Artigos

Sistema da Gestão Ambiental, um diferencial ou um compromisso com o Futuro?

Sistema da Gestão Ambiental, um diferencial ou um compromisso com o Futuro?

Com as mudanças na percepção de questões ambientais, o setor industrial foi obrigado a implantar um sistema de gestão de seus processos, de modo a atender às exigências legais, bem como às expectativas da sociedade e do mercado quanto à adoção de uma postura ambientalmente correta e responsável, baseada em um conjunto de normas da série ISO 14000.

A série de normas ISO 14000, desenvolvida pela International Organization for Standardization (ISO), define parâmetros e diretrizes para a gestão ambiental dentro de empresas públicas e privadas, cujas atividades afetam diretamente o meio ambiente, criando um equilíbrio entre a manutenção da rentabilidade e a redução de impactos aos ecossistemas.

Contudo, a adoção dessas normas por si só não garante resultados eficazes para a organização. Para tanto, é preciso que o empreendimento seja desenvolvido dentro de um sistema de gestão estruturado e integrado de seus setores, com o comprometimento de todos os seus profissionais no que tange às questões ligadas ao desempenho ambiental e a melhoria contínua, a fim de torná-lo econômico e ecologicamente eficiente.

Além disso, para uma efetiva implantação do Sistema da Gestão Ambiental (SGA), a organização deve desenvolver e exercer atividades econômicas e sociais, que utilizem os recursos naturais de maneira racional e sustentável, por meio de procedimentos que evitem e/ou reduzam todo e qualquer tipo de agressão ao meio ambiente.

Ademais, a empresa deve desenvolver mecanismos de apoio que atendam à política, metas e objetivos ambientais, preocupando-se com técnicas de possíveis remediações de áreas degradadas e planos de atendimento emergencial, em caso de sinistros, bem como realizar estudos de riscos e impactos ambientais para a avaliação de novos empreendimentos ou ampliação das atividades produtivas, seguida de um plano de gerenciamento de riscos e monitoramento de suas atividades.

A implantação do SGA reflete, portanto, diretamente em produtividade, qualidade e melhorias econômico-financeiras, abrangendo, inclusive, implicações estratégicas e competitivas, garantindo a satisfação das pessoas envolvidas no processo.

Nessa senda, quando uma empresa segue as normas e implanta os processos indicados, ela poderá obter o Certificado ISO 14000. Esse certificado atestará que a organização adota um conjunto de práticas destinadas a minimizar impactos que causam riscos ao Meio Ambiente, além de ser um diferencial competitivo, haja vista que dará credibilidade aos seus clientes, fornecedores e colaboradores; aumentará sua participação no mercado e fortalecerá sua imagem, produtos e marca.

Entretanto, para obter e manter o Certificado ISO 14000, a empresa deverá seguir a legislação ambiental do país, treinar e qualificar seus funcionários para seguirem as normas, diagnosticar os impactos ambientais causados e aplicar procedimentos para diminuir os danos ao Meio Ambiente. Além disso, deverá se submeter, periodicamente, a auditorias ambientais, realizadas por empresa certificadora, credenciada e reconhecida pelo INMETRO e outros organismos internacionais.

Assim, atuar de maneira ambientalmente responsável e sustentável é ainda um diferencial entre as empresas, todavia, a tendência é transformar tal diferencial em pré-requisito e quanto antes as empresas perceberem esta nova realidade, maior será a chance de se manterem competitivas no mercado.

 

Milena Rupiani Bonetto

Advogada, Pós-graduanda em Perícia, Auditoria e Gestão Ambiental

Membro da Comissão da OAB de Santo Amaro de Direito Ambiental e de Defesa dos Direitos dos Animais

E-mail: direito@sustentahabilidade.com

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Advogada, Pós-graduada em Negócios, Comércio e Operações Internacionais pela FIA/USP e em Perícia, Auditoria e Gestão Ambiental. Master in International Management pelo Institut d’Administration des Entreprises (IAE). Membro das Comissões de Direito Ambiental e de Defesa dos Direitos dos Animais da OAB-SP

Mais em Artigos

Fragilidade Humana

A fragilidade humana …”matéria prima” dos ditadores.

Roberto Mangraviti17 de janeiro de 2018
Investimento

Investimento X Resultado em Qualidade e Sustentabilidade

Roberto Roche16 de janeiro de 2018
crise economia

Consequências da crise econômica: quem vai registrá-las?

Ricardo Rose15 de janeiro de 2018
Lições de Mark Zuckerberg

Lições de Mark Zuckerberg para universitários brasileiros

Roberto Mangraviti14 de janeiro de 2018

Como aparar as asas de aves mantidas como pet

Adriana Tereza Petrocelli13 de janeiro de 2018

Conheça nossa nova Colunista: Adriana Tereza Petrocelli

Bel Gimenez13 de janeiro de 2018
O preço do cobre, os veículos elétricos e a energia renovável

O preço do cobre, os veículos elétricos e a energia renovável.

Roberto Mangraviti12 de janeiro de 2018

Desmatamento na Amazônia, é um estrago irrecuperável?

Roberto Mangraviti10 de janeiro de 2018
Locais acidentados

Visitas de autoridades aos presídios e locais acidentados.

Roberto Mangraviti9 de janeiro de 2018

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »