Artigos

Sim ao Aleitamento Materno: Somos Mamíferos!

Sim ao Aleitamento Materno: Somos Mamíferos!

Quem são os mamíferos? Por que têm esse nome? O que temos em comum?

Mamíferos são animais que possuem o corpo total ou parcialmente coberto por pelos; dentes diferenciados em incisivos, caninos, pré-molares e molares; diafragma e, como o nome indica, GLÂNDULAS MAMÁRIAS que produzem leite para a amamentação dos filhotes, evidenciando a importância da lactação para este grupo de animais. Os mamíferos estão presentes em todos os ambientes e apresentam grande variação de tamanho e massa corpórea, como uma espécie de morcego de apenas 1,5 g até a baleia-azul com 30 m de comprimento e 130 toneladas.

É claro que dentre toda esta diversidade as formas de amamentação, a composição do leite, o número de tetas da fêmea e o tempo de aleitamento variam entre os mamíferos, porém, o leite produzido pela mãe sempre possui todos os nutrientes que o filhote necessita para seu crescimento inicial e sobrevivência. Todo leite é composto por água, minerais, carboidratos, lipídios, vitaminas e proteínas, com diferentes valores energéticos (quantidade de calorias) entre as espécies. Por exemplo, o leite da mamãe golfinho é cerca de 5 vezes mais calórico do que o leite da vaca. O período de amamentação de filhotes de cães e gatos, por exemplo, é de 40 dias e de baleias-orca é de 12 meses.

O leite materno além de nutrir os filhotes também contém anticorpos que os fornecem uma imunidade primária contra microrganismos causadores de doenças, funcionando como uma primeira “vacina”.

mamifero2

Como também somos mamíferos o leite materno também é o melhor alimento para nossos bebês, os filhotes humanos. Para nós humanos, a Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda a amamentação exclusiva, ou seja, sem a complementação de outros alimentos e líquidos, nem sequer água, até os 6 primeiros meses de vida do bebê, pois o leite materno contém todos os nutrientes necessários até esta idade. Nenhuma fórmula artificial de leite (leite em pó para bebês) substitui por completo as necessidades do bebê. Após 6 meses, a amamentação deve ser praticada em conjunto com a oferta de alimentos complementares mantendo-se a amamentação pelo menos até os 2 anos de idade.

A introdução precoce destes alimentos interfere na absorção de nutrientes, aumenta o risco de alergias, aumenta o risco de infecções gastrointestinais como diarreias, aumenta o risco de obesidade infanto-juvenil e diminui a duração do aleitamento. Além disso, antes dos 6 meses de vida há uma imaturidade na deglutição dos alimentos não–líquidos e mastigação de alimentos mais espessos pela anatomia bucal. No entanto, a introdução tardia destes alimentos pode levar à desaceleração do crescimento, deficiência de nutrientes e desnutrição.

O aleitamento materno também traz benefícios para a mãe como contato e o vínculo físico-emocional com o bebê e liberação de hormônios que promovem involução uterina mais rápida e diminuição do sangramento uterino, reduzindo os riscos de hemorragia, anemia e câncer de mama e ovário.
Superando todos os mitos da amamentação (seios flácidos, leite fraco, aumento de peso da mãe, etc), digamos SIM ao aleitamento materno, afinal, somos mamíferos e a amamentação é da nossa natureza.

Referências:

José Mariano Amabis & Gilberto Rodrigues Martho. Biologia: Biologia dos Organismos, volume 2, Ed. Moderna, 3ª edição, São Paulo, 2010.
Karine Frehner Kavalco. Afinal, somos mamíferos. Folha Biológica (Jornal de Divulgação Científica na Área Biológica), 4:(2) 4, 2015.
Laís S.C. Nunes, Caroline O. Silva & Silvia M. Anaruma. Aprendendo sobre a alimentação de bebês numa escola de educação infantil. Resumo de Trabalho apresentado no XII Encontro Nacional do Aleitamento Materno (ENAM), 2012.
Ministério da Saúde. Guia alimentar para crianças menores de 2 anos. Série A, Normas e Manuais Técnicos, n.107. Brasília, 2002, 154 p.

Imagens:
http://indikabem.com.br/, http://naturlink.pt/, http://flintshirefeeders.blogspot.com.br/, http://chc.org.br/, http://www.ninha.bio.br/

Autora: Laís Nunes
contato@sustentahabilidade.com

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Bióloga e pedagoga com mestrado em Biologia Vegetal (UNESP Rio Claro). Tem interesse nas áreas de ecologia, ecossistemas aquáticos, educação ambiental e sustentabilidade.

Mais em Artigos

Risco Ambiental na Gestão de Resíduos Sólidos

Risco Ambiental na Gestão de Resíduos Sólidos

Roberto Roche12 de dezembro de 2017
São Paulo

Cidade de São Paulo – TODOS são “fumantes”.

Roberto Mangraviti9 de dezembro de 2017
Leite e Qualidade

Leite: qualidade, processamento e as nomenclaturas comerciais.

Convidado8 de dezembro de 2017
Pré-História

Homem … 45 mil anos de impacto ambiental

Ricardo Rose7 de dezembro de 2017
Gestão Ambiental

Gestão Ambiental portuária, Ônus ou Oportunidade?

Roberto Roche5 de dezembro de 2017
equipes

Equipes de Crise Corporativa

Roberto Mangraviti2 de dezembro de 2017
Energia Aeólica

A Cidade de Saerbeck planejou e realizou o futuro.

Roberto Mangraviti1 de dezembro de 2017
Demitir Clientes

Momento(s) de “demitir” um cliente !

Roberto Mangraviti30 de novembro de 2017

A revolução das impressoras 3D: Impressão de pontes de aço

Cristian Reis Westphal29 de novembro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »