Artigos

Sustentabilidade: saída da crise para Deloitte.

Sustentabilidade: saída da crise para Deloitte.

Que a crise está instalada no país, e era lamentavelmente previsível, não há questionamento muito menos novidade.

Os remédios são velhos conhecidos do empresariado: reduzir custo e aumentar vendas. No antagonismo destes caminhos sempre existiu uma palavrinha chave, que foi (e continua sendo) o elo de ligação entre as duas pontas: eficiência.

Contudo estes velhos problemas e doenças possuem ferramentas novas que atendem as duas pontas simultaneamente nos dias de hoje chamada, sustentabilidade.

Uma recente pesquisa da ABRAPS-Associação Brasileira dos Profissionais de Sustentabilidade e Deloitte lança luz nesta nova tendência do mercado brasileiro, onde as empresas estão claramente buscando saídas inovadoras através da sustentabilidade. A comprovar esta tendência, a pesquisa destaca que 29% das 370 empresas pesquisadas que possuem departamento de sustentabilidade, aumentaram seus investimentos na área. Outro número significativo (43%) mantiveram para 2015 o mesmo nível de investimentos de 2014. É natural que se isto está ocorrendo, é resultante dos obstáculos já superados no passado e pelo horizonte possível de se prever no futuro. Uma outra pesquisa mais antiga, organizada somente pela Deloitte em 2013 com as 100 maiores empresas do Brasil, já apontava que 59% haviam conquistado novos mercados e 58% delas haviam aumentado a produtividade. Isto também é resultado do alto índice de escolaridade destes profissionais pois 75% deles possuem pós graduação e 25% mestrado. Mas talvez o número mais impactante é que 70% estão na área por um motivo simples: motivação pessoal. São profissionais que possuem um DNA de prazer pelo trabalho e amor a profissão, pois somente 8% deles escolheram a atividade por motivos financeiros, aponta a recente pesquisa. Além do mais, estes departamentos possuem funcionários com um padrão multidisciplinar, que no jargão popular são conhecidos como modelo “Bombril”, com 1.001 utilidades, desdobrando-se pelas empresas que prestam serviços.

Reduzir custos, por exemplo se faz imediatamente com a redução das contas de energia elétrica e água, entre outros.

Em muitos casos (as vezes na maioria deles) a taxa de retorno se dá em 30 dias, e temos publicado com frequência alternativas até de custo zero nesta coluna. Na outra ponta, o crescimento das vendas, também se dá através dos mesmos conceitos, amparados no vigor do team pela busca de novos mercados e estratégias diferenciadas.

Portanto esta crise (e infelizmente aprendemos mais com elas do que com a bonança), será uma grande oportunidade de avanço nos modelos de gestão. Será também certamente dura e das mais difíceis.

E as soluções se darão, como sempre, pela qualidade das nossas escolhas e naturalmente através de profissionais engajados, cooperadores e competentes.

Desta forma somente nos resta dizer: mãos a obra!

Foto: http://www.abb.com/

Autor: Roberto Mangraviti

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Economista e Facility Manager em Sustentabilidade. Editor, diretor e apresentador do Programa Sustentahabilidade.com pela WEBTV. Consultor da ADASP- Associação dos Distribuidores e Atacadistas do Estado de São Paulo e colunista do site do Instituto de Engenharia de São Paulo.

Mais em Artigos

Motivação_Herzberg

Teoria da Motivação de Herzberg (3).

Roberto Mangraviti23 de novembro de 2017
Bolsa Família

O Bolsa Família ocultou a taxa de desemprego real?

Roberto Mangraviti22 de novembro de 2017
QSMS-RS e Sustentabilidade

Mais líderes na gestão de QSMS-RS & Sustentabilidade

Roberto Roche20 de novembro de 2017
Motivação

Teoria da Motivação de McClelland(2)

Roberto Mangraviti17 de novembro de 2017
Infraestrutura

Infraestrutura no Brasil – Concessionárias as únicas com bons resultados( Parte 3)

Roberto Mangraviti16 de novembro de 2017
Gestão Ambiental Portuária

Gestão Ambiental portuária, Ônus ou Oportunidade?

Roberto Roche14 de novembro de 2017

Motivação na ótica de Maslow

Roberto Mangraviti13 de novembro de 2017
Adam Smith

Lições para o Brasil – Adam Smith

Roberto Mangraviti12 de novembro de 2017
Animal Pré-histórico

Animais que “deram as caras” depois da extinção dos dinossauros

Karen P Castillioni11 de novembro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »