milena Rupiani Bonetto

Advogada, Pós-graduanda em Perícia, Auditoria e Gestão Ambiental

Membro da Comissão da OAB de Santo Amaro de Direito Ambiental e de Defesa dos Direitos dos Animais

E-mail: direito@sustentahabilidade.com

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Advogada, Pós-graduada em Negócios, Comércio e Operações Internacionais pela FIA/USP e em Perícia, Auditoria e Gestão Ambiental. Master in International Management pelo Institut d’Administration des Entreprises (IAE). Membro das Comissões de Direito Ambiental e de Defesa dos Direitos dos Animais da OAB-SP

Mais em Artigos

Varejo

Varejo crescerá 1,4% em 2017.

Roberto Mangraviti21 de outubro de 2017
Boni

Boni-65 anos de brilhante trajetória televisiva

Fabio Rejaili Siqueira20 de outubro de 2017
Riso

A origem do riso

Convidado18 de outubro de 2017
acidente ambiental

Complacência MATA!

Roberto Roche17 de outubro de 2017

Desperdício “Zero” … cultura Mottainai do Japão.

Tiemi Yamashita13 de outubro de 2017

O quão grande pode se tornar um tsunami?

Cristian Reis Westphal12 de outubro de 2017
Meio Ambiente

A Importância da Conformidade Ambiental da Indústria

Roberto Roche10 de outubro de 2017
Cerrado

Cerrado e agricultura

Ricardo Rose6 de outubro de 2017
QSMS-RS sustentabilidade

O que a indústria espera do seu Gestor de Sustentabilidade

Roberto Roche5 de outubro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »