Artigos

Stress é realmente ruim?

Stress é realmente ruim?

Claro! Você poderia dizer sem demora. Praticamente todo o dia há uma notícia nova na mídia dizendo como você pode reduzir o seu nível de stress ou como o ritmo frenético em que estamos vivendo está acabando conosco. E se disséssemos que na verdade o stress não faz mal?

Um estudo feito nos Estados Unidos acompanhou 30.000 pessoas ao longo de oito anos. Eles questionaram os participantes com duas perguntas: “a quanto stress você se expôs no último ano?” e “você acredita que este stress é prejudicial para a saúde?”. Depois disso, os pesquisadores utilizaram registros públicos para descobrir quem havia morrido.

Primeiro, a má notícia. As pessoas que sofreram muito estresse no ano anterior à pesquisa tinham um risco 43% maior de morrer. Mas isso só era verdade para as pessoas que também acreditavam que o estresse era prejudicial para a saúde. As pessoas que experimentaram doses elevadas de stress, mas não viam o estresse como prejudicial não eram mais propensas a morrer. Na verdade, elas tinham menos risco de morrer do que qualquer pessoa no estudo, incluindo pessoas que tiveram relativamente pouco stress.

Com estes dados em mãos, a pesquisadora Kelly Mcgonigal se perguntou se poderia mudar a forma como as pessoas veem o stress. Quando você está estressado, é provável que seu coração e respiração acelerem. E geralmente ficamos mais nervosos por estarmos nesse estado de ansiedade, piorando o quadro.  Mcgonigal dividiu participantes de sua pesquisa em dois grupos. Ambos foram expostos a situações estressantes, mas parte do grupo foi instruída a ver o stress de uma forma positiva. Por exemplo: eles foram ensinados a repensar a sua resposta ao estresse. Isso é, se o seu coração está batendo mais rápido significa que está preparando você para a ação. Se você está respirando mais rápido, não é nenhum problema. Você está levando mais oxigênio para o cérebro.

Então, algo surpreendente aconteceu: no geral, quando estamos estressados, nossos vasos sanguíneos se contraem, facilitando ataques cardíacos. Entretanto, os participantes que aprenderam a ver a resposta do corpo ao stress como útil para o desempenho, na verdade tiveram seus dados sanguíneos dilatados. “Esta mudança biológica pode ser a diferença entre um ataque cardíaco induzido pelo estresse aos 50 anos e viver bem aos 90”, completa a pesquisadora.

Autor: Cristian Reis Westphal

contato@sustentahabilidade.com

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Estudante de Engenharia Química. Lidera há 7 anos o projeto Ciência e Astronomia, que compartilha informações nas áreas da ciência e astronomia. Trabalha com divulgação científica em escolas e disponibiliza telescópios para observações em praças.

Mais em Artigos

Balneabilidade das praias: bandeira verde ou vermelha?

Laís Nunes20 de janeiro de 2018
Mulher na Dependência Quimica

A vulnerabilidade da mulher e a Dependência Química – Parte 2

Dependência Química19 de janeiro de 2018
Fragilidade Humana

A fragilidade humana …”matéria prima” dos ditadores.

Roberto Mangraviti17 de janeiro de 2018
Investimento

Investimento X Resultado em Qualidade e Sustentabilidade

Roberto Roche16 de janeiro de 2018
crise economia

Consequências da crise econômica: quem vai registrá-las?

Ricardo Rose15 de janeiro de 2018
Lições de Mark Zuckerberg

Lições de Mark Zuckerberg para universitários brasileiros

Roberto Mangraviti14 de janeiro de 2018

Como aparar as asas de aves mantidas como pet

Adriana Tereza Petrocelli13 de janeiro de 2018

Conheça nossa nova Colunista: Adriana Tereza Petrocelli

Bel Gimenez13 de janeiro de 2018
O preço do cobre, os veículos elétricos e a energia renovável

O preço do cobre, os veículos elétricos e a energia renovável.

Roberto Mangraviti12 de janeiro de 2018

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »