Artigos

Setor Hoteleiro e a Copa do Mundo

Setor Hoteleiro e a Copa do Mundo

Os anos que antecederam a Copa do Mundo e as Olimpíadas, animaram investidores a direcionar recursos ao ramo hoteleiro.

Em cinco anos 525 novos empreendimentos foram inaugurados no Brasil.

Somente em Belo Horizonte, a oferta de leitos subiu 50% e convenhamos que, independente da crise econômica, manter 40% dos quartos ocupados ( índice mínimo para cobrir o custo fixo), seria otimismo exagerado.

Segundo a Exame, “ em seis meses, foram lançados 67 empreendimentos, mas apenas 30 foram entregues. Entre novos e antigos, 22 pararam de operar.”

Um deles deve ser transformado em lar para idosos. Segundo o Instituto Nacional de Recuperação Judicial, oito empreendimentos do setor faliram no ano passado, e nove fecharam as portas e estão esperando a economia começar a melhorar para reabri-las.

Considerando a maior recessão da história do Brasil, estima-se que a demanda por quartos tenha caído 15% em todo país.

E estima-se que a taxa média de ocupação esteja em torno de 30%, portanto abaixo do mínimo necessário para cobrir o custo fixo, mesmo que o setor tenha reduzido preços (10%) e utilizado promoções.

Mesmo em São Paulo, onde a taxa de ocupação da rede hoteleira está ligada ao turismo de eventos, a situação é preocupante, pois em março o setor apresentou 30,6% de redução com relação ao mês de março 2016 (vide quadro abaixo).

Especialistas estimam que o equilíbrio do setor deverá ocorrer somente em 10 anos.

Texto: Roberto Mangraviti
contato@sustentahabilidade.com

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Economista e Facility Manager em Sustentabilidade. Editor, diretor e apresentador do Programa Sustentahabilidade.com pela WEBTV. Consultor da ADASP- Associação dos Distribuidores e Atacadistas do Estado de São Paulo e colunista do site do Instituto de Engenharia de São Paulo.

Mais em Artigos

Risco Ambiental na Gestão de Resíduos Sólidos

Risco Ambiental na Gestão de Resíduos Sólidos

Roberto Roche12 de dezembro de 2017
São Paulo

Cidade de São Paulo – TODOS são “fumantes”.

Roberto Mangraviti9 de dezembro de 2017
Leite e Qualidade

Leite: qualidade, processamento e as nomenclaturas comerciais.

Convidado8 de dezembro de 2017
Pré-História

Homem … 45 mil anos de impacto ambiental

Ricardo Rose7 de dezembro de 2017
Gestão Ambiental

Gestão Ambiental portuária, Ônus ou Oportunidade?

Roberto Roche5 de dezembro de 2017
equipes

Equipes de Crise Corporativa

Roberto Mangraviti2 de dezembro de 2017
Energia Aeólica

A Cidade de Saerbeck planejou e realizou o futuro.

Roberto Mangraviti1 de dezembro de 2017
Demitir Clientes

Momento(s) de “demitir” um cliente !

Roberto Mangraviti30 de novembro de 2017

A revolução das impressoras 3D: Impressão de pontes de aço

Cristian Reis Westphal29 de novembro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »