Artigos

Você sabe o que é CRISPR-Cas9? Entenda esse jogo de edição de genomas!

Você sabe o que é CRISPR-Cas9? Entenda esse jogo de edição de genomas!

Você sabe o que é CRISPR-Cas9? Entenda esse jogo de edição de genomas!

Você certamente ouviu falar sobre o sistema CRISPR, que se tornou bastante popular nos últimos tempos. Mas do que se trata, como funciona e quais as suas aplicações? Confira todas essas respostas a seguir.

O que é CRISPR-Cas9?

CRISPR-Cas9, do inglês “clustered regularly interspaced short palindromic repeats-associated protein 9”, que na tradução literal significa “repetições palindrômicas curtas interespaçadas, regularmente agrupadas e associadas à proteína Cas9”, nada mais é do que um sistema de defesa bacteriano contra infecções. CRISPR representa um agrupamento de sequências de DNA encontrado dentro do genoma de bactérias. Essas sequências são, na verdade, provenientes de vírus que já infectaram as bactérias no passado e funcionam como um arquivo, que permite às bactérias reconhecerem esses vírus durante uma nova infecção e atacá-los mais rapidamente.

Como o sistema CRISPR-Cas9 funciona?

Assim como nós, as bactérias também podem ser vítimas de infecções virais. Vírus que infectam bactérias são chamados de bacteriófagos, e agem depositando seu material genético dentro da célula bacteriana, o qual é processado pela maquinaria hospedeira, levando à produção de novos vírus. Da mesma forma que bactérias estão susceptíveis aos vírus, elas também apresentam mecanismos de defesa contra essas infecções, e um deles é o sistema CRISPR-Cas9.

Quando bactérias são expostas ao material genético de novos organismos invasores, fragmentos desse DNA invasor são integrados dentro genoma das bactérias, nos chamados domínios CRISPR. Quando uma segunda infecção ocorre, se o material genético depositado pelo vírus for correspondente a algum dos fragmentos armazenados dentro do domínio CRISPR, ele será rapidamente destruído por enzimas bacterianas, pondo fim à infecção. As enzimas responsáveis por reconhecer e fragmentar o DNA invasor, levando à sua degradação, são chamadas de Cas9 [1].

Quais as aplicações na medicina e suas perspectivas?

Pesquisadores perceberam que esse mecanismo de defesa poderia ser utilizado na engenharia genética para edição de genes. Se as enzimas Cas9 podem cortar o DNA viral, poderiam também cortar o DNA humano. E se esses cortes fossem direcionados para ocorrerem em determinadas regiões do DNA, seria possível remover mutações e inserir uma sequência de DNA corrigida, pondo fim as inúmeras doenças genéticas!

Embora isso pareça coisa de filme de ficção científica, é exatamente o que está ocorrendo no momento. Muitos estudos têm demonstrado que o sistema CRISPR-Cas9 pode ser uma ferramenta inovadora e promissora para fins terapêuticos, eliminando doenças virais ou geneticamente herdadas. Em 2016, por exemplo, um estudo envolvendo modelos animais com HIV utilizou a tecnologia CRISPR-Cas9 para remover precisamente o genoma do vírus que estava incorporado no DNA das células infectadas dos animais, demonstrando que essa ferramenta pode ser futuramente empregada para a cura da AIDS [2].

A edição de genes é de grande interesse na prevenção e no tratamento de doenças. Por questões éticas e também de segurança, a maioria dos estudos envolvendo a tecnologia CRISPR-Cas9 vem sendo desenvolvida em cultura de células ou em modelos animais, uma vez que os cientistas ainda estão tentando determinar se a ferramenta é segura para humanos. Em 2016, no entanto, teve início a primeira pesquisa clínica envolvendo o uso de CRISPR-Cas9 em humanos para tratamento de câncer nos Estados Unidos [3]. A proposta é a realização edições genéticas nas células de defesa, para aumentar a sua capacidade de combate às células tumorais.

Além das aplicações mencionadas, outra vertente aborda o uso de CRISPR-Cas9 em células germinativas ou embriões, o que vêm gerando debates acerca dos princípios éticos dessa prática. No entanto, não resta dúvidas de que a tecnologia CRISPR-Cas9 veio para revolucionar a pesquisa e a medicina. Embora a aplicação da técnica ainda seja exclusivamente no âmbito experimental, estamos caminhando para um futuro em que não precisaremos mais conviver com as doenças que mais nos afetam nos dias atuais.

Texto: Lidiani

Imagem de Capa: https://geneticliteracyproject.org/2018/02/23/universal-genetic-scissors-crispr-cas-9-sister-protein-can-cut-dna-rna/

Referências

[1] https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/28375731

[2] https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/28375731

[2] https://www.nature.com/articles/srep22555

Artigos

Bióloga, bacharel em Genética e Bioquímica, com Mestrado e Doutorado em Genética Humana pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). Atualmente é pesquisadora de Pós-Doutorado na Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Tem experiência como professora e palestrante desde 2009, e conta com diversos artigos publicados em revistas internacionais.

Mais em Artigos

Cães podem ser geneticamente programados para amar seres humanos

Cristian Reis Westphal22 de março de 2019
Dislexia

Dislexia

Dr Leo Kahn21 de março de 2019
Humanos e Animais

Famílias Multiespécies

Fernanda Lanzelotti20 de março de 2019
Motivação_Herzberg

Teoria da Motivação de Herzberg (3).

Roberto Mangraviti19 de março de 2019
Herpes Zoster

Herpes zoster

Dr Leo Kahn16 de março de 2019

Evidências mostram origem de vida humana no Sul da Austrália

Cristian Reis Westphal14 de março de 2019

Mata Ciliar: os cílios das águas

Laís Nunes13 de março de 2019
Imprensa

No país das declarações

Ricardo Rose12 de março de 2019
Guedes ... um país de extrativistas falando muita merda.

Guedes … um país de extrativistas falando muita merda.

Roberto Mangraviti12 de março de 2019

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »