Artigos

Sustentabilidade e as Oportunidades dos Economistas

Sustentabilidade e as Oportunidades dos Economistas

Artigo publicado no portal CORECON SP (Conselho Regional de Economia) sobre oportunidades profissionais no campo da sustentabilidade.

Não é novidade que o Livro “Introdução à Análise Econômica”, de Paul Samuelson, foi e ainda é, o caminho de aprendizado dos economistas em todo mundo.

Em 1955, quando da primeira edição, o mundo ainda estampava cicatrizes sociais e econômicas, do final da Grande Guerra de 1945.

Naquela oportunidade, o foco econômico estava totalmente voltado para indústria, maior gerador de riqueza e emprego. Era uma visão naturalmente imediatista: recuperar o tempo perdido e gerar riqueza a qualquer custo.

Aquela cultura empresarial já recebia críticas do Professor Samuelson, que destacava a necessidade de transformar o conceito de PNB numa medida melhor, onde a poluição oculta e custos ecológicos fossem considerados, sugerindo então um novo conceito: BEL ou “Bem-estar Econômico Líquido”.

Na segunda metade do século, o PIB mundial cresceu quase sete vezes (contra 2,7 do período bélico), enquanto o foco das empresas transferia-se paulatinamente, da indústria para o marketing/distribuição até chegar ao próprio consumidor, razão de toda empresa.

Alguns líderes ratificaram Samuelson, anos depois, como Gro Harlem Brundtland, então primeira ministra da Noruega e nomeada Chefe da Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento nos anos 80. Em 1987, o conceito de sustentabilidade foi publicado  no relatório “Our Common Future”  (conhecido como Relatório Brundtland), sendo, “o desenvolvimento que satisfaz as necessidades presentes, sem comprometer a capacidade das gerações futuras de suprir suas próprias necessidades”.

Mais recentemente, em 2010, Nicholas Stern, economista inglês e assessor da ONU, afirmou aqui em São Paulo que “em 2020 serão necessários de 2% a 3% da riqueza gerada no Planeta, para evitar uma catástrofe ambiental.”

Se esta e outras previsões irão se concretizar, ninguém em sã consciência pode afirmar, pois não há como prever as soluções tecnológicas que a humanidade terá à  disposição para levar maior eficiência ao sistema produtivo, sem nenhum ônus sócio-ambiental. Contudo é fundamental destacar aos profissionais de todas as áreas, as imensas oportunidades de negócios que estas novas filosofias imporão ao mercado de trabalho.

Pois, paralelamente a estas percepções empresariais e técnicas, o mercado tenderá a absorver rapidamente uma mão de obra, especialmente de economistas, que possuam conhecimentos complementares de sustentabilidade e responsabilidade social corporativa, convergentes com essas novas demandas.

Como exemplo, vale destacar o Anuário Gestão Ambiental 2011/12 publicado pela Análise Editorial que avaliou instituições bancárias brasileiras e que representam 86% dos ativos totais, segundo o Banco Central. O anuário aponta que 71% dessas instituições, possuem políticas de risco sócio ambiental e 67% contam com profissionais especializados para análise de gestão e risco ambiental dos clientes. Assim sendo, avaliar o risco do crédito começa a ganhar contornos que vão muito além da análise de balanço.

A própria Organização Internacional do Trabalho afirmou em 2012 que metade da força de trabalho, em todo mundo, será afetada pela transição para uma economia verde, sendo que os setores mais envolvidos serão: agricultura, pesca, energia, indústria manufatureira, reciclagem, construção e transporte, ou seja, setores fundamentais na composição do PIB brasileiro.

Apesar de não mencionado pela OIT, o trade marketing também desempenhará papel relevante neste cenário “verde”, pois teremos que entender as escolhas e reações do consumidor na complexidade do mundo contemporâneo, onde de um lado temos uma China que produz o PIB de uma Grécia em 12 semanas, e de outro, consumidores selecionando nas prateleiras de supermercados, empresas responsáveis nas práticas sócio-ambientais.

Esta atitude seletiva de consumidores é comprovada pela pesquisa de Nielsen (2012) com 28.000 entrevistados em todo mundo. O resultado indica que na América Latina, 49% dos consumidores estão dispostos a pagar mais por produtos responsáveis e 77% dos entrevistados preferem comprar produtos que dão retorno social.

Pelos números apresentados, é prudente considerar que a sustentabilidade implicará em novos modelos de negócio, consumo e trabalho.

Cabe aos economistas uma adequada preparação para estes novos tempos, levando nossa fundamental contribuição a este ambiente de negócios transformado, que apesar de ainda indefinido no formato, apresenta claramente um viés de expansão e aprofundamento das praticas de responsabilidade sócio-ambiental.

A estimativa do tempo necessário para que estas transformações ocorram, caberá ao velho ditame de mercado, na exata intersecção de interesses de investidores e consumidores.

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Economista e Facility Manager em Sustentabilidade. Editor, diretor e apresentador do Programa Sustentahabilidade.com pela WEBTV. Consultor da ADASP- Associação dos Distribuidores e Atacadistas do Estado de São Paulo e colunista do site do Instituto de Engenharia de São Paulo.

Mais em Artigos

Risco Ambiental na Gestão de Resíduos Sólidos

Risco Ambiental na Gestão de Resíduos Sólidos

Roberto Roche12 de dezembro de 2017
São Paulo

Cidade de São Paulo – TODOS são “fumantes”.

Roberto Mangraviti9 de dezembro de 2017
Leite e Qualidade

Leite: qualidade, processamento e as nomenclaturas comerciais.

Convidado8 de dezembro de 2017
Pré-História

Homem … 45 mil anos de impacto ambiental

Ricardo Rose7 de dezembro de 2017
Gestão Ambiental

Gestão Ambiental portuária, Ônus ou Oportunidade?

Roberto Roche5 de dezembro de 2017
equipes

Equipes de Crise Corporativa

Roberto Mangraviti2 de dezembro de 2017
Energia Aeólica

A Cidade de Saerbeck planejou e realizou o futuro.

Roberto Mangraviti1 de dezembro de 2017
Demitir Clientes

Momento(s) de “demitir” um cliente !

Roberto Mangraviti30 de novembro de 2017

A revolução das impressoras 3D: Impressão de pontes de aço

Cristian Reis Westphal29 de novembro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »