Cheap Rogaine 60ml Online With American Express Canadian Online Pharmacy Retin-a Buy Cheap Rogaine 15g With Prescription Where To Buy Flibanserin Huntinton Wv
Artigos

Substantivos abstratos, superficialidade e panos quentes

Substantivos abstratos, superficialidade e panos quentes

Há diversos fenômenos que nos chamam a atenção na cultura brasileira. Este que descreveremos a seguir, particularmente dadas as circunstâncias em que ocorre, é provavelmente de surgimento bastante recente. Na falta de outro tipo de informação, supomos que tenha aparecido junto com a popularização dos meio de comunicação de massa, principalmente o rádio e a televisão.

O caso que aqui nos chama a atenção é a maneira peculiar com que usualmente repórteres, apresentadores de noticiários e mesmo pessoas comuns envolvidas, fazem uso de substantivos, que parecem – ou premeditadamente são usados para – esconder as causas e os responsáveis por certos acontecimentos.

Inicialmente procuraremos dar exemplos fictícios de situações nas quais isso ocorre, para em seguida fazermos nossas considerações.

Fato 1: O apresentador descreve um atropelamento ocorrido durante a madrugada. Duas pessoas morreram e o motorista, bêbado, tenta fugir do local, mas é preso. O repórter, já na manhã do dia seguinte, entrevista parentes das vítimas durante o enterro. A imagem volta para o apresentador que descreve o ocorrido como uma “fatalidade” e que agora se espera uma ação da “justiça”. Uma parente da vítima também fala em justiça, mas na “justiça de Deus”.

Fato 2: Em importante cidade brasileira, mais uma vez, ocorre a morte de uma criança, causada por bala perdida. “A tragédia desta família que comove a todos”, diz o repórter presente ao hospital. A apresentadora do telejornal usa os substantivos “tragédia”, “perda”, “drama” e “justiça” com bastante ênfase.

Fato 3: Incêndio destrói parte de uma favela. “Acidente”, “irresponsabilidade”, “autoridades”, são palavras que integram grande parte das manchetes e comentários dos telejornais.

Fato 4: Uma barragem se rompe e inunda uma pequena cidade, matando doze pessoas e destruindo dezenas de quilômetros quadrados de área agrícola e florestal, além de soterrar parte da cidade com resíduos. “Tragédia”, “Fatalidade”.

Fato 5: Um importante museu, localizado em importante cidade, abrigando importante acervo, pega fogo, sendo destruído em grande parte. Mesmos comentários, idem, idem.

O uso dos substantivos (precedidos ou seguidos de adjetivos) é o mesmo quando se trata de descrever outros acidentes, que causaram danos a pessoas ou ao patrimônio, envolvendo grandes empresas, órgãos do governo, personalidades, etc. A impressão que se tem ao assistir a tais coberturas jornalísticas – geralmente televisivas – é que o ocorrido foi um “acidente” ou “uma tragédia”, ou pior, “uma fatalidade”, que não puderam ser evitados. As reais causas não são analisadas e informações são (premeditadamente) omitidas e aqueles que poderiam – ou deveriam – evitar o acontecido, muitas vezes não são sequer mencionados.

Provavelmente a ideia que se quer transmitir ao público é que tudo foi uma “fatalidade”, um grande “acidente”, o que causou a “tragédia”. Os causadores ou culpados ficam cobertos por uma cortina de fumaça. A informação superficial, não analisa o fato em profundidade e não aponta os responsáveis que poderiam ter evitado o ocorrido – a polícia, o departamento de trânsito, serviços sociais, empresas envolvidas, órgãos fiscalizadores, técnicos responsáveis, a justiça, altos executivos de empresas, juízes, etc.

As origens de tal procedimento provavelmente encontram-se no período ditatorial, quando notícias “negativas”, que pudessem causar comoção social, não eram tratadas em detalhes, quando muito veiculadas. Esta forma de cobrir jornalisticamente os fatos, sem apontar-lhes as causas, os prováveis causadores, seja por ação ou omissão, propicia um clima de impunidade e não permite que a sociedade possa aprender com tais acidentes e implantar práticos que possam evita-los no futuro.

Diferente de outras culturas que procuram tratar tais fatos de maneira científica, identificando causas, fatores relevantes e culpados a fim de prevenir novas ocorrências, tais acontecimentos ainda são abordados quase como se fossem acontecimentos misteriosos ou sobrenaturais – o que muito interessa e beneficia os reais responsáveis por tais ocorrências.

Ainda é grande a diferença entre o jornalismo televisivo praticado por muitos veículos no Brasil e o que ocorre em outros lugares, principalmente a Europa. Lembro-me de ter visto a ação de um repórter do jornal Guardian, preparando uma matéria para inserção televisiva. Sua entrevista seria com um dos grandes executivos da Shell. A maneira como o jornalista colocava suas perguntas, fazia lembrar uma luta de box, na qual o executivo estava encurralado no canto do ringue. Enquanto isso, aqui no Brasil, entrevistas semelhantes são conduzidas com tudo cuidado, de maneira a não colocar o entrevistado em má situação.

Texto: Ricardo Ernesto Rose
contato@sustentahabilidade.com

 

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos

Ricardo Ernesto Rose, jornalista, graduado em filosofia e pós-graduado em gestão ambiental e sociologia. Desde 1992 atua nos setores de meio ambiente e energia na área de marketing de tecnologias.

Mais em Artigos

ISO 14100

Competitividade das empresas brasileiras

Roberto Mangraviti10 de dezembro de 2019
Patinete MXF elétrico dobrável.

Patinete MXF elétrico dobrável.

Roberto Mangraviti9 de dezembro de 2019
Proteínas

Proteína, a proteção do seu corpo… excesso e falta

Dr Leo Kahn8 de dezembro de 2019

Não compre animais, adote!

Fernanda Lanzelotti6 de dezembro de 2019

Você acredita na Ciência?

Karen P Castillioni5 de dezembro de 2019
sustentabilidade e prevenção ambiental

Marketing, sustentabilidade e prevenção ambiental

Roberto Roche4 de dezembro de 2019
O conhecimento e a questão ambiental

O conhecimento e a questão ambiental

Ricardo Rose3 de dezembro de 2019

Bactérias e a formação do oxigênio na Terra Primitiva

Cristian Reis Westphal2 de dezembro de 2019
Gordura Trans

Gordura Trans…quanto consumir ao dia?

Dr Leo Kahn30 de novembro de 2019

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com