Artigos

O OXI … a “rapadura do diabo”

O OXI … a “rapadura do diabo”

O Oxi está dentre as drogas classificadas como Estimulantes do Sistema Nervoso Central, sendo que estas substâncias aumentam a atividade do cérebro, estimulam seu funcionamento, fazendo com que seu usuário fique mais “ligado” ou “elétrico”, sem sono, sem fome.

Oxi é mais um dos derivados da cocaína. Seu nome é óxido, obtido da mistura da pasta base da cocaína com querosene, gasolina, cal virgem ou solvente usado em construções. Também apelidada de “Rapadura do Diabo”, chegou ao Brasil em 2004, vinda da Bolívia.

Ela geralmente é consumida numa mistura com o cigarro comum ou com o cigarro de maconha, ou ainda, fumada em cachimbos de fabricação caseira, como se consome o crack. Este nome advém de uma abreviação de oxidado, pois a droga libera uma fumaça escura ao ser usada, deixando um resíduo semelhante ao da ferrugem de metais.

Oxi_1

Para os usuários de Oxi, a sensação vai depender da singularidade de cada um, desde prazer e alívio até angústia e paranóia. O chamado “barato”, que seria a euforia e êxtase é muito rápido, e por este motivo, a necessidade de novo consumo é muito rápida. Por ser uma droga de baixo custo, estima-se que o Oxi é vendido por um preço duas vezes menor que o crack, tornando-a muito procurada.

Os usuários apresentam significativas  reações, pois ficam nervosos e agitados durante e após o uso, levando a pele  a uma cor amarelada, além de perda acentuada de  peso.

O poder do Oxi é extremamente destrutivo, sendo que o querosene ou gasolina podem causar lesões na boca, como ferimentos nos lábios, na língua, ferimentos no esôfago e corroem os dentes. A cal virgem pode provocar fibrose pulmonar e os químicos adicionados à droga vão para o fígado, causando cirrose e o acúmulo de gordura no fígado. Sem sombra de dúvida, pode levar à morte em pouco tempo.

Oxi_2

Foto 1

 

Além deste danos e estragos ao usuário, há também todas as variáveis que permeiam este usuário, desde os fatores socioeconômicos, conflitos familiares e psíquicos.

Dada a gravidade causada aos consumidores, quando possível, a pessoa poderá ser levada para uma internação em clínica de desintoxicação e encaminhada para tratamento, após a saída da clínica.

Mas naturalmente a prevenção e a informação, especialmente no seio familiar, ainda é o melhor remédio, e é por este motivo que o Portal SustentaHabilidade abre espaço para popularizar e compartilhar estas informações.

Foto 1: http://drogasfaceaface.blogspot.com.br/

 

Autoras: Nancy M.F.Peres , Raquel Arantes

dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Artigos

Mais em Artigos

Dia da Árvore e o bem estar

Dia da Árvore e o bem estar !

Roberto Mangraviti21 de setembro de 2020
Bioinseticida combatendo a mosca branca na agricultura

Bioinseticida combatendo a mosca branca na agricultura

Roberto Mangraviti7 de setembro de 2020
Unicórnio nacional é destaque no mundo dos negócios ambientais

Unicórnio nacional é destaque no mundo dos negócios ambientais

Roberto Mangraviti8 de agosto de 2020

Energia limpa crescendo em 2020 no Mundo

Roberto Mangraviti3 de agosto de 2020
Novo marco legal do saneamento

Novo marco legal do saneamento

Roberto Mangraviti26 de julho de 2020

Conheça do benefícios das plantas medicinais e aromáticas

Isabel Gimenez20 de julho de 2020

Primeiro pivô de irrigação por energia solar é lançado no Brasil

Roberto Mangraviti13 de julho de 2020

Biosolvit é ganhadora do Virtual South Summit de Sustentabilidade

Roberto Mangraviti28 de junho de 2020

Transações online de gado ganham força durante pandemia

Roberto Mangraviti15 de junho de 2020

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com